Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Hora de ir para a escola: E agora, mamãe?

Hora de ir para a escola: E agora, mamãe?

29/05/2012 Jéssica A. Fogaça

E se ele não gostar do ambiente? Ou da professora? E se alguma criança bater nele? E se ele não quiser comer nada? E se ele sentir a minha falta?

Todos esses pensamentos passam pela cabeça da mãe, que é quem mais sofre com a separação quando o filho vai para a escola. Ela tem dificuldades em estar longe e de quebrar o vínculo mãe-bebê, que antes era absolutamente exclusivo.

Agora, ela terá que compartilhar seu filhinho com outras pessoas: os coleguinhas e a professora; e essa não é uma tarefa fácil, pois ela está habituada a estar no controle da situação e identificar os pequenos sinais de desconforto da criança. É natural que ela sinta certa insegurança neste momento de separação. Mas fiquem tranquilas mamães, pois a maioria das crianças pequenas adoram ir para a escola, principalmente porque lá tem outras crianças para brincar.

Essa relação com pessoas diferentes da sua família é extremamente benéfica pois a escola é onde a criança aprende novos hábitos e outras regras de convivência. Ao se relacionar com outros, a criança se desenvolve e exercita a sua autonomia e agora terá que tomar atitudes sem o apoio dos pais. Esse é um grande aprendizado para a construção da personalidade da criança. É claro que nem toda criança aceita essa separação facilmente e pode chorar muito para entrar na escola mas, acredite: depois de alguns minutos ele estará envolvido em alguma brincadeira e sorrindo com os novos coleguinhas.

Por isso é importante a mãe manter-se calma e firme na hora de deixar a criança na escola. Tenha em mente que você está fazendo o melhor para o seu filho, ou seja, dando a oportunidade dele conviver com outras crianças. Isso é uma grande prova de amor. Não se preocupe muito com os choros e as manhas, a criança usa isso porque ainda está insegura em um novo ambiente, mas logo ela irá se acostumar. Para a criança tudo é uma questão de adaptação. Isso às vezes leva mais tempo ou menos.

O que os pais podem fazer para minimizar os temores da criança é prepará-la antes para essa separação. Devem começar a falar sobre a escola, descrever como será o ambiente, dizer que o filho irá para lá para ter contato com mais crianças, fazer novas amizades, aprender um monte de coisas novas. Se possível, leve a criança para uma visita ao local e envolva-a na compra do material escolar.

Ressalte sempre o lado positivo dessa nova etapa da vida da criança, que é de fato, incrível! Ao voltar da escola os pais devem perguntar como foi o dia e ouvir atentamente os novos aprendizados da criança. Lembre-se de sempre o elogiar pelo desempenho adequado e mostrar alegria por suas novas conquistas, afinal, seu filho está crescendo e se desenvolvendo.

*Jéssica A. Fogaça é Psicóloga Infantil Comportamental e Arte Educadora.



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes