Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

05/06/2018 Peter Limbourg (DW)

O diretor-geral da DW, Peter Limbourg lembra que a liberdade de imprensa exige o engajamento diário de todos.

Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

A liberdade de imprensa é um tema perfeito para declarações da boca para fora. Políticos democráticos da Europa, por exemplo, se atropelam na tentativa de cortejar a China. O fato de a liberdade de imprensa não existir nesse país e de as ofertas da Deutsche Welle e de outras emissoras internacionais serem totalmente bloqueadas merece pouco mais do que uma nota de pé de página.

Também os representantes do setor econômico pensam, quando o assunto é China, mais em bons negócios do que em direitos humanos. Desse modo, entregam-se à arbitrariedade e sede de poder de Pequim. Pois ninguém vai protestar no país quando investidores são tutelados. Na mídia chinesa não se vão encontrar críticas a respeito.

Um número espantosamente alto de políticos alemães e de outros países europeus apela para que se compreenda corretamente o presidente russo, Vladimir Putin, para que finalmente se levem a sério seus temores perante a Otan e a União Europeia. Os medos dos jornalistas na Rússia, em contrapartida, só atrapalham e são ignorados: seu medo de intimidação, de lesões corporais e até mesmo de assassinato. Ainda bem que o novo ministro alemão do Interior, Heiko Maas, tem uma posição diferente.

Também o Irã bloqueia as ofertas da DW e de outras emissoras internacionais e intimida sistematicamente seus colaboradores. Praticamente ninguém fala mais dos 23 jornalistas aprisionados nos cárceres de tortura das Guarda Revolucionária. E, no entanto, há políticos que sonham com uma aproximação – com um regime que quer aniquilar Israel, desestabilizar o Oriente Médio inteiro e exporta terrorismo.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, é louvado por deixar as mulheres dirigirem automóveis e por inaugurar cinemas. Ao mesmo tempo, porém, o blogueiro Raif Badawi continua confinado numa prisão saudita só por ter praticado o direito fundamental à liberdade de opinião.

Autocratas africanos exigem – e obtêm – mais ajuda humanitária, mas silenciam e sufocam os jornalistas jovens e dinâmicos que tentam praticar seu ofício de maneira honesta, sobretudo nas emissoras privadas.

Em Bangladesh e no Paquistão, blogueiros arriscam a própria vida ao noticiar sobre o crescente fundamentalismo islâmico em seu país. Apesar dos esforços de diversos diplomatas, apoio do exterior é, antes, artigo raro.

Em 2018 o México é país-parceiro da Feira de Hannover. No entanto em nenhuma outra nação o jornalismo é tão perigoso como lá, pois o governo não consegue controlar os cartéis do narcotráfico. Em 2017 foram mortos no México 11 jornalistas – só na Síria o balanço é mais trágico. Seria o caso de os Estados ocidentais assumirem a própria responsabilidade, uma vez que a maioria dos consumidores vive neles.

A lista poderia se estender indefinidamente. Logo chegaria também a vez da Turquia, parceira da Otan, e dos membros da União Europeia Polônia e Hungria.

É uma triste lista. Ela exige mais do que declarações da boca para fora em datas comemorativas.

Deveríamos julgar nossos governos e nossos políticos também por aquilo que fazem efetivamente para protestar contra os escandalosos atentados à liberdade de imprensa.

Eles mostram aos ditadores, de forma clara e inequívoca, quais são os nossos valores? Estão prontos a renunciar a negócios, quando esses valores são violados de forma gritante? Eles subordinam a disposição de conceder ajuda para o desenvolvimento à situação dos direitos humanos e da liberdade de imprensa nos países receptores?

Por todo o mundo, a democracia está ameaçada por ditadores, autocratas e populistas. Ela só sobreviverá se os democratas batalharem em prol dela com determinação.

Em 2018, a Deutsche Welle faz aniversário: há 65 anos informamos gente do mundo inteiro, de forma livre e independente. Vamos continuar nos empenhando pela liberdade de imprensa. Vamos mostrar as coisas como elas são. Esse é o nosso compromisso. 



Enfrentando o luto diante da pandemia

A perda de um ente querido já é dolorosa por si só, e diante dessa pandemia, ao passarmos pelas etapas sem velório e funeral, se torna mais dolorida.


O Papa e a homossexualidade

O Papa Francisco declarou que as uniões homossexuais devem ser legalmente reconhecidas.


O PIB e os processos migratórios do ensino superior

As vidas de Alexandre e Letícia se encontraram quando se conheceram em uma grande universidade particular da capital paranaense – ela cursava Comunicação e ele, Engenharia.


Falsos profetas da renda variável

Os juros sempre foram altos no Brasil.


Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.