Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Impressão digital para a indústria têxtil

Impressão digital para a indústria têxtil

24/05/2019 Luiz Humberto Carli

Cores e oportunidades à disposição do mercado.

A moda é movida por novidades. Engana-se, porém quem pensa que estamos falando somente a respeito das tendências e modelos que aparecem nos desfiles de uma nova coleção.

Em uma era cada vez mais focada em temas como produção inteligente e sustentável, a indústria têxtil também tem modernizado o que está por trás das passarelas, dando forma e cores aos tecidos. Tudo isso graças às inovações técnicas e da evolução de um ponto em especial: as novas formas de impressão digital.

Pode parecer exagero, mas não é. Estudos indicam que o avanço de tecnologias associadas à estamparia e sublimação digital tem aumentado paulatinamente os ganhos e opções à disposição das empresas do setor, tornando as produções mais eficientes e rápidas.

De acordo com o levantamento “O Futuro da Impressão Digital Têxtil para 2023”, desenvolvido pela consultoria Smithers Pira, o volume de impressão neste mercado passou de 548 milhões de metros quadrados, em 2013, para 1,16 bilhão de metros quadrados, no ano passado.

A área têxtil está em crescimento e a melhor notícia é que essa perspectiva não deve mudar em curto ou médio prazo. A pesquisa aponta que em 2023 o volume de impressão em tecido será mais do que o dobro da produção atual e o faturamento poderá chegar a US$ 3,75 bilhões.

Esse panorama tem sido possível por uma série de fatores. Em primeiro lugar porque a inovação dos sistemas de impressão tem permitido que as companhias têxteis avançassem em pontos como qualidade de produção e agilidade.

Os equipamentos mais modernos contam com tecnologias que garantem, entre outros benefícios, melhor controle dos materiais e a maior rapidez na hora de finalizar a produção de cada peça.

Os dispositivos estão muito mais ágeis e eficientes do que eram no passado. Isso permite que as companhias aumentem sua capacidade produtiva, mesmo em relação à confecção de itens que exigiriam, antes, maior tempo de acabamento e sublimação.

Em destaque, podemos apontar o avanço das soluções de papel Transfer, que estão fazendo com que o segmento têxtil aprimore cada vez mais a produção de peças customizadas, agregando mais precisão e rentabilidade, além de reduzir os custos e o tempo necessário para a finalização dos itens.

Como resultado, é importante frisar que a atual geração de máquinas de impressão em Transfer tem ajudado a reforçar e ampliar, também, as oportunidades criativas deste mercado.

Esse cenário representa uma enorme vantagem competitiva para as empresas, que garantem com isso a chance de terem novas possibilidades de negócios e maior controle de qualidade (com melhor capacidade de reprodução de cores e durabilidade, por exemplo) em suas linhas produtivas.

Outro ganho indiscutível nesse contexto é a flexibilidade. Afinal, um dos ganhos práticos provocados pela nova geração de equipamentos de impressão digital é justamente a capacidade de preparar pequenas tiragens, seja para a análise de provas de conceito ou para a venda de itens personalizados.

Isso é especialmente atraente para as companhias, pois pesquisas do Gartner indicam que o varejo terá, este ano, cerca de 30% de todo seu faturamento obtido a partir da comercialização de itens customizados.

Dessa forma, é de se esperar que a impressão digital assuma, cada vez mais, um papel de impulsionador nas receitas das empresas no setor.

Além disso, é valioso notar que a adoção dessas ferramentas mais modernas tem ajudado a indústria têxtil a também responder demandas mais estratégicas.

Em especial, no caso, em relação à sustentabilidade, com insumos que provocam menor impacto ambiental, uma vez que o setor responde por algo em torno de 10% das emissões globais de gases de efeito estufa. As novas máquinas tornam o beneficiamento têxtil mais sustentável, sobretudo em comparação aos processos antigos de estamparia e tingimento.

Assim, o segmento consegue hoje poupar água, energia elétrica e insumos, sem abrir mão de qualidade de acabamento e sem distorções ou erros.

Vale dizer, ainda, que os ganhos trazidos pela aplicação da impressão digital afetam toda a indústria, de ponta a ponta.

Ganham os designers e estilistas, que podem trabalhar com novas opções para explorarem suas criatividades; as empresas, que diminuem custos e maximizam o atendimento aos clientes; e os consumidores, que passam a ter roupas e produtos mais bonitos, personalizados e de alta qualidade.

A evolução tecnológica da impressão no setor têxtil mostra porque é necessário que toda a cadeia produtiva esteja em constante evolução.

O atual momento exige a inovação em busca de melhores resultados, com recursos e ferramentas que garantam agilidade e eficiência. Somente assim, as companhias poderão causar, literalmente nesse caso, uma ótima impressão para os consumidores.

* Luiz Humberto Carli é Diretor Geral da OKI Data Brasil.

Fonte: PLANIN



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.