Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gerenciando o relacionamento com clientes de telecomunicações

Gerenciando o relacionamento com clientes de telecomunicações

03/10/2013 Peter Conquest

Para as operadoras de telecomunicações se manterem competitivas no atual cenário econômico, a capacidade de criar uma experiência personalizada que lhe ajude a ampliar sua base de clientes e, consequentemente, fidelizá-los, torna-se um diferencial importantíssimo.

Para atingir esse objetivo, também é fundamental que a operadora apresente uma interface consistente, integrada e efetiva de relacionamento com cliente em múltiplos canais, para atendê-los com eficiência em todo o ciclo de vendas.

Isso acontece porque a expectativa do consumidor é por uma interação direta e padronizada com o “vendedor”, independentemente do ponto de contato utilizado, que pode ser a loja móvel, a loja online, a loja física ou o contact center da empresa. Atender tais expectativas representa um grande desafio, mas a recompensa para as operadoras que superarem tal desafio também é bastante expressiva.

Por exemplo, uma oferta personalizada pode contribuir diretamente com o aumento da Receita Média Por Usuário (ARPU, do inglês Average Revenue Per Use) em até 5% e gerar a oportunidade para estreitar relacionamento com o cliente. Consequentemente, também evita que o mesmo cancele seu vínculo e opte por adquirir um produto e/ou serviço da concorrência, situação que também é conhecida como “Churn” e sinônimo do maior temor das operadoras.

Uma ação que elas vêm desenvolvendo com frequência é consolidar seus sistemas tecnológicos para uma plataforma unificada que seja capaz de gerenciar igualmente todos os canais de vendas e serviços, aderindo ao comércio Omni-Channel (integração do comércio físico, comércio online e comércio móvel que oferece ao cliente uma experiência de compra persuasiva e diferenciada).

Porém, o setor de telecomunicações apresenta uma série de peculiaridades, tais como flexibilidade para suportar inventários complexos, ofertas personalizadas de contrato para diferentes perfis de clientes ou análise da fatura a ser emitida, entre outros fatores. Por esse motivo, podemos afirmar que experiência do cliente, fidelização do cliente e aumento do ARPU são conceitos diretamente relacionados.

E o ponto de partida que explica essa ligação é saber “onde” os consumidores fazem pesquisas sobre os produtos antes de comprar. A operadora deve proporcionar uma experiência consistente de obtenção de informações (seja por meio de contato telefônico, pessoal ou “virtual”) e, dessa forma, facilitar o convencimento do consumidor a concretizar tal compra.

Se seguir todos esses passos, a operadora estará colocando em prática um dos propósitos do OmniChannel, que é tratar o consumidor da mesma maneira em todos os pontos de contato e ampliar o seu engajamento com a marca. Evidentemente, também é importante que a operadora não se limite a apenas atender as exigências impostas pelos seu cliente no ato da compra mas, principalmente, saiba oferecer “algo mais” que aumente o nível de satisfação desse cliente.

Por exemplo, se o comprador acaba de adquirir um telefone celular, aproveite a oportunidade de oferecer um bônus na próxima compra online, como um acessório compatível com seu aparelho ou desconto na aquisição de novos produtos ou serviços. Mas, antes de identificar qual o bônus adequado, é essencial contar com as funcionalidades da plataforma de OmniChannel, pois é ela que vai oferecer aos vendedores a análise precisa sobre o comportamento e os interesses do comprador.

Concluímos que o comércio OmniChannel é realmente muito complexo, pois demanda uma grande precisão de uma grande quantidade de informações, tanto para o consumidor quanto para o atendente de contact center ou vendedor. Soma-se a isso o fato que, no setor de telecomunicações, o comércio OmniChannel torna-se mais complexo ainda pela necessidade de sistemas especializados, ao invés de sistemas adaptados ou moldados a partir de soluções “genéricas”, independentemente do modelo de negócios da empresa usuária ser B2B ou B2C.

*Peter Conquest é Diretor de Desenvolvimento de Negócios para Telecomunicações da hybris.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.