Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Habeas Corpus de Lula – cabeça de juiz e bunda de neném ninguém sabe o que vem

Habeas Corpus de Lula – cabeça de juiz e bunda de neném ninguém sabe o que vem

09/03/2021 Bady Curi Neto

Para aqueles que me prestigiam com a leitura dos meus artigos ao longo dos anos devem perceber que apesar de expressar minha opinião, sempre o faço tentando divorciar minha ideologia política do ponto de vista da minha consciência e ciência jurídica.

Escrevi artigos em apoio a operação Lava-Jato, sem deixar, por obvio, de criticar medidas que entendia abusivas, como o excesso de exposição midiática, condução coercitiva desnecessária (a exemplo do ocorrido com o ex-presidente Lula), prisões como forma de obtenção de delações que denominei como extorsões premiadas, entre outros.

No decorrer dos anos, mais recentemente, passei a ser um crítico da operação ao perceber, por meio de mensagens trocadas entre os atores do Estado Acusador e o Estado Juiz (expostas por um hacker), que a imparcialidade dera lugar a uma aparente parcialidade e o processo de persecução penal transformou-se em perseguição penal.

No dia 08 deste mês, o Brasil foi surpreendido com a decisão MONOCRÁTICA do Ministro Edson Fachin, em sede de Habeas Corpus, anulou as condenações de Lula nos casos conhecidos como Triplex do Guarujá, sítio de Atibaia, sede do Instituto Lula e suas doações, ao entender que o Juízo da 13ª Vara de Curitiba era incompetente para julgar o ex-presidente.

Sem adentrar no mérito da decisão (da incompetência do Juízo) me causou estranheza que sua Excelência, conhecido pela sua austeridade, tenha decidido uma matéria de extrema importância, monocraticamente, sem ouvir os pares de sua turma julgadora ou o plenário.

Digo da minha estranheza pela urgência da decisão, eis que a medida não se tratava de réu preso, na qual manifesta a premência da prestação jurisdicional por proteger o direito sagrado da liberdade de um indivíduo.

Lado outro o Habeas Corpus não era contra um recebimento absurdo de uma denúncia, impedindo que um cidadão passasse pelo constrangimento natural de responder, na qualidade de réu, um processo penal, que indubitavelmente envergonha o ser humano perante seus amigos e familiares.

No caso, o paciente Lula encontra-se livre, não estando encarcerado e nem na eminência de sê-lo, e o embaraço de ser réu é antigo, não existindo, ao menos no meu sentir a urgência de uma decisão monocrática.

Além do mais, sua Excelência, Ministro Fachin, já havia decidido pelo conhecimento e julgamento do Habeas Corpus pelo plenário do Supremo Tribunal Federal – 05/11/2020.

Desta decisão, segundo consta no voto monocrático do M. Fachin, foram propostos Embargos Declaratórios pelos advogados de Lula, com efeitos modificativos, para “reafirmar a competência da 2ª Turma do Egrégio Supremo Tribunal Federal para conhecer e julgar o Habeas Corpus” no intuito de afastar o julgamento pelo Plenário daquela Casa Suprema, podendo deduzir que a pretensão da defesa do ex-presidente era o julgamento pela turma e não uma decisão monocrática, como data vênia, surpreendentemente ocorreu.

Por último, salienta-se que as decisões que embasaram a data vênia, inesperada decisão monocrática, já haviam sido proferidas quando o Ministro Fachin decidira pelo conhecimento e julgamento do Habeas Corpus ao Plenário e, imprevisivelmente, mudou de opinião.

Resta a todos o velho ditado: “cabeça de juiz e bunda de neném ninguém sabe o que vem”.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre Habeas Corpus clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?