Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mandatos para ministros do STF e despolitização do tribunal

Mandatos para ministros do STF e despolitização do tribunal

10/10/2023 Julio César Cardoso

Com a justificativa de que mandatos no STF fará ministros se sentirem pessoas ‘normais’, a proposta do senador Plínio Valério (PSDB-AM) de limitar a oito anos o mandato dos ministros da Suprema Corte, gerou contestação, nas redes sociais, do decano do tribunal, ministro Gilmar Medes.

“É comovente ver o esforço retórico feito para justificar a empreitada. Sonham com as Cortes Constitucionais da Europa (contexto parlamentarista), entretanto o mais provável é que acordem com mais uma agência reguladora desvirtuada. Talvez seja esse o objetivo", afirmou o ministro.

O fato tomou corpo, após declaração do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG): “Seria bom para o Poder Judiciário, para a Suprema Corte do nosso país, para a sociedade brasileira, termos uma limitação ao mandato de ministros do Supremo”.

A discussão vem no momento em que o STF é criticado por agentes políticos, por exemplo, por derrubar a tese do marco temporal, impedir a descriminalização de drogas, etc.

A proposta de estabelecer um mandato para os membros STF é razoável, mas não resolve a discussão sobre a contestada indicação política dos ministros da Corte pelo presidente da República.

O Poder Judiciário tem que ter a sua total independência do Poder Legislativo. Assim como os demais poderes do Estado, o Judiciário possui autonomia administrativa e financeira definida pela Carta Magna.

Tal autonomia figura como fator de garantia da independência e imparcialidade de juízes, desembargadores e ministros em seus julgamentos.

Donde se conclui que um ministro da Corte não poderia ser de indicação política, para resguardar a sua credibilidade perante a sociedade.

A despolitização do STF é uma necessidade moral e inadiável para que o órgão atue com absoluta independência e imparcialidade. Os seus ministros não precisavam ser sabatinados pelo Senado.

Todas as vagas dos tribunais superiores, principalmente do STF, deveriam ser preenchidas apenas por indivíduos pertencentes ao quadro de carreira da magistratura, sem indicação do presidente da República.

Os ministros dos tribunais superiores deveriam ter mandatos fixos de oito, dez ou quinze anos e não poderiam ser reconduzidos ao cargo.  

Merece atenção a proposta do senador Flávio Arns (PSB-PR), exposta na PEC 51/2023, para aumentar de 35 para 50 anos a idade mínima   para ocupar uma cadeira na Corte.

É bastante razoável a ideia, pois aos 50 anos pressupõe-se que o indivíduo esteja mais bem preparado para desempenhar tão complexa e desafiadora missão. 

Dessa forma, caberia ao Quadro de Juízes (juízes de carreira) indicar, sem interferência política, os membros da Suprema Corte. E ponto final à interferência política no STF.

* Júlio César Cardoso é servidor federal aposentado.

Para mais informações sobre mandato clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder