Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Giseles e Marielles

Giseles e Marielles

17/03/2018 Marília Aparecida Muylaert

Dois assassinatos. Ambas, mulheres.

Uma era médica. Outra era vereadora. Ambas prestavam serviços à comunidade. Uma branca, outra preta. Ambas levaram tiros na cabeça. Uma teve seus bens roubados. A outra, sua voz, também. Ambas foram privadas de suas vidas. Uma foi assassinada por bandidos. A outra também.

Ambas, vítimas. Uma foi notícia privada. A outra ficou estampada nos jornais do mundo. Ambas, estão sob a terra, sós. Existem inúmeras diferenças entre os dois crimes. Nenhuma que justifique pesar maior por uma que por outra. Ambas são faces de uma mesma moeda perversa: o que nos tornamos no processo civilizatório para que ousemos fazer distinção entre dores lícitas, causas justas, injustiças justificáveis, defesa de direitos?

Ambas deixam claro que o processo falhou. Ambas atestam as diferenças inconciliáveis a que nos conduzimos. Ambas são vítimas de nossa cegueira escolhida. As redes sociais destilam dores e ódios propalados a sete ventos e... colocamos uma contra a outra.

Aqui as semelhanças acabam e, o que seria o chão comum, torna-se movediço lodo de discriminação de todo tipo. O olhar para o futuro além da esquina está turvado pela dor, pela miséria humana, pela pobreza de caráter. Insuflamos o peito e os discursos para defender uma OU outra. Estamos longe de qualquer saída solidária e generosa, muito além de qualquer ética ou justiça.

Nos tornamos nós, os bandidos, os mesmos que puxaram os gatilhos. Estraçalhamos seus corpos entre a esquerda e a direita com um nó de afetos grotescos ao centro. Matamos mais um pouco e outra vez, covardemente, e continuamos nos afastando certos de nossas posições, bradando por justiça enquanto assumimos posições injustas. Esquartejamos o tecido social do qual todos fazemos parte, buscando as posições mais certas, o olhar mais acurado, a análise mais intelectual ou política que dê conta da barbárie que produzimos.

E, tanto faz se nos damos conta ou não da boçalidade de nossas reivindicações. A dor move o ódio e a busca de culpados, sempre do outro lado, sempre bem longe de nós, sempre no lugar onde não fazemos parte ou sequer nos aproximamos. Gisele e Marielle, profissionais, jovens e promissoras. Tinham família e sonhos. Escolheram profissões que cuidam da Vida, da sociedade, de nossa continuidade digna.

Entender que uma era do cotidiano e outra do palanque. Que uma era da Vida agora e outra da Vida amanhã. Nenhuma mais importante, se não vivemos hoje, não há amanhã para ser construído. Entender que os usos políticos e as causas obscuras das mortes não validam uma ou outra, e não invalidam também.

Estamos sempre advogando em causa própria, seja para já ou amanhã, este o fardo mais tramado e inconfessável de nossas intenções. Ganhar as manchetes do mundo ou notas de rodapé, não revelam o valor das Vidas. Não há mérito na morte de quem morre. Não há ética em assassinato.

´Os bandidos passam bem´... Maioria ou minoria, classe, partidos, políticas injustas ou direitos garantidos. Linha Vermelha ou Estácio. Condomínio ou favela. O que as vozes clamam é o direito à Vida.

Sim, com letra maiúscula e dignidade e alegria e luta e... “Todo mundo tem direito à Vida e todo mundo tem direito igual”

* Marília Aparecida Muylaert é Professora Assistente Doutora do Departamento de Psicologia Clínica da Unesp de Assis.

Fonte: Oscar Alejandro Fabian D Ambrosio - ACI



O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.