Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Há mais de sete séculos convivendo com armas biológicas invisíveis

Há mais de sete séculos convivendo com armas biológicas invisíveis

15/04/2020 Rodrigo Berté

O dia em que a Terra parou. Um trecho da música do saudoso Raul Seixas — antiga, mas bem atual para o momento que estamos vivendo.

13 de abril de 2020, dia em que escrevo este artigo, em um lugar bem especial, que é fonte de inspiração sempre, próximo do mar.

Após muitas pesquisas e obras relacionadas, resolvi fazer este ensaio e falar um pouco sobre o quanto nos séculos que já se passaram convivemos com inimigos invisíveis a olho nu.

Um exemplo bem conhecido foi a chamada peste negra, ou peste bubônica, que teve início por volta de 1330, na Ásia Central e Oriental.

A bactéria Yersinia pestis, que tinha a pulga como hospedeiro, começou a infectar humanos que eram picados por esse inseto. A peste espalhou-se rapidamente.

Em menos de 20 anos estava em vários países, dos quais a Inglaterra sofreu uma grande baixa. A população era de 3,7 milhões de pessoas antes da peste e 2,2 milhões depois dela.

Na Itália, a cidade de Florença perdeu 50 mil de seus 100 mil habitantes. Até a família Médici, que governava a cidade, passou por essa epidemia.

Outro caso que pesquisei que chama muito a atenção aconteceu em 1520, uma frota espanhola deixou Cuba a caminho do México. Junto com ela estavam cerca de 900 soldados, além de alguns escravos.

Um dos escravos, sem saber, levava em suas células uma bomba-relógio biológica, o vírus da varíola. Após o desembarque, a doença começou a se multiplicar.

O paciente inicial começou a ficar febril, com várias erupções em sua pele, até que uma família resolveu abrigá-lo. Infelizmente, ele infectou a família, que acabou infectando os vizinhos e, assim por diante, a população como um todo.

A esquadra espanhola chegou em março, quando o México tinha 22 milhões de pessoas. Alguns meses após a contaminação inicial, em dezembro, a população caiu para 14 milhões de pessoas. A varíola foi apenas o primeiro golpe.

Enquanto espanhóis exploravam os nativos, ondas de gripe, sarampo e doenças infecciosas varreram a região, seguidos de outros casos séculos à frente, como foram a gripe espanhola, o tifo, a sífilis, entre outras doenças.

Neste século mesmo já passamos por muitas, como a SARS (síndrome respiratória aguda grave) em 2002; a gripe aviária, em 2005; a gripe suína, em 2009; e o ebola, em 2014.

Não há muita diferença do que vivemos atualmente com o COVID-19: muitas mortes, informações desencontradas, a ciência colocada à prova, e os hábitos de higiene — tão bem indicados no início do século passado, na gripe espanhola — tomando força como na época, além do isolamento social.

Essa pandemia é democrática: mata rico, mata pobre, mata líder, mata povo. E é o que temos acompanhado na imprensa internacional, como o caso do primeiro-ministro do Reino Unido.

Seremos a geração que vai contar essa história para muitos que virão depois de nós. E deverão ficar alguns exemplos importantes do cenário frágil atual. Devemos respeitar e atender as demandas das autoridades sanitárias.

Esperamos que as decisões que venham a ser tomadas sejam feitas por meio do campo da ciência e não no campo político. Ou seja, muitos governantes não vão querer ser lembrados na história pelos óbitos nas suas cidades, seus estados e seu país.

Por outro lado, o enfrentamento da recessão econômica será outro grande desafio após a pandemia. Não apenas no Brasil, mas no mundo.

* Rodrigo Berté é diretor da Escola Superior de Saúde, Biociências, Meio Ambiente e Humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves