Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Habeas Corpus de Lula – cabeça de juiz e bunda de neném ninguém sabe o que vem

Habeas Corpus de Lula – cabeça de juiz e bunda de neném ninguém sabe o que vem

09/03/2021 Bady Curi Neto

Para aqueles que me prestigiam com a leitura dos meus artigos ao longo dos anos devem perceber que apesar de expressar minha opinião, sempre o faço tentando divorciar minha ideologia política do ponto de vista da minha consciência e ciência jurídica.

Escrevi artigos em apoio a operação Lava-Jato, sem deixar, por obvio, de criticar medidas que entendia abusivas, como o excesso de exposição midiática, condução coercitiva desnecessária (a exemplo do ocorrido com o ex-presidente Lula), prisões como forma de obtenção de delações que denominei como extorsões premiadas, entre outros.

No decorrer dos anos, mais recentemente, passei a ser um crítico da operação ao perceber, por meio de mensagens trocadas entre os atores do Estado Acusador e o Estado Juiz (expostas por um hacker), que a imparcialidade dera lugar a uma aparente parcialidade e o processo de persecução penal transformou-se em perseguição penal.

No dia 08 deste mês, o Brasil foi surpreendido com a decisão MONOCRÁTICA do Ministro Edson Fachin, em sede de Habeas Corpus, anulou as condenações de Lula nos casos conhecidos como Triplex do Guarujá, sítio de Atibaia, sede do Instituto Lula e suas doações, ao entender que o Juízo da 13ª Vara de Curitiba era incompetente para julgar o ex-presidente.

Sem adentrar no mérito da decisão (da incompetência do Juízo) me causou estranheza que sua Excelência, conhecido pela sua austeridade, tenha decidido uma matéria de extrema importância, monocraticamente, sem ouvir os pares de sua turma julgadora ou o plenário.

Digo da minha estranheza pela urgência da decisão, eis que a medida não se tratava de réu preso, na qual manifesta a premência da prestação jurisdicional por proteger o direito sagrado da liberdade de um indivíduo.

Lado outro o Habeas Corpus não era contra um recebimento absurdo de uma denúncia, impedindo que um cidadão passasse pelo constrangimento natural de responder, na qualidade de réu, um processo penal, que indubitavelmente envergonha o ser humano perante seus amigos e familiares.

No caso, o paciente Lula encontra-se livre, não estando encarcerado e nem na eminência de sê-lo, e o embaraço de ser réu é antigo, não existindo, ao menos no meu sentir a urgência de uma decisão monocrática.

Além do mais, sua Excelência, Ministro Fachin, já havia decidido pelo conhecimento e julgamento do Habeas Corpus pelo plenário do Supremo Tribunal Federal – 05/11/2020.

Desta decisão, segundo consta no voto monocrático do M. Fachin, foram propostos Embargos Declaratórios pelos advogados de Lula, com efeitos modificativos, para “reafirmar a competência da 2ª Turma do Egrégio Supremo Tribunal Federal para conhecer e julgar o Habeas Corpus” no intuito de afastar o julgamento pelo Plenário daquela Casa Suprema, podendo deduzir que a pretensão da defesa do ex-presidente era o julgamento pela turma e não uma decisão monocrática, como data vênia, surpreendentemente ocorreu.

Por último, salienta-se que as decisões que embasaram a data vênia, inesperada decisão monocrática, já haviam sido proferidas quando o Ministro Fachin decidira pelo conhecimento e julgamento do Habeas Corpus ao Plenário e, imprevisivelmente, mudou de opinião.

Resta a todos o velho ditado: “cabeça de juiz e bunda de neném ninguém sabe o que vem”.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre Habeas Corpus clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros