Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Gerenciamento de crise em tempos atuais

Gerenciamento de crise em tempos atuais

11/11/2017 Vera Lucia Rodrigues

Como lidar com os problemas virtuais.

O gerenciamento de qualquer crise segue mais ou menos os preceitos básicos, o que muda são as características do ambiente onde elas acontecem. Frequentemente surgem questionamentos sobre como é que se faz gerenciamento de crise nas redes sociais.

E o que se pode afirmar com toda a certeza é que não existe uma receita pronta e acabada. Cada crise é única e cada situação deve ser analisada e tratada de maneira adequada para que o problema seja resolvido rapidamente e com o mínimo de danos à imagem do cliente.

No entanto, alguns passos devem ser considerados na hora de gerenciar uma crise on-line. A primeira ação que deve ser lembrada é que: quanto mais tempo se demora para reagir à crise, mais ela aumenta. Problemas em qualquer esfera da vida não desaparecem sozinhos, só pioram com o tempo se a gente der as costas.

Com as crises corporativas, a lógica é a mesma. Sendo assim a rapidez conta muitos pontos para diminuir a repercussão da crise na internet, é importante que se dê a primeira resposta já nos primeiros minutos. É importante contar com respostas padronizadas, sem margem para ampliação do problema.

Assim, mesmo que não se tenha todas as informações necessárias para um posicionamento oficial, é possível responder rapidamente, mostrando que as críticas estão sendo consideradas e analisadas e que logo que exista uma resposta oficial ela será trabalhada da melhor forma.

Quando necessário, fale diretamente com o causador da crise, ou seja, converse por meio de mensagens diretas com quem está reclamando do serviço, produto ou marca para o qual você trabalha. Busque todas as informações que dão motivo à reclamação/crise, porque com isso conseguirá responder publicamente de modo mais assertivo e sem deixar margem para mais questionamentos.

Cada pessoa e cada crítica precisam ser respondidas em tempo razoável, porque isso faz toda a diferença. É preciso demonstrar importância com cada espectador, a partir do tratamento dispensado a cada crítica, os reclamantes podem entender seus casos e expor sua opinião positiva a partir da resposta que receberem. Apesar de parecer obvio, é sempre bom lembrar, seja honesto, não invente uma história para se justificar genericamente no meio de uma crise.

Todo ser humano é passível de falhas e sendo as organizações cuidadas por pessoas, os erros podem acontecer. Todos os dias novas políticas são pensadas e postas em prática para minimizar o número de falhas nas corporações, no entanto, caso aconteça algum problema, trate-o como um problema, não se isente de culpa e busque formas de resolvê-lo da melhor forma possível para a empresa e para o reclamante.

Sim, devemos assumir que erramos e mostrar o que vai ser feito para que isso não aconteça mais, as pessoas confiam mais em empresas com política efetiva de transparência na relação com o público e respeito por ele.

É preciso aprender com cada erro, as crises acontecem, no entanto, é necessário entender seus motivos e trabalhar para que não voltem a se repetir e que com competência e transparência o problema seja solucionado, com o mínimo possível de danos à imagem corporativa.

* Vera Lucia Rodrigues é jornalista, mestre em comunicação social pela Universidade de São Paulo e diretora da Vervi Assessoria de Comunicação, empresa que há 35 anos atua na área de comunicação corporativa.



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.