Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Liberdade Liberal

Liberdade Liberal

13/10/2014 Kim Kataguiri

Liberdade é uma palavra muito utilizada e, quase sempre, com um sentido muito positivo. Por isso, muitos vestem a bandeira da liberdade para defender as mais diversas causas.

Por um lado, podemos concluir que, se temos tantas pessoas que lutam e prezam por esta dita liberdade, devemos, então, ser livres. Por outro, se a liberdade já é uma realidade concreta, por que ainda temos tantos grupos lutando por ela? Talvez seja porque esses grupos não lutem realmente pelo o que a liberdade verdadeiramente é. Peguemos o Brasil como exemplo. Você pode se considerar livre agora, mas talvez mude de opinião uma vez que reflita sobre perguntas concretas.

Alguém que é obrigado a dar 40% dos frutos de seu trabalho para ganhar nada - ou quase nada - em troca pode ser considerado uma pessoa livre?Alguém que seja impedido de produzir bens para a sociedade por conta de uma barreira burocrática é livre? Liberdade é não poder realizar trocas voluntárias? Um indivíduo que quer ingressar na política, mas não consegue por conta de uma série de imposições estatais é um indivíduo livre? Um pai que não pode educar seu filho da maneira que desejar é um pai livre? Pois é, talvez você não seja tão livre quanto pensa.

O Estado brasileiro é gigantesco e interfere em quase todas as esferas da sociedade. Em outras palavras, o governo constantemente mete o bedelho onde não é chamado. Desde o que você compra até o que você faz na sua própria casa, tudo tem de obedecer à uma série de imposições estatais. Você pode querer vender um produto, e alguém pode querer comprar este produto, mas, se vocês não obedecerem as regras, serão considerados criminosos e serão punidos pelo Estado, mesmo não havendo vítima.

Você não pode dar um puxão de orelha no seu filho porque o Estado diz que você não pode. Seu filho também não poderá assistir propagandas infantis porque este mesmo Estado não acha saudável. Você não tem saúde, educação ou segurança garantidos pelo Estado, ainda assim, tem que pagar 40% de tudo o que produz para sustentar uma estrutura que está lá para atrapalhar, entre outras coisas, o seu trabalho. E se você quiser fundar um partido político para unir pessoas que pensam como você e só querem serem deixadas em paz, pode ter certeza que o Estado estará lá para garantir que você tenha o máximo de dificuldades. Se você não é livre e os partidos que estão não só no poder, mas também na oposição não defendem a liberdade, o que fazer para ao menos se aproximar deste ideal inalcançável?

A minha resposta é curta, simples e faz jus ao próprio nome: liberalismo. Mas o que é o liberalismo? Antes de tudo, devemos separar liberalismo econômico de liberalismo político. Basicamente, liberalismo econômico significa pagar baixos impostos, ser livre para empreender com facilidade e poder escolher entre um amplo leque de opções de produtos e serviços oferecidos pelo mercado. Mercado este do qual todos nós fazemos parte: eu, você, a velhinha da mercearia, o pipoqueiro da praça e até mesmo aquela criança que gasta toda sua mesada em balas, diferente do Estado que é regido por meia dúzia de burocratas que, muitas vezes, consideram-se iluminados o suficiente para decidir por você o que você mesmo deve consumir.

Já o liberalismo político basicamente consiste em poder votar, poder se candidatar, plena liberdade de expressão, liberdade para se opor ao governo, ou seja, significa defender uma democracia consistente. Isso tudo parece bem agradável na teoria, mas, e na prática? Convido você, caro leitor, a fazer um agradável exercício mental: suponha que você possa escolher entre dois grupos de países, um grupo A e outro B. O grupo que você escolher será aquele em cujos países você poderá morar durante o tempo que quiser.

Os países do grupo A são: Austrália, Nova Zelândia, Suíça, Canadá e Chile. Os países do grupo B são: Irã, Venezuela, Zimbábue, Cuba e Coreia do Norte. Provavelmente você escolheu a lista A, afinal, são países que servem de exemplo para o mundo todo em questões como saúde, educação, PIB per capita, etc. Mas qual é a diferença crucial entre os países da lista A e os países da lista B? Se você "chutou" liberalismo, acertou. Os países da lista A estão entre os mais liberais do mundo, já os da lista B estão entre os mais fechados.

Portanto, o liberalismo não é só uma teoria bonitinha com propostas interessantes. É algo que funciona, e funciona muito bem. É exatamente disso que precisamos no Brasil: liberalismo político e liberalismo econômico. Apenas seremos livres quando pudermos realizar as trocas que desejarmos, da maneira que desejarmos e sem termos que sustentar toda uma rede de burocratas que utiliza dinheiro como papel-higiênico. Apenas seremos livres quando pudermos educar nossos filhos da maneira que quisermos e nosso acesso à política for amplo e facilitado. Liberdade significa livre mercado e liberdades individuais garantidas. Se você preza pela liberdade, você preza pelo liberalismo.

*Kim Kataguiri é Acadêmico de Ciência Humanas da UFABC, vlogueiro (youtube.com/tharryify) e Especialista do Instituto Liberal.



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves