Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Larguei minha carreira para virar escritora

Larguei minha carreira para virar escritora

20/09/2012 Eliane Quintella

Nasci com vontade de ser escritora, pois sempre gostei de ler e escrever. Na escola, meus textos de terror e suspense sempre eram os mais famosos.

Gostava também de confeccionar pequenos livrinhos em papel sulfite e ostentar orgulhosamente a meus irmãos, para que morressem de inveja da minha “grande obra”. À noite sempre levava para o meu quarto uma pilha de livros para ler, por isso, embora minha mãe me colocasse para dormir cedo, eu ficava acordada lendo até pegar no sono.

Além de tudo isso, eu escrevia para o jornal do bairro em que morava. Eles publicavam minhas charges, histórias e poemas. Era uma alegria abrir o exemplar e encontrar meu nome impresso. Minha paixão por escrever era tanta que eu presenteava minha família inteira com poemas. E não só eles. Minhas amigas eram beneficiadas com declarações eternas de amizade e os meus primeiros amores também, embora eles não soubessem disso. Mas a vida é engraçada.

Cresci e descobri que não existia uma “faculdade” para que eu pudesse me tornar escritora. Eu devia ter desconfiado logo de cara que seria assim, afinal, eu já tinha nascido escritora, mas fiquei decepcionada e triste. Pensei em Jornalismo, mas eu gostava mesmo era de inventar histórias.

Pensei em Letras, mas não me identificava. Como eu tinha um lado justiceiro na veia, resolvi cursar Direito. Até porque, durante o colegial, descobri nas aulas de literatura que alguns escritores que estudei e admirava tinham cursado Direito, como Clarice Lispector, Lygia Fagundes Telles, Vinicius de Moraes, Eça de Queirós, Gonçalves Dias, entre outros.

Entrei na faculdade de Direito e me apaixonei pelas aulas. Fiz estágio, estudei bastante, me formei, cursei mestrado em Direito Processual Civil e trabalhei muito, mas muito mesmo. Consegui me transformar na advogada que queria. E segui trabalhando e me dedicando muito, pois é assim que sou. Mas, dentro de mim, meu grande amor, que é escrever, não deixava de pulsar.

Por isso, mesmo trabalhando demais, nunca deixei de escrever. Eu escrevia para mim, era uma necessidade, bastava eu ter um tempo livre: hora de almoço, hora vaga, madrugada, final de semana. Nessa época, eu não imaginava que um dia eu largaria tudo que estava construindo com tanto suor e dedicação para ser escritora. A verdade é que eu tinha aceitado aquilo que eu sempre ouvia as pessoas dizerem: no Brasil não dá para ganhar a vida sendo escritora. Foi, então, que num belo dia de sol eu quebrei o punho e fui obrigada a largar a correria do dia a dia.

Fiquei um mês em casa e aproveitei a oportunidade única para escrever meu primeiro livro: Pacto Secreto. Vocês podem se perguntar como é que eu escrevia se havia quebrado o punho? Bem, meus dedos se mexiam! Voltei a trabalhar, mas Pacto Secreto já tinha vida própria e, então, ele crescia durante as madrugadas, finais de semana e qualquer outro momento vago que eu tinha. O livro ficou pronto e consegui publicá-lo.

E, então, uma vontade maior foi tomando conta de mim, transformou-se em uma certeza nítida, definida e absoluta: eu precisava seguir meu maior sonho, o grande amor de minha vida, precisava ser escritora. Arrisquei tudo, dei um salto mortal rumo à felicidade. Se valeu? E como valeu! Seguir minha vontade tornou-se parte de quem sou. E cada desafio que enfrento só me faz querer lutar ainda mais. E o final dessa história, querem saber? Um dia eu escrevo para vocês.

Eliane Quintella é escritora.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira