Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Lula preso e governando?

Lula preso e governando?

09/10/2017 Adilson Roberto Gonçalves

Pesquisa de intensão de voto para presidente mostra que Lula lidera em todos os cenários.

O Instituto Datafolha publicou pesquisa de intenção de voto para presidente da República, a primeira após a condenação em primeira instância de Lula, mostrando que ele lidera em todos os cenários.

Expressei em carta que os números mostram a força do ex-presidente, apesar de não ser possível uma avaliação mais detalhada por região, faixa etária e de renda. Impedido de concorrer, seus votos, hoje, vão majoritariamente para brancos e nulos, e não para outro candidato, mesmo dentro do PT.

Sua rejeição vem em queda, ao contrário da dos concorrentes diretos. Essa pesquisa pode não funcionar como previsão eleitoral, mas é um excelente termômetro social do momento. No dia seguinte, foi divulgado um resultado complementar, mostrando que 54% dos entrevistados responderam sim quando perguntados se o ex-presidente deveria ser preso, contrapondo-se com os 40% dos que responderam não.

Além da especulação sobre o propósito de serem divulgados dois resultados aparentemente conflitantes em momentos distintos e com ênfases que caracterizam posições políticas institucionais, houve muita ironia em comentários de redes sociais e sites de notícia.

A contestação foi que os resultados do Datafolha mostram uma maioria que pretende eleger Lula presidente ao mesmo tempo em que quer vê-lo atrás das grades. Porém, não se trata do mesmo voto ou do mesmo eleitor. Nas simulações de segundo turno, a soma das intenções e preferências indica que cerca de 20% dos eleitores não vota em nenhum candidato ou não sabe ainda em quem votar.

Quando a pergunta foi sobre se Lula deve ou não ser preso, a porcentagem dos sem opinião é de apenas 5%, o que justifica a aparente contradição. Cerca de 15% dos eleitores não possuem candidato, mas têm convicção da culpa de Lula.

Os números fecham, é claro, dentro da margem de erro, mostrando que há menos indecisos quanto ao processo judicial do que em relação ao processo político-eleitoral. Assumindo que não houve direcionamento na pesquisa feita e a seriedade com que um instituto como o Datafolha segue seus protocolos e amostragem, esse é um dado muito expressivo.

Seriam mais de 20 milhões de pessoas, considerando a base de cerca de 145 milhões de eleitores atuais, que apostam na Justiça e não na política, como se uma fosse independente da outra. À medida que os números absolutos ficam menores, cresce sua incerteza face aos “dois pontos porcentuais de erro, para cima ou para baixo” da pesquisa realizada.

Não há – pelo menos no que foi divulgado e publicado – informações sobre a distribuição desses 15%, mas é de se supor que correspondam a uma faixa muito incomodada com a política como um todo, tipicamente de status social maior, tanto em relação a escolaridade e renda, quanto à posição geo-socioetnográfica que ocupa, termo este concebido como o lugar onde habita e de onde vê a sociedade, combinado com o enfrentamento de obstáculos para chegar onde está.

Por outro lado, a pesquisa apenas reafirma a dicotomia que vem se consolidando no país desde as eleições de 2014, com pequenas flutuações de lado a lado. Com a aproximação do pleito real, a evolução da economia e as consequências de julgamentos o quadro todo pode mudar.

* Adilson Roberto Gonçalves é pesquisador do IPBEN-Unesp de Rio Claro.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli