Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Líder se constrói?

Líder se constrói?

10/04/2013 Walter Tamaki

O conceito de líder e, consequentemente, liderança, evoluiu muito desde o século passado. Antes, simplesmente significava quem chefiava, guiava, estava à frente.

Hoje, porém, tem assumido significados cada vez mais amplos e sofisticados, denotando, senão um herói, alguém que beira a perfeição. E essa evolução ocorreu até em consequência das mudanças no conceito de estratégia ou de uma boa administração que foi se sofisticando para atender a um mercado cada vez mais complexo, competitivo e exigente.

Há alguns anos, líderes eram taxados de autocráticos ou participativos (basicamente, por simplicidade ou dada nossa limitada capacidade de distinção). Então, novas percepções nos permitiram classificações como coercitivos, benevolentes. E, pouco tempo depois, como emergentes, situacionais, carismáticos, só para citar alguns poucos tipos de líderes/lideranças.

Considerando este rol de definições para líderes e lideranças, como podemos nos preparar? Que tipos de competências deveremos desenvolver quando as exigências e os desafios são tão dinâmicos e mutáveis? E aí, surge outro termo que precisou evoluir: competência. Antes, se referia a uma qualidade, uma faculdade/capacidade, e estava associado à competição (à luta, à disputa). Então, competente era aquele apto a competir, apto a enfrentar o desafio, capaz de vencer a disputa.

Hoje, associamos competência com conhecimento, habilidade, atitude e COMO estas interagem capacitando alguém a atingir e superar seus objetivos íntimos ou os objetivos da organização à qual pertence. Interessante notar que, assim como queremos ser competitivos, as empresas também anseiam (desesperadamente) ser competitivas.

Quer dizer, precisam, através de sua estrutura, combinar também positivamente os conhecimentos, as habilidades e atitudes de modo para serem bem sucedidas. E considerando o caráter sistêmico de uma organização, cada parte, órgão, divisão e, em última análise, o cargo que ocupamos ou desejamos ocupar, também demandará determinada composição e interação de conhecimento, habilidade e atitudes. Tudo isso para fazer que seu ocupante se consolide no cargo ou, quem sabe, seja promovido. Voltando à pergunta, como nos tornarmos mais competentes? O que seria útil saber? Como aumentar minhas chances profissionais?

1) O básico: Você começa por ter um conhecimento muito específico da sua área. Assim, corresponda a esta expectativa. Se for engenheiro de produção, domine sua área, seja eficiente, gere economias e aumente ao máximo a produtividade, diminuindo desperdícios, etc. Você deve ter profundos e inquestionáveis conhecimentos ou domínio da sua área de formação e atuação inicial.

2) Idiomas: Desnecessário comentar.

3) Oratória: Nenhum profissional que se preze pode se dar ao luxo de não falar bem em público. Você tem que ser capaz de se comunicar muito bem com seus subordinados e fazer apresentações eficazes para seus superiores. Um curso de oratória conhecido é caro? Sim, mas compensa! Nada melhora tanto sua imagem profissional como apresentações consistentes e envolventes.

4) Seja humanista: Seja genuinamente interessado pelas pessoas, procure entende-las, aprenda com todas. Quanto mais você conhecer as pessoas, mais será capaz de perceber padrões de conduta/comportamento. Entenderá mais sobre crenças, valores e cultura; será capaz de “esperar pelo inesperado”, prevenindo-se. Por outro lado, acredite, muitos querem e poderão te ajudar muito.

5) Cuide de suas atitudes: Quando falamos de atitudes, parece algo genérico como: “Seja bom!”. Na verdade, quando procuramos entender o que é atitude, associamos à maneira como procedemos ou manifestamos este propósito. Podemos entender, então, atitude como “ação + intenção”. Acredite: as pessoas percebem sua intenção, seu desejo de jogar tudo para cima. E aí pergunto: você acha que te favorece demonstrar insatisfação? As três primeiras são mais simples de serem fortalecidas, porém, fundamentais.

As duas últimas, bem, vão te exigir mais tempo, muitas vezes lidar com sentimentos e questões há muito esquecidas ou suprimidas, mas que, se bem trabalhadas, te proporcionarão não só crescimento profissional, mas um desenvolvimento pessoal amplo e profundo. E se você considera que existem outras competências mais importantes, muito provavelmente seja porque já dominou as competências anteriores, em menor ou maior grau.

* Walter Tamaki é sócio consultor da Ventana Capital.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes