Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Gugu e a fragilidade da vida

Gugu e a fragilidade da vida

30/11/2019 Valmor Bolan

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.

A morte do apresentador Gugu Liberato comoveu a todos os brasileiros, pela forma como ocorreu, gerando inclusive questionamentos sobre o porquê ele, sendo milionário, não ter contratado um técnico apropriado para resolver um serviço aparentemente simples, que é o de trocar o filtro do ar condicionado.

Também causou estranheza o fato dele ter subido até o sótão para fazer esse serviço, sem ter tido informação de que havia partes frágeis no piso do sótão, que ocasionou a sua queda, a 4 metros de altura. Deveria ter, no mínimo, uma placa indicando o perigo na localidade...

Fazia pouco tempo que ele havia se mudado para a casa, aonde pretendia usufruir mais com a família.

Mais uma vez fica comprovado de que o que importa nessa vida não é só o dinheiro que permite fazer grandes aquisições materiais, pois tudo fica, nem dá para fazer grandes planejamentos de segurança e tudo mais, pois a nossa vida é mesmo muito frágil, e temos que fazer o melhor para a cada dia estarmos de bem com a nossa consciência, do dever cumprido, etc.

Realmente nunca sabemos qual será o nosso último dia, daí a necessidade de nos prepararmos melhor para isso, especialmente com a oração.

Para nós que temos fé, sabemos que a nossa vida não termina aqui, e que haverá um julgamento posterior de nossos atos.

Por isso os católicos recorrem ao exame de consciência, para a cada dia, buscar avaliar o que é feito, confiante na misericórdia de Deus.

O mais chocante não é a morte em si, pois todos nós estamos aqui de passagem, sabemos disso. Mas o modo brusco como acontece, com muitas pessoas, pegam não só a pessoa, mas também a família, totalmente despreparada, por isso choca.

No começo do ano ocorreu à mesma coisa com o jornalista Ricardo Boechat, vítima de um acidente de helicóptero.

Por isso, temos que buscar uma vida mais simples, mais desapegada de coisas supérfluas, procurando manter o que é necessário, para cumprir as nossas obrigações do dia-a-dia, depositando toda a nossa confiança em Deus.

Temos, portanto que valorizar cada minuto da nossa vida, dando o melhor de nós em tudo o que fazemos no que está ao nosso alcance, pois não sabemos a hora da nossa partida.

Temos que rezar também para que consigamos dar conta das nossas responsabilidades e deixar um exemplo aos que estão mais próximos, sabendo que a nossa vida é um dom e Deus.

* Valmor Bolan é Doutor em Sociologia, Professor da Unisa, Ex-reitor e Dirigente (hoje membro honorário) do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras e Pós-graduado (em Gestão Universitária pela OUI-Organização Universitária Interamericana) com sede em Montreal-Canadá.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.


Maria pecadora do Rosário foi barrada por militares

No primeiro dia da reunião dos BRICS em Brasília, um grupo de apoiadores de Juan Guaidó ocupou a embaixada da VENEZUELA.