Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Liderança: o eterno desafio

Liderança: o eterno desafio

30/03/2020 José Pio Martins

A definição mais divulgada de liderança diz que liderar é a capacidade de influenciar e convencer pessoas.

Eu gosto da seguinte definição: “Liderança é a capacidade de influenciar e convencer pessoas, levá-las a acreditar na causa e despertar nelas a vontade de agir em favor de objetivos comuns, sobretudo quando elas são livres para seguir outro caminho.”

Em resumo, liderança é o jeito de dirigir pessoas. Independentemente da definição, o líder é alguém que tem certos atributos úteis para atingir fins por meio de pessoas.

O líder é reconhecido segundo sua capacidade real de ter estratégia, deixar claro qual é o propósito, escolher as pessoas certas, comunicar-se com eficiência, dar orientações claras, apoiar o trabalho de seus liderados, valorizar os colaboradores, dividir resultados etc. Um dos atributos fundamentais do líder é o princípio da justiça, o que implica saber ouvir, analisar com isenção e, apenas depois, julgar e decidir.

O que resta claro é que os atributos do líder são úteis em todos os campos da vida: na família, no trabalho, nas atividades sociais e na interação com seres humanos em geral. Na política e na direção das nações, a capacidade de liderar é decisiva para o destino dos povos.

Aprender e incorporar os princípios e atributos da liderança é útil não só para o trabalho, para a carreira ou para ganhar dinheiro. É útil, também, para o autodesenvolvimento, o autoconhecimento e a conquista de uma vida bem-sucedida.

O mundo nos oferece exemplos de bons líderes e de maus líderes. O bom líder detém os atributos relativos à liderança e, ademais, tem uma boa causa, uma causa nobre.

O mau líder até pode demonstrar os atributos instrumentais da liderança, mas os usa para uma causa ruim, negativa. É grande o número de líderes que usaram sua capacidade de convencer, influenciar e liderar multidões direcionada para uma causa destrutiva.

Alguns exemplos interessantes são Hitler, Stalin, Mussolini, na política, Al Capone, Lucky Luciano, Pablo Escobar, no mundo crime, que demonstraram enorme capacidade de conduzir pessoas e levá-las a realizar coisas.

Mas suas causas eram ruins, produtoras do mal. Mesmo assim, ainda hoje eles têm defensores e admiradores, a despeito do rastro de destruição que deixaram atrás de suas ações.

Sempre surge a clássica pergunta: liderança pode ser aprendida? Há atributos da liderança que são inatos, ou seja, já vêm com a pessoa em sua estrutura genética e de personalidade.

Mas há atributos que podem ser aprendidos, treinados e melhorados. O filósofo Ortega y Gasset dizia que “a vida nos é dada, mas não nos é dada pronta”, ou seja, o ser humano se faz e se constrói em sua própria existência.

Hoje, há escassez de líderes. A cada eleição vemos chegarem ao poder pessoas sem brilho intelectual, de poucos conhecimentos e até mesmo sem os atributos da liderança. E isso só ocorre porque, muitas vezes, os homens e mulheres do bem não vão para a vida pública.

Infelizmente, a política tem afugentado os melhores cérebros, em parte pelo que ela se tornou: uma espécie de valhacouto (abrigo) para incompetentes e corruptos.

Vale dizer que seria injusto não reconhecer que há pessoas brilhantes e honestas atuando na política. Mas, sejamos francos, o número de pessoas desonestas e de parcos conhecimentos em cargos relevantes é bastante grande.

É bem verdade que parte dessa realidade se deve ao fato de que a política, sobretudo em cargos eletivos, não é o regime dos melhores, mas o regime dos mais numerosos.

Ganha quem tem mais votos, não quem é mais honesto e mais capaz. A técnica de conquistar votos tem sua lógica própria.

Os atributos da liderança são úteis não apenas para uso na atividade profissional, na política ou para ganhar dinheiro; são úteis também como um meio para melhorar a si mesmo e fazer o bem aos outros e à sociedade.

É algo que vale desenvolver, estudar e aprender. O Brasil e o mundo precisam de mais líderes, sem os quais o progresso fica difícil.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.