Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Joaquim Barbosa x Forças Armadas

Joaquim Barbosa x Forças Armadas

13/07/2022 Bady Curi Neto

O ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, em provocação desnecessária e gratuita, voltou aos holofotes da impressa, ao atacar as Forças Armadas, em resposta à fala do General Paulo Sérgio Nogueira, durante a audiência pública ocorrida na Câmara Federal.

O General teria dito, a respeito das urnas eletrônicas: “Nenhum sistema informatizado é totalmente inviolável. Sempre existirão riscos, e citei os bancos que gastam milhões com sistemas de segurança. Não se trata de qualquer dúvida com relação ao sistema eleitoral. As Forças Armadas estavam quietinhas no seu canto e foram convidadas pelo Tribunal Superior Eleitoral para participarem dessa Comissão de Transparência das Eleições.”

Importante clamar especial atenção ao fato de que as Forças Armadas foram convidadas, como dito pelo General, pelo presidente do TSE, no intuito claro e evidente de contribuir para a credibilidade das eleições e das urnas eletrônicas, empenhando o bom nome e a insuspeição que possuem perante a população brasileira, infelizmente, descrédula das demais instituições da República.

Diante da fala do General, Joaquim Barbosa, em destemperado vernáculo, escreveu em sua rede social: “Ora, general, as Forças Armadas devem permanecer quietinhas em seu canto, pois não há espaço para elas na direção do processo eleitoral brasileiro. Ponto.” 

Por óbvio, contribuir não é meramente agir como “um dois de paus”. A fidúcia das Forças Armadas consiste no fato de sua atuação séria e imparcial, sempre agindo com altivez e responsabilidade.

Neste diapasão, não poderia ser apenas um “carimbador” de seu prestígio e sim atuar firmemente e tecnicamente para a lisura das eleições e a fiabilidade das urnas eletrônicas, atuando no papel para que foram convidadas.

O jogo de palavras de Joaquim Barbosa parece uma incontinência verbal, sem sentido, já que, como dito, o convite partiu do próprio Tribunal Superior Eleitoral.

As críticas de Joaquim estão tardias, deveria ele ter questionado o convite da Justiça Eleitoral e não a atuação das Forças Armadas, é curial.

Barbosa, ainda, firma em agredir, dizendo “Insistir nessa agenda de pressão desabrida e cínica sobre a Justiça Eleitoral, em clara atitude de vassalagem em relação a Bolsonaro, que é candidato a reeleição, é sinalizar ao mundo que o Brasil caminha paulatinamente rumo a um golpe de Estado. Pense nisso General”.

Vassalagem consiste na Relação de obediência, submissão, que o vassalo deveria manter em relação ao senhor feudal; o imposto, preito, pago pelo vassalo ao senhor feudal, suserano; reunião, grupo ou conjunto de vassalos.

Com o devido respeito, não se vê nas Forças Armadas nenhuma atitude de vassalagem a quem quer que seja, Presidente da República ou ao Tribunal Superior Eleitoral.

As Forças Armadas tem como missão, entre outras, a garantia dos poderes constitucionais constituídos e, por iniciativa destes, atuar na garantia da lei e da ordem, preservando o exercício da soberania do Estado e a indissolubilidade da Federação. 

Talvez Barbosa esteja medindo as Forças Armadas por sua própria régua, eis que, conforme histórico de sua atuação na mais alta corte de justiça, sempre que seus pares discordavam de seus votos, abandonava o raciocínio jurídico, passando para a agressão, na tentativa vã de impor sua opinião legal.

A democracia não consiste na imposição de opiniões e a agressividade, mas respeito a divergência.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre Forças Armadas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.