Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gestão pública é o caminho contra a corrupção

Gestão pública é o caminho contra a corrupção

17/10/2019 Wagner Siqueira

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.

Ou seja, esse mal é algo comum e enraizado na sociedade de modo geral. No entanto, o grande problema está na impunidade. A complacência com a corrupção tem sido o grande veneno dos governos.

Os efeitos colaterais são diversos. Eles geram as crises do nosso tempo, como a corrupção generalizada (tanto a governamental quanto a empresarial) e a escassez de líderes.

Por exemplo, no lado social, observa-se as massas abandonadas sofrendo com a desigualdade. Na questão moral, provoca o aumento da hipocrisia e o cinismo diante dos fatos do cotidiano.

Da crise econômica, emerge o descontrole das variáveis financeiras. Essas questões muitas vezes são provocadas por conta do alto custo do desperdício e da irracionalidade de gestão, que acabam sendo mais danosos do que a corrupção. Tais fatores criam uma verdadeira montanha russa na vida de milhares de pessoas.

Outro dilema encontra-se entre a formação de gerentes e líderes. A sociedade tem capacitado gerentes eficazes, mas tem negligenciado a formação de lideranças.

É só notar como tem se falado tanto em líderes e liderança. Porém, nunca se formou tantos gerentes para a conformação e a rotina.

Isso provoca ainda mais lacunas. Por exemplo, fala-se tanto em empreendedorismo e atitude empreendedora. Mas ainda se insiste em manter ambientes organizacionais que não dão espaço para voz e para participação de outros.

Além disso, esquece-se de valorizar a contribuição e a liberdade de inovar e de ousar.

Esses problemas são fruto da erosão da autonomia institucional, a qual é tolhida de inúmeras formas. São as exigências governamentais e legais, os excessos de repartições burocráticas, as normas sindicais, as relações de trabalho conflitantes, as pressões de grupos de interesse contraditórios entre outros.

A reforma do governo é, de fato, bem mais difícil do que no setor privado. Os burocratas padecem de apego profissional pela homogeneidade.

Há uma regra de ouro na gestão pública que precisa ser quebrada: nunca faça nada pela primeira vez.

Para se exercer a verdadeira gestão pública nos tempos que vivemos, é essencial encarar a inteligência artificial como o grande agente de mudança para acabar de vez com a burocracia. Infelizmente, o setor público não se mexe na era do Google.

É fundamental ressaltar ainda que somente a democracia tem o compromisso com a gestão pública, pois ela está sempre a serviço da cidadania, promovendo melhores condições para os cidadãos.

Ela busca a garantia dos direitos individuais, o bem comum e o interesse coletivo. O mais importante: a gestão ágil, correta e justa cria obstáculos à corrupção.

* Wagner Siqueira é conselheiro federal pelo Conselho Regional de Administração (CRA-RJ) e membro do conselho consultivo da região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Fonte: Agência Drumond



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes