Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Liderança: Arte e Ciência

Liderança: Arte e Ciência

22/05/2020 Acedriana Vicente Vogel

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?

A Ciência, ao longo do tempo, busca explicar esse fenômeno, mais fortemente a partir do século XX, trazendo algumas contribuições que, certamente, levantam mais pontos de divergência do que de convergência entre os pesquisadores.

O que não há como negar é o fato de que a liderança existe e que se encontra em todas as instâncias do sistema social.

Porém, liderar, assim como amar, é verbo, se manifesta na ação. Contudo, para ambos, a conceituação, por meio de palavras, é bastante complexa.

Creio que ninguém lamentaria em ter ao seu lado - ou mesmo à sua frente - um grande líder. Uma pessoa capaz de congregar a diversidade - de gênero, idade, etnia, concepções, formação e experiência - em prol de atividades profissionais, nas quais cada um possa oferecer o seu melhor ao projeto coletivo.

No entanto, a indagação que permanece é: que atributos reúne esse grande líder? Qual a essência dessa função complexa e multifacetada? As teorias construídas em torno do tema já deram conta de que a liderança não é inata, logo, pode ser aprendida.

Partindo dessa afirmação, a professora Sylvia Vergara, uma estudiosa do assunto, desenvolveu algumas sínteses pertinentes, segundo as quais, o líder se constrói na aprendizagem contínua sobre si mesmo, sobre seus liderados e sobre o contexto em que atua.

Pensemos um pouco sobre cada uma dessas aprendizagens:

- A auto-aprendizagem remete à clareza de que o conhecimento que se tem das coisas é, como o de qualquer ser humano, incompleto e que a consciência dessa incompletude, longe de ser um desastre, é o que oxigena o sentido da vida, permitindo que, a cada dia, se aprenda mais e melhor.

Esse contexto de incerteza também se aplica a tomada de decisões que alterna vias de objetividade e subjetividade, contrapontos próprios da constituição da individualidade humana.  

- O exercício do papel da liderança oferece a oportunidade de aprender sobre o outro, considerando suas motivações, valores, expectativas e histórias de vida para, então, poder ajudá-lo a superar-se constantemente.

É nesse movimento que se constrói o sentimento de pertencimento e interdependência necessários ao trabalho de uma equipe.

O diálogo franco e robusto consigo mesmo e com os outros é que nos permite polir as competências perenes: capacidade de pensar, aprender, ensinar e resolver problemas.

- Todo o trabalho humano cerca-se de um contexto, de um ambiente no qual as relações se estabelecem. Não há como compreender essas relações sem aprender sobre esse contexto, caracterizado por adaptabilidade e inovações, continuidade e ruptura, certezas e riscos.

Como se trata de um espaço, por natureza intersubjetivo, é preciso estar atento para que a criatividade, a cooperação e a autonomia tenham lugar assegurado e, sobretudo, para que as sementes de ideias inovadoras cresçam protegidas de “censuras” impostas por referenciais superados.

O ambiente precisa favorecer a lucidez para que todos consigam distinguir entre o que é prioritário e o que é periférico, a fim de estarem encorajados para agir em sintonia com o projeto coletivo, diante de situações inéditas.

É ingênuo pensar, diante do exposto, que exista alguma barreira capaz de impedir o desenvolvimento de uma equipe. O complexo nessa dinâmica é trazer esse movimento evolutivo à luz da consciência.

O encontro com o outro impulsiona a permanente transformação, a permanente transição e remete-nos ao eterno “vir a ser”.

Nessa dinâmica, em última instância, o que cabe ao grande líder é a arte de fortalecer o essencial: uma cultura de ética, integridade e confiança.

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Fonte: Central Press



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.