Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

05/06/2018 Peter Limbourg (DW)

O diretor-geral da DW, Peter Limbourg lembra que a liberdade de imprensa exige o engajamento diário de todos.

Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

A liberdade de imprensa é um tema perfeito para declarações da boca para fora. Políticos democráticos da Europa, por exemplo, se atropelam na tentativa de cortejar a China. O fato de a liberdade de imprensa não existir nesse país e de as ofertas da Deutsche Welle e de outras emissoras internacionais serem totalmente bloqueadas merece pouco mais do que uma nota de pé de página.

Também os representantes do setor econômico pensam, quando o assunto é China, mais em bons negócios do que em direitos humanos. Desse modo, entregam-se à arbitrariedade e sede de poder de Pequim. Pois ninguém vai protestar no país quando investidores são tutelados. Na mídia chinesa não se vão encontrar críticas a respeito.

Um número espantosamente alto de políticos alemães e de outros países europeus apela para que se compreenda corretamente o presidente russo, Vladimir Putin, para que finalmente se levem a sério seus temores perante a Otan e a União Europeia. Os medos dos jornalistas na Rússia, em contrapartida, só atrapalham e são ignorados: seu medo de intimidação, de lesões corporais e até mesmo de assassinato. Ainda bem que o novo ministro alemão do Interior, Heiko Maas, tem uma posição diferente.

Também o Irã bloqueia as ofertas da DW e de outras emissoras internacionais e intimida sistematicamente seus colaboradores. Praticamente ninguém fala mais dos 23 jornalistas aprisionados nos cárceres de tortura das Guarda Revolucionária. E, no entanto, há políticos que sonham com uma aproximação – com um regime que quer aniquilar Israel, desestabilizar o Oriente Médio inteiro e exporta terrorismo.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, é louvado por deixar as mulheres dirigirem automóveis e por inaugurar cinemas. Ao mesmo tempo, porém, o blogueiro Raif Badawi continua confinado numa prisão saudita só por ter praticado o direito fundamental à liberdade de opinião.

Autocratas africanos exigem – e obtêm – mais ajuda humanitária, mas silenciam e sufocam os jornalistas jovens e dinâmicos que tentam praticar seu ofício de maneira honesta, sobretudo nas emissoras privadas.

Em Bangladesh e no Paquistão, blogueiros arriscam a própria vida ao noticiar sobre o crescente fundamentalismo islâmico em seu país. Apesar dos esforços de diversos diplomatas, apoio do exterior é, antes, artigo raro.

Em 2018 o México é país-parceiro da Feira de Hannover. No entanto em nenhuma outra nação o jornalismo é tão perigoso como lá, pois o governo não consegue controlar os cartéis do narcotráfico. Em 2017 foram mortos no México 11 jornalistas – só na Síria o balanço é mais trágico. Seria o caso de os Estados ocidentais assumirem a própria responsabilidade, uma vez que a maioria dos consumidores vive neles.

A lista poderia se estender indefinidamente. Logo chegaria também a vez da Turquia, parceira da Otan, e dos membros da União Europeia Polônia e Hungria.

É uma triste lista. Ela exige mais do que declarações da boca para fora em datas comemorativas.

Deveríamos julgar nossos governos e nossos políticos também por aquilo que fazem efetivamente para protestar contra os escandalosos atentados à liberdade de imprensa.

Eles mostram aos ditadores, de forma clara e inequívoca, quais são os nossos valores? Estão prontos a renunciar a negócios, quando esses valores são violados de forma gritante? Eles subordinam a disposição de conceder ajuda para o desenvolvimento à situação dos direitos humanos e da liberdade de imprensa nos países receptores?

Por todo o mundo, a democracia está ameaçada por ditadores, autocratas e populistas. Ela só sobreviverá se os democratas batalharem em prol dela com determinação.

Em 2018, a Deutsche Welle faz aniversário: há 65 anos informamos gente do mundo inteiro, de forma livre e independente. Vamos continuar nos empenhando pela liberdade de imprensa. Vamos mostrar as coisas como elas são. Esse é o nosso compromisso. 



Abandono afetivo às avessas

E quando os filhos abandonam os pais?


O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.


O trabalho como dever moral e amor ao próximo

Encontrei um amigo do tempo de faculdade, há muitos anos não o via, e ele me disse que se aposentou aos 53 anos como funcionário graduado de uma repartição pública.


A nova CPMF seria bem-vinda

A reforma tributária é o grande destaque de discussões no ambiente político e econômico, no momento.


A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.