Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Liberdade intelectual

Liberdade intelectual

19/07/2014 Guido Bilharinho

Fala-se e escreve-se muito sobre a liberdade. Mas, essa liberdade tão falada e muito referida não é, propriamente, a que motiva o presente artigo.

A liberdade de pensar, de agir, etc. constitui lugar comum, termo pisado e repisado em livros, cátedras e meios de comunicação. Tal liberdade é o mínimo que pode e deve ter o ser humano. A de ler o que quiser e a de estudar o que desejar – sejam os problemas econômicos e sociais da época ou todas as correntes de pensamento – também situa-se no mesmo plano que a anterior, se bem seja mais complexa e menos entendida por aqueles que se isolam e se bestificam ao limitar sua curiosidade a uma única tábua de valores, a uma única ordem de ideias.

A liberdade intelectual é mais do que tudo isso e está acima das conceituações escritas às pressas nas redações dos jornais e das agências de notícias. Praticamente seu conceito não está ao alcance dos escribas mercenários e muito menos daqueles que preconceituam o mundo e o papel da vida humana. Se os primeiros não podem entender a liberdade intelectual por não a possuírem, os segundos estão limitados à série de conceitos e, dentro deles somente, querem compreender as correntes filosóficas e, mais grave, ajuizarem de seu valor ou de seu desvalor.

Por ai se vê que a condição sine qua non para se criticar qualquer sistema filosófico consiste no estudo das diversas correntes de pensamento na íntegra de suas publicações e não, apenas, através de excertos ou condensações espúrias, que torcem ou mutilam o pensamento original do autor. No mais das vezes esses excertos vêm precedidos ou seguidos de comentários procurando enquadrá-los em determinada ordem conceitual. O primeiro degrau da liberdade intelectual consiste, portanto, na ilimitação de fronteiras para o estudo, na superação de todas as cercas impostas à inteligência humana por quaisquer orientações, por quaisquer pessoas.

Tal degrau é o mínimo que se pode exigir do estudioso e, com mais forte razão, daqueles que têm pretensões de dirigir a mente dos povos, transmitindo-lhes série de “verdades” nunca comprovadas. Apesar dessa ilimitação constituir enorme passo no sentido de alcançar ou obter verdadeira e sólida cultura, ainda não é tudo, ainda não é o suficiente e o necessário. Para que exista verdadeira liberdade intelectual é imprescindível a desvinculação do indivíduo das pretensas “verdades” a que esta enquadrado por força de sua educação desde que veio ao mundo.

Essa desvinculação realiza-se ao desejar o estudioso fazer, momentaneamente e da melhor maneira possível, tabula rasa dos ensinamentos que lhe impingiram, para iniciar o estudo, sem preconceitos ou ideias apriorísticas, das diversas correntes filosóficas que, na realidade, são apenas duas. Sem isso, sem essas condições básicas, o estudioso que nunca reformulou suas concepções ou enfrentou, sem guias ou limitações bestificadoras, todas as construções mentais de séculos e notadamente as mais recentes, poderá ser denominado de intelectual, mas não o será nunca e, muito menos, poderá jactar-se de ser livre.

Aqueles que mais bradam e proclamam sua liberdade são os que mais profundamente estão enclausurados em estreitos limites filosóficos e sempre tiveram receio de, por si sós, aventurar-se ao estudo. Na verdade, são raríssimos os indivíduos que possuem, entre nós, liberdade intelectual. Praticamente, não existe liberdade de pensar, de raciocinar. Imensa barreira de conceitos e dogmas cerca o indivíduo desde seu nascimento e, como o mel do cacau dos romances de Jorge Amado, não o deixa, perseguindo-o em casa, na escola, na rua, no jornal, na rádio, no trabalho, nas mais variadas palestras e na maioria absoluta dos livros que a sociedade muito “democraticamente” coloca a seu alcance.

E esse indivíduo, assim iludido, assim ludibriado por outros que também o são, não possui perspectivas e, para ele, todas as portas do conhecimento humano mais profundo, mais estudado e meditado estão trancadas! E se porventura cai-lhe nas mãos, acidentalmente, livro diferente ou se ele o procura, quando tem coragem intelectual para tanto, o mais provável é não terminar a leitura se a obra traz conceitos contrários aos seus, isto é, a tudo que lhe ensinaram ou lhe enfiaram na cabeça desde a mais tenra idade, quando ainda não possuía capacidade para discernir, examinar, julgar.

Quando era apenas uma criança. Consequentemente não é um intelectual livre. A liberdade que ele pensa possuir é, apenas, um mito, um dos inúmeros e variados mitos em que acredita sincera, ingênua e piamente.

*Guido Bilharinho é advogado atuante em Uberaba, editor da revista internacional de poesia Dimensão de 1980 a 2000 e autor de livros de literatura, cinema, história do Brasil e regional, entre eles, Brasil: Cinco Séculos de História, inédito.



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan