Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Instrução Normativa da Receita Federal

Instrução Normativa da Receita Federal

14/09/2011 Carolina Zimmer

Há mais de cinco anos o contribuinte espera por um posicionamento oficial da Receita Federal acerca do benefício fiscal de Pesquisa e Desenvolvimento de Inovação Tecnológica (P&D), instituído pela Lei 11.196/2005, a famosa “Lei do Bem”.

Entre outros incentivos, a Lei 11.196/2005 prevê a redução da base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para as empresas que investem em inovação tecnológica de seus produtos e processos produtivos, o que gera economia direta na hora de recolher esses tributos.

Levando-se em consideração que o governo federal não possui know-how nem estrutura organizacional para dar apoio direto às empresas brasileiras que investem no aprimoramento tecnológico, acabou por fazê-lo por meio da renúncia fiscal, o que torna a manobra governamental bastante inteligente, pois além do apoio financeiro, proporcionou liberdade de ação aos empresários interessados.

Contudo, entre todos os benefícios fiscais já conferidos ao contribuinte, o incentivo de P&D tem sido o que mais trouxe insegurança jurídica. Isso porque, apesar de regulamentado pelo Decreto 5.798/2008, o incentivo é auto-aplicável, ou seja, não exige maior burocracia como autorização prévia dos órgãos fiscalizadores para sua fruição e, principalmente, porque não houve manifestação da Receita Federal sobre o assunto, nos seus cinco anos de vigência, o que veio a acontecer somente no dia 30/08/2011, por meio da publicação da Instrução Normativa 1.187/2011.

Importante ressaltar que no ano de 2009, conforme relatório do Ministério da Ciência e Tecnologia, 542 empresas se beneficiaram da medida, em contraponto às 130 que aproveitaram o incentivo no ano de 2006, ou seja, houve um crescimento exponencial, mesmo diante da possibilidade de uma autuação fiscal.

Em que pese a Receita Federal ter finalmente publicado seu entendimento sobre o tema, a Instrução Normativa 1.187/2011 apresenta diversas ilegalidades, sobre as quais poderá o contribuinte insurgir-se. Entre elas, a referida instrução restringiu o benefício instituído pela lei ao não considerar os gastos com remuneração indireta dos pesquisadores e funcionários dedicados à P&D, assim como todos os dispêndios efetuados com serviços auxiliares, tais como - gestão administrativa e financeira, segurança, limpeza, manutenção, aluguel e refeitórios - relacionados ao departamento de pesquisa, como despesas passíveis de ser computadas no cálculo do incentivo.

A empresa que contratar outra pessoa jurídica para executar o projeto de P&D por encomenda, não poderá aproveitar esses gastos, exceto se contratar com universidades, instituições de ensino, pesquisadores independentes ou mesmo micro-empresas e empresas de pequeno porte, restrição inexistente até a publicação desta medida.

Além disso, alguns assuntos de suma importância sequer foram explorados pela instrução normativa. A título de exemplo, a questão sobre a necessidade de controle dos pagamentos e dispêndios em contas contábeis específicas, que vem gerando muita polêmica no meio fiscal-contábil, sequer foi regulamentado, tendo a Receita Federal apenas reproduzido o texto da lei.

Por outro lado, alguns assuntos pontuais sobre a aplicação do benefício, foram, pelo menos, abordados na instrução. Questões como o cômputo ou não dos encargos de amortização e de depreciação na base de cálculo do benefício e também sobre o que considerar como incremento do número de pesquisadores para aumento do percentual de utilização, foram abordadas na medida.

Diante desta instrução, que deixou muito a desejar, só resta ao contribuinte apresentar a sua inconformidade em eventual autuação futura ou questionar a legalidade da medida na esfera judicial.

* Carolina Zimmer é advogada da área tributária do escritório Peixoto e Cury Advogados.



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre