Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Inflação: o gigante indomável

Inflação: o gigante indomável

23/04/2011 Juarez Alvarenga

A incapacidade humana perante a inflação é algo inconcebível. Os problemas fomentadores da inflação são estáticos. E não existem elasticidades e caminhos diferenciados de soluções. A rigidez causal restringe as soluções.

Aumento de tributos ou correção do déficit público são as únicas variáveis das bases de retenção inflacionária.

Existe um anátema jurídico que diz tratar os iguais os iguais e o desigual desiguais. Talvez esteja ai o cerne do combate inflacionário. Jogando este brocardo no campo econômico estaria elucidado ou pelo menos amenizados o problema da inflação.

A equidade econômica é a única premissa consciente do universo inflacionário.

Inflação não está no mundo das idéias e sim dos fatos.

Na terminologia econômica a palavra indolor usada abundantemente por Pedro Malan é sem duvida nenhuma a palavra chave.

O receituário econômico é revestido de variabilidade mínima. Seus conceitos são contaminados de êxitos relativos como também de defeitos relativos. Uma única proposição tem efeitos duais. De um lado contém soluções e de outros defeitos. A opção nasce da probabilidade e da maior conveniência.

Num sistema de mercado onde o alvo é a produção parece mais inteligente as teorias desenvolvimentistas. Aplicado conceito de ampliação do credito valorizando assim a produção como também aumentando a demanda vai refletir positivamente no mercado.

Nossa história inflacionária é proveniente de ciclos. Até hoje não existe sustentação definitiva no combate inflacionário. No fundo o que existe realmente são anestésicos temporais. Saídas emergenciais para os períodos de pico inflacionários.

Conter a inflação através de juros parece à solução mais eficiente, porém de efeitos colaterais retumbantes. A retenção do credito desestimula o mercado diminui a produção cria também aumento da produção individual aumentando o ciclo inflacionário.

Sem ociosidade das máquinas e sem ostracismo do homem parece ser a política certeira. Combinação do credito com produção e dinamismo humano com otimismo nos levará os patamares de progresso sustentável.

O combate à inflação passa por riscos intransferíveis. Podemos ser generosos com o credito e nem assim haver produção excessiva. O homem brasileiro precisa de credito para produzir, mas também de uma conjuntura de expectativa futura favorável.

O que leva ao investimento é a expectativa futura. Para seu nascedouro é necessário um futuro promissor economicamente. O homem produz olhando o futuro cabendo o governo criar condições favoráveis

Atrair investimentos existe viabilidade econômica do país. Não eliminar o risco, mas diminuir substancialmente. Por isto a política ortodoxa tem maleabilidade de soluções restritas. Seus meandros são poucos apesar dos encantos de seus conceitos estéticos. Analisando profundamente constatamos que muitas vezes a inflação está camuflada em vez de solucionada definitivamente.

O enquadramento lógico restringe demasiadamente as soluções. Já política heterodoxa é sedutora e excessivamente empírica. Retém ciladas e não tem êxitos duradouros.

A periodicidade das receitas inflacionária parece uma idéia sustentável. Os remédios são também de efeitos efêmeros. Renovar a posologia habitualmente é uma decisão que se impõem. Conceber como doença crônica de cuidados permanente é a solução relativa.

O controle de preço com aumenta real de salário traria ônus insuportável. É uma política descartada e inaplicável.

A política cambial não deve sofrer variabilidades teóricas e sim comportar de acordo com a realidade do mercado.

O abrandamento da inflação sem descontentamento é inatingível. Partindo deste pressuposto nada mais lógico do que uma política econômica eficaz e efêmera. Sem prepotência, mas voltar para trás se os efeitos forem mais danosos. Porque a economia é substancialmente uma ciência empírica.

A inflação depende de estratégias reais e não de abstrações teóricas. As variabilidades de opção enquadram seu universo em campos extremamente reduzidos.

Economia é uma ciência de recheios, mas oca no cerne da questão. As limitações causais dificultam a pluralidade de caminhos e cabe a cúpula econômica dar passos certeiros ou buscar novos passos. Achamos que mais ousadia com inteligência é medida certeira. Apesar da intactibilidade da floresta.

Torço para que esta política econômica tenha êxito prolongado e que a inflação não esteja apenas anestesiada, mas realmente eliminada.

* Juarez Alvarenga é advogado e escritor



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes