Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Larguei minha carreira para virar escritora

Larguei minha carreira para virar escritora

20/09/2012 Eliane Quintella

Nasci com vontade de ser escritora, pois sempre gostei de ler e escrever. Na escola, meus textos de terror e suspense sempre eram os mais famosos.

Gostava também de confeccionar pequenos livrinhos em papel sulfite e ostentar orgulhosamente a meus irmãos, para que morressem de inveja da minha “grande obra”. À noite sempre levava para o meu quarto uma pilha de livros para ler, por isso, embora minha mãe me colocasse para dormir cedo, eu ficava acordada lendo até pegar no sono.

Além de tudo isso, eu escrevia para o jornal do bairro em que morava. Eles publicavam minhas charges, histórias e poemas. Era uma alegria abrir o exemplar e encontrar meu nome impresso. Minha paixão por escrever era tanta que eu presenteava minha família inteira com poemas. E não só eles. Minhas amigas eram beneficiadas com declarações eternas de amizade e os meus primeiros amores também, embora eles não soubessem disso. Mas a vida é engraçada.

Cresci e descobri que não existia uma “faculdade” para que eu pudesse me tornar escritora. Eu devia ter desconfiado logo de cara que seria assim, afinal, eu já tinha nascido escritora, mas fiquei decepcionada e triste. Pensei em Jornalismo, mas eu gostava mesmo era de inventar histórias.

Pensei em Letras, mas não me identificava. Como eu tinha um lado justiceiro na veia, resolvi cursar Direito. Até porque, durante o colegial, descobri nas aulas de literatura que alguns escritores que estudei e admirava tinham cursado Direito, como Clarice Lispector, Lygia Fagundes Telles, Vinicius de Moraes, Eça de Queirós, Gonçalves Dias, entre outros.

Entrei na faculdade de Direito e me apaixonei pelas aulas. Fiz estágio, estudei bastante, me formei, cursei mestrado em Direito Processual Civil e trabalhei muito, mas muito mesmo. Consegui me transformar na advogada que queria. E segui trabalhando e me dedicando muito, pois é assim que sou. Mas, dentro de mim, meu grande amor, que é escrever, não deixava de pulsar.

Por isso, mesmo trabalhando demais, nunca deixei de escrever. Eu escrevia para mim, era uma necessidade, bastava eu ter um tempo livre: hora de almoço, hora vaga, madrugada, final de semana. Nessa época, eu não imaginava que um dia eu largaria tudo que estava construindo com tanto suor e dedicação para ser escritora. A verdade é que eu tinha aceitado aquilo que eu sempre ouvia as pessoas dizerem: no Brasil não dá para ganhar a vida sendo escritora. Foi, então, que num belo dia de sol eu quebrei o punho e fui obrigada a largar a correria do dia a dia.

Fiquei um mês em casa e aproveitei a oportunidade única para escrever meu primeiro livro: Pacto Secreto. Vocês podem se perguntar como é que eu escrevia se havia quebrado o punho? Bem, meus dedos se mexiam! Voltei a trabalhar, mas Pacto Secreto já tinha vida própria e, então, ele crescia durante as madrugadas, finais de semana e qualquer outro momento vago que eu tinha. O livro ficou pronto e consegui publicá-lo.

E, então, uma vontade maior foi tomando conta de mim, transformou-se em uma certeza nítida, definida e absoluta: eu precisava seguir meu maior sonho, o grande amor de minha vida, precisava ser escritora. Arrisquei tudo, dei um salto mortal rumo à felicidade. Se valeu? E como valeu! Seguir minha vontade tornou-se parte de quem sou. E cada desafio que enfrento só me faz querer lutar ainda mais. E o final dessa história, querem saber? Um dia eu escrevo para vocês.

Eliane Quintella é escritora.



Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.


Inaugurada a era das assembleias virtuais

A pandemia acelera a digitalização nos condomínios.