Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mágica inflacionária

Mágica inflacionária

03/04/2012 Ivo Barbiero

Embora de modo despercebido para boa parte dos brasileiros, muda-se a fórmula de cálculo inflacionário, incluindo-se e se excluindo itens na “cesta” do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) que diluem a majoração de alguns bens, produtos e serviços.

Tudo isso é pouco divulgado, mesmo por que no “pano de fundo” da economia nacional está a forte elevação de renda dos últimos anos, e a inflação oficial não tem o grande peso de “manchetejornalística” como os 80% que se verificavam em nosso país até meados dos anos 90. Há menor pressão da opinião pública quanto ao problema. Manobras espertas oficializaram para o exercício de 2011 uma taxa de inflação acumulada de 6,5%, exatamente no teto da meta estabelecida pelas autoridades monetárias.

O “feito”, como não poderia deixar de ser, suscitou enfática e efusiva comemoração de Brasília, na reafirmação, perante o País, a sociedade e o mercado, de que consegue cumpri-la rigorosamente há oito anos consecutivos. A “coincidência”, contudo, evidencia que a política econômica está jogando com algumas variáveis, buscando equilibrar os principais indicadores. A verdade, porém, conforme temos observado em vários artigos anteriores, é que a crise externa não está desestimulando a economia brasileira.

Muito ao contrário — e felizmente! —, o mercado interno continua aquecido. É exatamente em decorrência desse fator positivo que pode acabar sendo gerada a chamada inflação de demanda. Nesse contexto, já vem ocorrendo, inclusive com remédios, dentre outros produtos, uma velha prática bastante conhecida pelos brasileiros: troca-se a embalagem, muda-se a quantidade e/ou o peso da mercadoria e se aumenta o preço. Os bancos também reajustam suas tarifas de serviços.

Em consequência de todo esse cenário, a inadimplência cresce, provocando uma também disfarçada restrição ao crédito, que se dá de modo indireto, por meio dos juros reais mais altos do mundo, resultantes da equação “Selic+spreads bancários—inflação”. Como se observa, temos aqui uma questão complexa. As autoridades econômicas e monetárias, obviamente, sabem de tudo isso, mas seguem baixando a Selic, numa clara dicotomia entre a taxa básica oficial e os juros reais praticados pelo mercado. O principal objetivo contido nessa nova tendência de redução da Selic não é outro que não o de atenuar as despesas relativas ao serviço da dívida pública. O seu peso para os cofres públicos será menor quanto mais baixos forem os juros.|

Essa queda, no entanto, reduz a rentabilidade dos papéis públicos, diminuindo o interesse que despertam nosgrandes investidores (dealers). O governo, então, passa a estimular sua colocação em um mercado mais amplo, que é o publico em geral: em dezembro último, baixou de cem para trinta reais o teto para a compra direta dos títulos públicos por parte dos investidores e de quem tem algum dinheiro para aplicar.

Não se trata aqui, é claro, de defender a manutenção de juros elevados, que não estimulam a economia. Trata-se, sim, de demonstrar com clareza e transparência que algumas manobras artificiais para conter a inflação têm limites para serem colocadas em prática. O governo dispõe de mecanismos monetários e fiscais muito mais eficientes, mas está mantendo uma postura muito tênue.

O Brasil tem uma grande oportunidade histórica de solucionar de mododefinitivo algumas antigas questões estruturais que sempre atrapalharam os setores produtivos e mitigaram o crescimento do PIB. Vivemos um momento favorável em nossa economia, propiciado em grande parte pelo acerto da política econômica na adoção de medidas anticíclicas. Fomos o primeiro país a nos recuperar das crises em 2008 e 2009 e continuamos com o mercado dinâmico neste momento de retração na Europa.

Uma prioridade absoluta a ser atendida nessa conjuntura favorável é a reforma tributária, incluindo a desoneração dos investimentos. Menores impostos sobre operações de financiamento às empresas e crédito ao consumidor seriam indutores naturais da queda dos juros reais. Outra medida premente, que não pode mais ser adiada, é o equilíbrio fiscal, com a efetiva redução dos gastos públicos (não como tem sido feito, com o anúncio de cortes em despesas futuras superestimadas, mas sim gerenciando com mais critério a aplicação do dinheiro e a execução orçamentária).

Com tais providências, o governo poderia conciliar de maneira muito melhor o bem-vindo crescimento do PIB, que todos queremos, e o controle inflacionário, sem a necessidade de recorrer ao ilusionismo dos índices.

*Ivo Barbiero, economista, é presidente da proScore, Bureau de Informação e Análise de Crédito.



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.