Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Justiçamento, CPI e Investigação Seletiva

Justiçamento, CPI e Investigação Seletiva

21/06/2023 Bady Curi Neto

A barbárie ocorrida no dia 08 de janeiro, com a invasão criminosa à sede dos três poderes da república em Brasília, precisa ser mais bem esclarecida e com rigoroso apenamento dos seus autores, partícipes e mandantes do absurdo atentado, logicamente, respeitando o direito de defesa, o contraditório e a presunção de inocência, princípios consagrados em nossa Constituição Federal.

Ressalvando que não conheço os autos do inquérito, mas por informações meramente jornalísticas, me causou estranheza o número de prisões preventivas em um Estado regido pela presunção de inocência.

Da mesma forma, não vejo com bons olhos aceitação de denúncia crime por um “bando” de pessoas, o que dificulta a individualização de condutas praticadas pelos acusados, sem que isto não venha trazer prejuízos as defesas destes indivíduos.

Comungo neste sentido com a opinião do ex-Ministro Marco Aurelio de Mello: “Não conheço a peça. Não conheço o voto do ministro Alexandre [de Moraes]. Mas não dá, no âmbito do Judiciário, para tocar de cambulhada. Ou seja, a peça 1ª da ação penal deve ser individualizada”.

Resta-me, também, dúvidas a respeito da competência do Supremo Tribunal Federal para julgar pessoas sem foro privilegiado estabelecido na Constituição Federal. A meu ver, estes processos deveriam ser processados e julgador por Juízes de 1ª Instância.

Esta, também, é a opinião da Defensoria Pública da União, “É muito difícil que você coloque todas essas pessoas com uma ligação próxima com pessoas detentoras de foro. A maioria não possui contato com qualquer autoridade”.

O açodamento em processar, julgar e condenar sem a estrita observância das normas, princípios e garantias constitucionais, quase sempre traduz em justiçamento, não compatível com Estado Democrático de Direito.

Lado outro, com o vazamento de imagens internas da sede do Executivo (dia da invasão), fez-se necessário que se formasse uma Comissão Parlamentar de Inquérito, não apenas para investigar todo o ocorrido, mas para que os representantes do povo pudessem dar uma resposta e satisfação aos seus eleitores das ações e omissões ocorridas naquele malfadado dia.

Infelizmente, ao que tudo indica, Parlamentares ligados ao Governo Federal, que tudo fizeram para impedir a instalação da CPI, pretendem fazer uma investigação seletiva poupando pessoas ligadas ao Governo Lula, conforme explicado pelo Deputado Delegado Ramagem em recente entrevista à revista Oeste. (Delegado Ramagem: 'Governo tem medo da CPMI' - Revista Oeste).

Indagado na última sessão da CPMI, o governo derrotou um bloco de requerimentos da oposição, onde havia diversos documentos protocolados pelo senhor. Por quê?

Respondeu: Foi uma estratégia do governo a votação em bloco. Já sabíamos disso e fizemos um bloco com todos os requerimentos para que fossem aprovados. Com isso, queríamos mostrar que não temos nenhum medo da investigação.

No entanto, o governo ganhou e reprovou grande parte dos nossos requerimentos. A nossa esperança é que a mesa diretora da CPMI tome medidas para balancear essa questão. Do contrário, a CPMI não terá isonomia.

É uma confissão de culpa. Eles têm medo da investigação. Parece que fui o parlamentar que mais entrei com requerimentos de linhas de investigação.

Rejeitaram a maioria dos meus documentos que levavam a omissão do ministro da Justiça, Flávio Dino, e a viagem do presidente Lula. De supetão, Lula resolveu fazer uma viagem naquele dia para Araraquara. Queremos mostrar que houve um planejamento com a segurança dele, pois já sabiam o que iria acontecer.

Ora, se a CPI pode ser definida como sendo um conjunto de parlamentares designados para investigar possíveis malfeitos, cometidos por agentes públicos, que sejam de grande relevância para a vida pública nacional e, para sua criação há a necessidade da assinatura de apenas um terço dos membros da casa legislativa, sendo, portanto, um instrumento de investigação da minoria, não faz sentido a obstaculizarão de requerimentos feitos pela maioria da base do Governo.

A CPI não há de ser transformada em espetáculo circense, por obvio, mas deve cumprir seu mister investigando a todos, indistintamente, que possam estar envolvidos com a invasão da sede dos poderes, seja oposição ou governo, é curial.

A investigação seletiva é permitir transformar um sério instrumento de investigação parlamentar em circo, mas, que infelizmente, os palhaços passam a ser os cidadãos.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre CPI clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques