Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Hollywood e o mundo real

Hollywood e o mundo real

11/09/2019 Dr. Elie Cheniaux

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.

O filme Gente como a Gente (Ordinary People) foi o grande vencedor do Oscar no ano de 1981, faturando a estatueta nas categorias melhor filme, melhor diretor (Robert Redford), melhor ator coadjuvante (Timothy Hutton) e melhor roteiro adaptado (Alvin Sargent), tendo recebido ainda indicações para melhor atriz (Mary Tyler Moore) e melhor ator coadjuvante (Judd Hirsch).

No filme, o adolescente Conrad (Timothy Hutton) apresenta um quadro de depressão. Parece triste e desanimado, fala pouco, prefere ficar isolado, não consegue se concentrar na escola, não tem mais prazer nas aulas de natação, está com o apetite diminuído, com insônia e, quando consegue dormir, tem pesadelos.

Contudo, diferentemente do que se observa na depressão, sua libido está normal: está, inclusive, interessado por uma colega da escola (Elizabeth McGovern), a quem convida para sair.

Mas vamos perdoar o roteirista por esta falha quanto à semiologia psiquiátrica, já que, sem romance, não seria um filme hollywoodiano.

Conrad havia saído recentemente de um hospital psiquiátrico, onde fora internado devido à uma tentativa de suicídio.

No hospital, fora submetido a eletroconvulsoterapia, método terapêutico que, apesar de todos os mitos e preconceitos - expressos no filme por seu treinador de natação (M. Emmet Walsh) –, ainda hoje é considerado altamente eficaz, além de seguro, nos casos mais graves de depressão. O transtorno havia começado após a morte de seu irmão, afogado, num acidente de barco.

Por ter sobrevivido ao naufrágio, Conrad, inconscientemente, se sente culpado pela tragédia. Ao lado desse trauma psicológico, o roteiro do filme responsabiliza os pais de Conrad (Donald Sutherland e Mary Tyler Moore) pela depressão do rapaz. Principalmente a mãe – distante, fria e obsessiva –, que o culpava pela perda de seu outro filho.

No entanto, considerar as experiências de vida, por mais terríveis que possam ter sido, como os únicos elementos importantes para o desenvolvimento de um quadro depressivo seria algo simplista, e, mais do que isso, distorcido.

Diversos fatores não ambientais – genéticos, neurofisiológicos, bioquímicos ou endócrinos – são também altamente significativos.

A rigor, a morte do irmão deve ser considerada apenas um fator desencadeante, e não causal, da depressão. Apesar de todo o progresso das neurociências, ainda não são conhecidas as causas da depressão, assim como da grande maioria dos transtornos mentais.

Cabe ressaltar que depressão não é meramente uma tristeza muito intensa. Representa uma condição patológica, algo qualitativamente diferente de uma tristeza normal.

Após hesitação inicial, Conrad procura um psiquiatra (Judd Hirsch), indicado pelo médico que o atendera no hospital, para continuar seu tratamento.

Provavelmente o rapaz está bem melhor do que quando fora internado, porém, seu quadro depressivo ainda é bastante grave. Apesar disso, esse psiquiatra prescreve apenas psicoterapia, duas vezes por semana.

O mais adequado nessa situação seria combinar a psicoterapia com o uso de um medicamento. Em 1980, ano da realização do filme, o famigerado Prozac ainda não estava no mercado, mas já existiam – desde a década de 1950 – outros antidepressivos tão ou mais eficazes.

Mesmo sem medicação, Conrad vai aos poucos melhorando. Mas um grande salto só se dá depois que as ideias de culpa pela morte do irmão se tornam plenamente conscientes para ele, na última sessão de psicoterapia do filme.

Embora a psicoterapia possa ser bastante útil no tratamento da depressão e de outros transtornos mentais, na vida real, não costuma ocorrer sessões tão extraordinárias, capazes de, subitamente, levarem à cura.

O processo psicoterápico, na verdade, é lento e laborioso, e seus resultados mais duradouros são conquistados paulatinamente, no médio e no longo prazo. Ah, se o mundo real fosse baseado nos roteiros de Hollywood!

* Dr. Elie Cheniaux é psiquiatra, escritor, mestre e doutor em psiquiatria, psicanálise e saúde mental pela UFRJ.

Fonte: Flávia Vargas Ghiurghi



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins