Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ignorância, ignorância

Ignorância, ignorância

13/11/2017 Daniel Medeiros

Paulo Freire foi um educador que defendeu a condição fundamental da liberdade dos brasileiros.

Sua obra e sua ação voltaram-se, até o fim de sua vida, a um objetivo maior: tornar as pessoas conscientes de seu lugar e de seus direitos no mundo. Um mundo livre. Trabalhou na Europa e na África porque não pode trabalhar no Brasil, assim como milhares de outros cientistas e professores.

Na época o Brasil não era um lugar seguro para o pensamento que criticava as ações que impediam a formação da consciência dos direitos que todas as pessoas têm no mundo. Foi uma época de poucas liberdades. E todos pagaram por isso: uns indo para o exílio, outros sendo presos e a maioria, a grande maioria, ignorando.

E ignorar é o contrário da Educação. Paulo Freire agiu contra a Ignorância. Depois de muita luta - luta do diálogo e da negociação - o Brasil tornou-se um país livre e Paulo Freire foi destacado com o título de patrono da Educação brasileira. Esse título não lembra apenas a pessoa que ele foi, mas a causa que ele representou: a buscar, incessantemente, efetivar a máxima iluminista de liberdade, igualdade e fraternidade.

Kant, o grande pensador iluminista do século XVIII, definia uma pessoa esclarecida como aquela que é autônoma, capaz de seguir sua própria razão. Paulo Freire também entendia assim o papel da Educação: um aprendizado e uma prática para a autonomia. Nada mais liberal do que isso. Habermas, o maior pensador da social democracia alemã, evoca a importância do diálogo e da formação do consenso nas sociedades democráticas, da construção de uma nova racionalidade comunicativa.

E, para isso, a importância de educar as pessoas para o diálogo e para o respeito. Paulo Freire, na sua produção teórica e nas suas ações pedagógicas e políticas foi fiel a esses estatutos formadores da cidadania: racionalidade, diálogo e respeito. Nada mais democrático do que isso. Um país é livre quando não tem escravos.

Escravos são os que não são capazes de definir seu destino: escolha para onde ir, com quem fazer amizade ou amar, onde trabalhar, qual carreira seguir, em quem votar, com qual país sonhar. O Brasil luta para ser livre e quem quer, de fato, liberdade no Brasil, quer para todos os brasileiros.

Ou então é um embusteiro, que usa a palavra liberdade como um disfarce para manter a escravidão das pessoas, essa escravidão que é a da falta da autonomia da escolha, seja qual escolha for. Paulo Freire defendia essa liberdade. Por isso é o Patrono da Educação de um país livre.

Quem quer tirar-lhe esse título, não o ofende nem agride, pois que já está morto e enterrado há tempos. Ofende e agride a ideia de uma Brasil livre para todos os brasileiros.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica pela UFPR e professor de História no Curso Positivo, de Curitiba.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder