Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Imperabilidade Inexistente

Imperabilidade Inexistente

24/01/2020 Alexandre Motta

Bom, para começar este artigo, tenho que confessar que a palavra “imperabilidade” não existe.

Ela foi inventada por mim com o único propósito de refletir uma ação que eu acho que ainda é a mola propulsora do sucesso para o advogado. Em breve volto a isso no artigo. Primeiro vamos conceitualizar essa nova palavra criada.

Imperabilidade é a força motora que faz com que a pessoa comande sua vida profissional da maneira necessária, independente dos desafios e esforços extras que isso lhe demande.

É a capacidade de imperar sobre sua carreira de modo intenso e imediato, sem desculpas, aguardos e/ou possibilidades de prorrogação de prazos.

Mais do que trabalhar, é reinar sobre a evolução profissional e suas etapas de crescimento, de modo proativo e antecipado.

Agora que conceitualizamos a palavra, fica fácil entender qual o enfoque que quero dar neste artigo e o porque o título do artigo é o dúbio “Imperabilidade Inexistente”, significando tanto que a palavra não existe, quanto o fato de que é exatamente isso que falta em muitos advogados. Retomo então o começo do artigo.

Estamos novamente em começo de ano e, mais uma vez, a maioria das pessoas que converso vem com a frase “você sabe, o Brasil só começa depois do carnaval”.

Sendo muito sincero, esta é uma das frases que mais demonstra o quanto o brasileiro é despreparado para se tornar um profissional de nível internacional, principalmente porque ela é verdadeira.

Sim, o brasileiro espera passar o carnaval (independente de data que caia) para começar a pensar nos projetos e resoluções necessárias.

Outro dia estava conversando com um contato que veio da Alemanha e ele me disse: “Mas como assim? Vocês esperam 2-3 meses para começar o trabalho? Se o carnaval for em julho, vocês ficam sem trabalhar metade do ano?”.

Entre risadas (nervosas, para dizer a verdade) expliquei a ele que não era bem assim, mas que realmente o cenário da advocacia brasileira tem muitos e muitos e muitos e muitos e muitos e muitos e muitos profissionais que só começam a pensar em projetos depois do oba-oba de carnaval.

Veja que todo este meu discurso vai diretamente para aqueles que efetivamente tem esta postura. Também conheço muitos advogados que tem o mindset voltado para negócios e atropelam carnaval e feriados buscando seus objetivos. Mas infelizmente esse número é pequeno, comparado aos demais.

Matematicamente, se você colocar no papel todos os feriados, emendas de pontes, chegadas mais tardes, saídas mais cedo (geralmente para aquele happy hour esperto) aliadas ao infame já comentado “o Brasil só começa depois do carnaval” e ainda a detestável “no final de novembro o Brasil já pára em função das festas”, sobra-se nada para trabalhar seriamente.

Se implementar uma advocacia de sucesso já é difícil, imagina com tempo reduzido. E aí vemos surgir mais uma frase de cabeceira: “não tenho tempo”.

Meu amigo alemão (comigo fazendo uma dupla) diria “espera um pouco. Você diz que sua prioridade é crescer como advogado. Mas tem tempo para sambar e não tem tempo para focar nas atividades que vão te trazer sucesso? Bist du verrückt!”

E veja que não sou eu quem está falando isso. Existem dezenas de estudos que mostram que um dos principais hábitos dos profissionais de sucesso (incluindo-se aí advogados de renome) é ter foco nas prioridades de sua vida, diminuindo a intensidade para outros tipos de ação.

Isso significa que, se você não é porta-bandeira de uma escola de samba, o “começar depois do carnaval” não deveria significar nada para você. 

Agora seja sincero consigo mesmo. Se você ainda não está no patamar que deseja e tem objetivos para conquistar, entende que o trabalho, com foco, começa já no início de janeiro?

Se sim, ótimo. Se não, você precisa aprender a ter imperabilidade, ou seja, controlar seu destino em termos de evolução de carreira.

Ninguém vai fazer por você e todo minuto gasto na construção de seu sonho, serão horas de deleite quando finalmente perceber que todo o esforço extra compensou no final.

Sinceramente, não sei quais as ações que você precisa fazer para evoluir em seus objetivos. O que eu sei é que você tem fazer, o que quer que seja, antes dos demais, melhor que os demais e com mais intensidade que os demais. E isso é uma certeza.

Imperabilidade é você nunca ser refém da situação profissional em que você se encontra. É nunca ser o carona, mas sim o motorista.

É deixar de ser um mero protagonista para ser o escritor da sua história. É tomar as rédeas do cavalo mais selvagem que você jamais domou.

Imperabilidade é o seu futuro colocado em prática.

Bom crescimento!

* Alexandre Motta é sócio diretor do Grupo Inrise, autor dos livros “Marketing Jurídico: os Dois Lados da Moeda” e “O Guia Definitivo do Marketing Jurídico” e através de sua experiência prática em marketing jurídico, atualmente mantém inúmeros escritórios sob sua responsabilidade de atuação e crescimento ético.

Fonte: Grupo Inrise



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.