Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Líder se constrói?

Líder se constrói?

10/04/2013 Walter Tamaki

O conceito de líder e, consequentemente, liderança, evoluiu muito desde o século passado. Antes, simplesmente significava quem chefiava, guiava, estava à frente.

Hoje, porém, tem assumido significados cada vez mais amplos e sofisticados, denotando, senão um herói, alguém que beira a perfeição. E essa evolução ocorreu até em consequência das mudanças no conceito de estratégia ou de uma boa administração que foi se sofisticando para atender a um mercado cada vez mais complexo, competitivo e exigente.

Há alguns anos, líderes eram taxados de autocráticos ou participativos (basicamente, por simplicidade ou dada nossa limitada capacidade de distinção). Então, novas percepções nos permitiram classificações como coercitivos, benevolentes. E, pouco tempo depois, como emergentes, situacionais, carismáticos, só para citar alguns poucos tipos de líderes/lideranças.

Considerando este rol de definições para líderes e lideranças, como podemos nos preparar? Que tipos de competências deveremos desenvolver quando as exigências e os desafios são tão dinâmicos e mutáveis? E aí, surge outro termo que precisou evoluir: competência. Antes, se referia a uma qualidade, uma faculdade/capacidade, e estava associado à competição (à luta, à disputa). Então, competente era aquele apto a competir, apto a enfrentar o desafio, capaz de vencer a disputa.

Hoje, associamos competência com conhecimento, habilidade, atitude e COMO estas interagem capacitando alguém a atingir e superar seus objetivos íntimos ou os objetivos da organização à qual pertence. Interessante notar que, assim como queremos ser competitivos, as empresas também anseiam (desesperadamente) ser competitivas.

Quer dizer, precisam, através de sua estrutura, combinar também positivamente os conhecimentos, as habilidades e atitudes de modo para serem bem sucedidas. E considerando o caráter sistêmico de uma organização, cada parte, órgão, divisão e, em última análise, o cargo que ocupamos ou desejamos ocupar, também demandará determinada composição e interação de conhecimento, habilidade e atitudes. Tudo isso para fazer que seu ocupante se consolide no cargo ou, quem sabe, seja promovido. Voltando à pergunta, como nos tornarmos mais competentes? O que seria útil saber? Como aumentar minhas chances profissionais?

1) O básico: Você começa por ter um conhecimento muito específico da sua área. Assim, corresponda a esta expectativa. Se for engenheiro de produção, domine sua área, seja eficiente, gere economias e aumente ao máximo a produtividade, diminuindo desperdícios, etc. Você deve ter profundos e inquestionáveis conhecimentos ou domínio da sua área de formação e atuação inicial.

2) Idiomas: Desnecessário comentar.

3) Oratória: Nenhum profissional que se preze pode se dar ao luxo de não falar bem em público. Você tem que ser capaz de se comunicar muito bem com seus subordinados e fazer apresentações eficazes para seus superiores. Um curso de oratória conhecido é caro? Sim, mas compensa! Nada melhora tanto sua imagem profissional como apresentações consistentes e envolventes.

4) Seja humanista: Seja genuinamente interessado pelas pessoas, procure entende-las, aprenda com todas. Quanto mais você conhecer as pessoas, mais será capaz de perceber padrões de conduta/comportamento. Entenderá mais sobre crenças, valores e cultura; será capaz de “esperar pelo inesperado”, prevenindo-se. Por outro lado, acredite, muitos querem e poderão te ajudar muito.

5) Cuide de suas atitudes: Quando falamos de atitudes, parece algo genérico como: “Seja bom!”. Na verdade, quando procuramos entender o que é atitude, associamos à maneira como procedemos ou manifestamos este propósito. Podemos entender, então, atitude como “ação + intenção”. Acredite: as pessoas percebem sua intenção, seu desejo de jogar tudo para cima. E aí pergunto: você acha que te favorece demonstrar insatisfação? As três primeiras são mais simples de serem fortalecidas, porém, fundamentais.

As duas últimas, bem, vão te exigir mais tempo, muitas vezes lidar com sentimentos e questões há muito esquecidas ou suprimidas, mas que, se bem trabalhadas, te proporcionarão não só crescimento profissional, mas um desenvolvimento pessoal amplo e profundo. E se você considera que existem outras competências mais importantes, muito provavelmente seja porque já dominou as competências anteriores, em menor ou maior grau.

* Walter Tamaki é sócio consultor da Ventana Capital.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.