Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ilegalidades do Refis da Crise

Ilegalidades do Refis da Crise

14/09/2011 Bruno Alvarenga

O chamado “REFIS da crise”, criado pela Lei11.941, teve o fim do seu prazo para prestar informações necessárias à consolidação do parcelamento no último mês de julho. No entanto, os contribuintes que participam do REFIS devem ficar atentos às irregularidades a que estão sendo sujeitos.

O primeiro exemplo seria os encargos que foram indevidamente consolidados no parcelamento, com custos ilegais que majoram expressivamente o valor das prestações mensais, dificultando inclusive, muitos contribuintes de saldarem as prestações futuras de tal programa fiscal.

Em alguns casos, a PGFN no momento da consolidação incluiu nos débitos previdenciários inscritos na Dívida Ativa, honorários advocatícios fixados em 20%, refletindo uma conduta abusiva e ilegal, pois somente o juiz tem o poder de arbitrar honorários em favor do advogado, respeitando o teto máximo de 20%.

Existem outras leis, que permitem independente da atuação de um juiz, a fixação de verbas honorárias em favor do advogado. Outro abuso decorre da multa isolada, onde a legislação do parcelamento permite a redução dela de 20% a 40%,dependendo da opção pelo número de prestações.

No entanto, algumas multas de natureza trabalhista inscritas na Dívida Ativa da União, foram incluídas integralmente no débito consolidado, sem considerar as reduções autorizadas pela referida lei. Além disso, outra ilegalidade são as multas de mora, antes aplicadas em percentuais diversos, foram limitadas a 20% do valor da obrigação principal.

Assim, como a Constituição Federal assegura que a penalidade menos severa deve retroagir e substituir a mais grave prevista na legislação antecedente. O Fisco deveria reduzir as multas outrora impostas em percentual superior a 20% sobre o valor principal, aplicando as reduções previstas na Lei 11.941, ou seja, de 60%a 100% de desconto. E por último, o contribuinte, ao aderir o programa em11/2009, interrompeu a mora, por isso, se a consolidação dos tributos demorou praticamente 20 meses para ocorrer não poderia o fisco cobrar juros de mora neste intervalo, supondo que o débito não era mais devido,conforme reza o artigo 151, VI do CTN.

Um fato importante que nos permitiu revisar os abusos cometidos pelo Fisco foi o julgamento do dia 13/10/2010 em decisão proferida em Recurso Repetitivo, que define uma espécie de súmula vinculante, o STJ – Superior Tribunal de Justiça, tornando pacificado o entendimento que é legal à revisão judicial de parcelamento administrativo de débitos tributários. Isto inclui o “Refis da Crise”.

Afinal de contas, Tributo não é algo que possa ser negociável. Ele é devido no exato valor que a lei exige, excluídas as parcelas confessadas por erro, ou condição imposta para concessão de parcelamento. O Estado só pode cobrar o que for constitucional. Por conseguinte, o tributo cobrado ilegalmente, ou mesmo decorrente de informação prestada pelo contribuinte, pode sim ser revisado, quando demonstrado o erro ou o cálculo indevido.

Tal decisão, apenas reforça que o contribuinte mesmo dentro do programa de parcelamento, ou excluído pela falta de pagamento, em razão do alto valor cobrado pelo Estado deve entrar com ação de revisão depositando em juízo as parcelas efetivamente devidas, excluídas multas, juros e cobranças indevidas, autorizando, com isto, a reinclusão na moratória, para todos os efeitos. Por fim, todos os contribuintes podem e devem propor Ação Revisional do parcelamento Refis da Crise, depositando as parcelas em juízo, excluídos multas, juros e outras ilegalidades, mesmo se já foram excluídos postulando a sua reinclusão com os valores corretos.

* Bruno Alvarenga, do Albuquerque & Alvarenga Advogados.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira