Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Justiça e direitos humanos já!

Justiça e direitos humanos já!

24/04/2012 Keiko Ota

O brutal assassinato do jornalista Tim Lopes completa dez anos agora em junho. Já faz uma década dessa terrível morte provocada pelo Comando Vermelho.

O que se percebe é que, ao longo desse período, a violência permanece fazendo novas e inúmeras vítimas. O Brasil, que mudou muito nos últimos anos, precisa dar um basta a essa situação de medo. O sempre proclamado país do futuro tem de ser, de fato, o país do presente. Um presente em que a justiça realmente prevaleça, dando um fim a tanta impunidade. Em maio, a comissão de 16 juristas que analisa a revisão do Código Penal, instituída pelo Senado no final de 2011, apresenta um anteprojeto que visa ajustar essa legislação aos novos tempos.

Trata-se de uma importante iniciativa, já que a sociedade brasileira tem o direito de viver em harmonia, paz e fraternidade, o que não tem acontecido atualmente. O Código Penal em vigor é de 1940. Ele está bastante defasado em relação à caótica situação de violência que, infelizmente, vivenciamos no nosso dia a dia. Por isso, é preciso corrigir as distorções existentes na legislação urgentemente. Como mãe, que tive o meu filho Ives Ota covardemente assassinado aos oito anos, sei o que significa a dor da perda e a sensação de desamparo ocasionados pela violência.

Assim como eu, milhares de outras vítimas, famílias, ONGs e movimentos de paz têm se dedicado a lutar por justiça e contra toda forma de impunidade. Daí a importância de acompanhar de perto os trabalhos desenvolvidos pela comissão que avalia o Código Penal. Na condição de presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa das Vítimas de Violência, tenho participado das reuniões periódicas realizadas pelos juristas.

Nessas ocasiões, procuro levar as sugestões passadas a mim pelas mais diversas pessoas e instituições. Uma das propostas que dfendo, e que está em avaliação pela comissão, é o aumento da pena máxima de 30 para 40 anos. Se tomarmos como exemplo um homicídio, em que o juiz aplica pena de seis anos; na prática, o criminoso ficará somente um ano na cadeia, já que ele conta com o benefício da progressão penal, que é o direito pelo qual o condenado pode diminuir o tempo e alterar o regime de reclusão imposto.

Da mesma forma, precisamos assegurar a elevação da pena mínima ao menos para dez anos. Em 1940, quando o Código Penal foi criado, o limite mínimo era de seis anos, o que faz sentido se pensarmos que naquela época a expectativa de vida do brasileiro era de 45,5 anos. Agora, face aos novos tempos e ao fato de que vivemos mais – a expectativa subiu para 71,1 anos –, faz-se coerente acrescer período mais longo a esse tipo de reclusão, até porque um ato violento “leve”, muitas vezes é tão cruel que pode ser considerado um crime hediondo.

Temos de adequar essa situação urgentemente, pois crimes contra o meio ambiente, por exemplo, já contam com penas maiores. Outra questão que merece atenção é a necessidade de se estabelecer critérios mais rigorosos para a concessão de benefícios como o indulto de Natal, a saída temporária da prisão e até mesmo a liberdade condicional. Para tanto, proponho a volta do exame criminológico para se dispor de um diagnóstico efetivo do preso, que demonstre se ele reúne condições seguras para usufruir desses direitos.

Dessa maneira, a sociedade estará protegida de eventuais criminosos que não tenham comportamento compatível à obtenção desses benefícios. Somente com a mobilização e o apoio maciço da sociedade é que conseguiremos garantir justiça a quem realmente precisa de justiça. É importante que se diga que nós, vítimas de violência, não queremos vingança pelo ocorrido conosco. O que queremos é, isso sim, justiça, paz e direitos humanos já e que sirvam para todos. Essa é a nossa luta, esse é o nosso objetivo.

*Keiko Ota é deputada federal (PSB-SP), presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa das Vítimas de Violência e coordenadora da União em Defesa das Vítimas de Violência.



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins