Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Liderança: Arte e Ciência

Liderança: Arte e Ciência

22/05/2020 Acedriana Vicente Vogel

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?

A Ciência, ao longo do tempo, busca explicar esse fenômeno, mais fortemente a partir do século XX, trazendo algumas contribuições que, certamente, levantam mais pontos de divergência do que de convergência entre os pesquisadores.

O que não há como negar é o fato de que a liderança existe e que se encontra em todas as instâncias do sistema social.

Porém, liderar, assim como amar, é verbo, se manifesta na ação. Contudo, para ambos, a conceituação, por meio de palavras, é bastante complexa.

Creio que ninguém lamentaria em ter ao seu lado - ou mesmo à sua frente - um grande líder. Uma pessoa capaz de congregar a diversidade - de gênero, idade, etnia, concepções, formação e experiência - em prol de atividades profissionais, nas quais cada um possa oferecer o seu melhor ao projeto coletivo.

No entanto, a indagação que permanece é: que atributos reúne esse grande líder? Qual a essência dessa função complexa e multifacetada? As teorias construídas em torno do tema já deram conta de que a liderança não é inata, logo, pode ser aprendida.

Partindo dessa afirmação, a professora Sylvia Vergara, uma estudiosa do assunto, desenvolveu algumas sínteses pertinentes, segundo as quais, o líder se constrói na aprendizagem contínua sobre si mesmo, sobre seus liderados e sobre o contexto em que atua.

Pensemos um pouco sobre cada uma dessas aprendizagens:

- A auto-aprendizagem remete à clareza de que o conhecimento que se tem das coisas é, como o de qualquer ser humano, incompleto e que a consciência dessa incompletude, longe de ser um desastre, é o que oxigena o sentido da vida, permitindo que, a cada dia, se aprenda mais e melhor.

Esse contexto de incerteza também se aplica a tomada de decisões que alterna vias de objetividade e subjetividade, contrapontos próprios da constituição da individualidade humana.  

- O exercício do papel da liderança oferece a oportunidade de aprender sobre o outro, considerando suas motivações, valores, expectativas e histórias de vida para, então, poder ajudá-lo a superar-se constantemente.

É nesse movimento que se constrói o sentimento de pertencimento e interdependência necessários ao trabalho de uma equipe.

O diálogo franco e robusto consigo mesmo e com os outros é que nos permite polir as competências perenes: capacidade de pensar, aprender, ensinar e resolver problemas.

- Todo o trabalho humano cerca-se de um contexto, de um ambiente no qual as relações se estabelecem. Não há como compreender essas relações sem aprender sobre esse contexto, caracterizado por adaptabilidade e inovações, continuidade e ruptura, certezas e riscos.

Como se trata de um espaço, por natureza intersubjetivo, é preciso estar atento para que a criatividade, a cooperação e a autonomia tenham lugar assegurado e, sobretudo, para que as sementes de ideias inovadoras cresçam protegidas de “censuras” impostas por referenciais superados.

O ambiente precisa favorecer a lucidez para que todos consigam distinguir entre o que é prioritário e o que é periférico, a fim de estarem encorajados para agir em sintonia com o projeto coletivo, diante de situações inéditas.

É ingênuo pensar, diante do exposto, que exista alguma barreira capaz de impedir o desenvolvimento de uma equipe. O complexo nessa dinâmica é trazer esse movimento evolutivo à luz da consciência.

O encontro com o outro impulsiona a permanente transformação, a permanente transição e remete-nos ao eterno “vir a ser”.

Nessa dinâmica, em última instância, o que cabe ao grande líder é a arte de fortalecer o essencial: uma cultura de ética, integridade e confiança.

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Fonte: Central Press



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.