Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Governo faz ouvidos de mercador para a Manifestação Popular

Governo faz ouvidos de mercador para a Manifestação Popular

21/03/2016 Bady Curi Neto

Vivenciamos no domingo, 13 de março, a maior manifestação pública já ocorrida no Brasil.

Governo faz ouvidos de mercador para a Manifestação Popular

Milhares de pessoas se reuniram em Capitais e cidades do interior para manifestar contra a corrupção, contra o ex-presidente Lula e a favor do Impeachment de Dilma Rousseff.

Apesar da dimensão do movimento, nunca antes vista na história deste país, o mesmo se deu de forma ordeira, civilizada e democrática.

Pessoas compareceram com seus familiares vestidos com as cores da bandeira nacional, demonstrando que a manifestação era apartidária, em prol de um país melhor.

Houve um apoio irrestrito às instituições brasileiras, leiam-se Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário, esse personificado na figura do Juiz Moro, que conduz, com mão de ferro, os processos judiciais da operação Lava Jato.

O Hino Nacional foi cantado em coro por diversas vezes, intercalados com gritos da multidão de “Fora Lula”, “ Fora Dilma”, “Fora PT” e “Fora Corrupção”.

Não houve baderna, quebra-quebra, e nem pessoas escondendo a face com máscaras (Black Bloc) para não serem identificados.

Uma manifestação de cara limpa pelo descontentamento com as mazelas do governo Lula e Dilma. O ato repercutiu em toda a imprensa nacional e estrangeira, fortalecendo sobremaneira as oposições favoráveis ao Impeachment.

O governo federal tentou minimizar a força da manifestação, dizendo que o movimento se deve à crise econômica mundial e a brasileira, que o ato refletia esta insatisfação, fazendo olhos de quem não viu.

O descaso da Presidente Dilma com a nação parece não ter fim, como se as vozes da manifestação não fossem voltadas para ela e seu antecessor. Com ouvidos de mercador e de costas para a vontade popular, convida o ex-presidente Lula para participar do Governo, com a desculpa que o mesmo irá compor a base de apoio contra o Impeachment.

A atitude da mandatária maior da nação deve agravar a crise política e aumentar a insatisfação popular, já que as palavras de ordem no domingo eram “Fora Lula” e “Fora Dilma”. Tal despautério, se não foi para dar o foro privilegiado ao Lula, escapando das mãos do Juiz Moro, irá fortalecer o pedido de Impeachment, em efeito contrário do desejo da Presidente.

A articulação do Partido da Presidente, com sua anuência no malfadado convite ao ex-presidente Lula, soa com um recado claro que as vozes da nação não reverberam no Palácio do Governo. A crise econômica também tende a agravar.

O mercado financeiro, além de outros fatores, com os olhos sensíveis a fatos e mudanças políticas, por ser especulativo reagiu, pessimamente, à possibilidade da participação direta do ex-presidente no Governo Federal. A bolsa de valores teve uma acentuada queda, sobretudo as ações das empresas Estatais (Petrobras, Eletrobrás e Banco do Brasil) e o dólar a maior alta em cinco meses.

Acrescente-se a estes fatores desfavoráveis, a delação premiada do Senador Delcídio do Amaral, homologada pelo STF, que aponta o indicado com possível envolvimento nos escândalos de corrupção na Petrobras.

Por todos os ângulos, a indicação do ex-presidente Lula para compor uma pasta ministerial no governo é um verdadeiro “tapa na cara” daqueles que participaram da manifestação popular.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques