Portal O Debate
Grupo WhatsApp

HTML 5: ainda é o momento?

HTML 5: ainda é o momento?

19/11/2012 João Moretti

Quando falamos em desenvolvimento para web uma das primeiras linguagens na qual pensamos é o HyperText Markup Language, mais conhecido como HTML.

A última versão desta linguagem foi lançada em 2010 e, em princípio, imaginamos que o HTML 5 traria diversos recursos e inovação, e trouxe. Mas hoje, dois anos depois, deixa de atender muitas necessidades do mercado. Os dispositivos móveis estão (literalmente) por toda a parte.

A agência de pesquisa digital Flurry divulgou um estudo que mostra que o Brasil está em terceiro lugar no ranking de países com o maior número de dispositivos móveis com o iOS, da Apple, ou Android, do Google. Os dados mostram que a taxa de crescimento dos sistemas operacionais no país no período de 12 meses, compreendido entre julho de 2011 e o mesmo mês deste ano, foi de 220%.

Com o aumento do uso dos dispositivos móveis houve também um crescimento da demanda por aplicações para esses aparelhos. E, por consequência, há a necessidade de profissionais no setor. Recentemente, a Gartner listou três implicações que devemos ficar de olho nesta era pós-PC na qual estamos.

A primeira é sobre a importância de as empresas evoluírem rapidamente suas aplicações e as interfaces para uma abordagem multicanal; a segunda diz que os desenvolvedores precisam se readaptar, pois as aplicações focadas em dispositivos móveis vão substituir o desenvolvimento para desktops; e o último alerta que os projetos voltados para smartphones e tablets vão superar os projetos para PCs na razão de quatro para um até 2015.

Ou seja, dispositivos móveis e aplicações para estes aparelhos são o presente e o futuro. Este setor só tende a crescer e requer uma linguagem de desenvolvimento que atenda estas necessidades e é nesta hora que o HTML 5 deixa a desejar. Apesar de ser uma boa ferramenta para desenvolvimento de conteúdo multimídia, não é a mais indicada para o desenvolvimento mobile corporativo.

Digo isso porque falta aderência de alguns recursos nativos nos browsers das plataformas móveis. As aplicações desenvolvidas com HTML 5 não permitem o uso off-line de maneira robusta, o que é muito importante. Podemos exemplificar com as soluções utilizadas pelas empresas para o gerenciamento força de trabalho. O técnico que vai atender uma solicitação, precisa manter sincronizado o banco de dados no cartão de memória, precisa capturar uma foto, acessar outros dispositivos, ter serviços em background para monitoramento.

Como ele fará para resolver isso? Utilizando uma solução nativa mais algumas funcionalidades em HTML 5. O HTML 5 é uma linguagem multiplataforma, o que cria uma expectativa de escrever um código compatível com todas as plataformas. É claro que todas as tecnologias têm suas restrições, mas no momento atual não podemos pensar em uma linguagem sem aderência total das features nas principais plataformas móveis.

A questão da usabilidade ainda é fortemente depende de framework de terceiros que nem sempre mantém a identidade e as características da plataforma e o desempenho fica a desejar (inclusive o próprio Facebook trocou recentemente HTML 5 por código nativo), as limitações para armazenamento local de dados e os desafios de sincronização. A atualização que resultou no HTML 5 foi necessária, mas não atende às necessidades que temos hoje.

Por isso, as empresas devem optar por uma linguagem que permita o desenvolvimento de aplicações nativas com algumas funcionalidades em HTML 5; que transmita dados através de qualquer plataforma móvel; que permita a utilização de diversos meios de comunicação, como cabos de conexão de celulares, infravermelho, bluetooth ou redes Wi-Fi; que faça o gerenciamento dos dispositivos, como nível de bateria, memória disponível; entre outros itens.

Os desenvolvedores também não pode esquecer que o desenvolvimento mobile está em alta e vale a pena investir neste nicho, já que a área está carente de bons profissionais. Para isso, o mais indicado é se especializar em linguagens mais modernas.

*João Moretti, diretor geral da MobilePeople – empresa especializada em soluções móveis corporativas.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.