Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

02/03/2024 Bady Curi Neto

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

A manifestação popular, na qual os concidadãos comparecem espontaneamente para defenderem uma causa, fazerem reivindicações políticas, protestarem contra as medidas econômicas, entre outros pleitos e/ou reclamações lícitas.

O direito de manifestação, não por acaso, é protegido em nossa Constituição Federal que, em seu artigo 5º, declara “todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independente de autorização”.

Por óbvio, por ter sido um evento no qual se esperava centenas e centenas de pessoas, como de fato ocorreu, houve o correto aviso prévio às autoridades para fins de segurança e de organização.

Nessa última ocasião, inexistiu excessos, como o ocorrido no fatídico dia 08 de janeiro, marcado pela invasão perpetrada por vândalos nas sedes dos Três Poderes da República, promovendo uma barbárie e destruição de bens públicos.

Digo vândalos, destruidores, malfeitores, entre outros adjetivos tipificados em nosso ordenamento jurídico penal, porque, apesar do absurdo, juridicamente faço coro ao entendimento do Ministro André Mendonça, que desconsiderou o crime de golpe de Estado, ao afirmar;

“É importante lembrar que o seguinte: um golpe de Estado demanda atos não só de retirar o poder, como instituir um novo poder. É uma série de planejamento e condutas que não vi nos manifestantes. A perspectiva da atuação deles era criar uma situação de instabilidade institucional, mas qualquer golpe de estado dependeria de uma ação de outras forças, basicamente dos militares”...

Nesse mesmo sentido, são as palavras do Professor, Jurista e Advogado Ives Gandra da Silva Martins: “E o grupo que estava lá não tinha nenhuma arma. É possível derrubar um governo eleito pelo povo sem armas? Evidente que não era golpe de Estado. Foi um grupo que foi fazer um protesto político e, depois, transformou aquilo numa baderna. Eles deveriam ter a mesma punição que tiveram aqueles baderneiros do PT e do MST, que invadiram o Congresso Nacional, na época em que era presidente da República o presidente Michel Temer, e foram tratados como baderneiros. Mas nunca foram tratados como golpistas”.

Ultrapassado a triste lembrança daquele janeiro, neste domingo (25/02), a manifestação convocada pelo ex-presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, transcorrera de forma ordeira, com a avenida Paulista e adjacências coloridas com manifestantes vestindo as cores verde e amarelo, empunhando vários deles a Bandeira do Brasil, como se espera de uma manifestação livre, democrática e, por que não dizer, patriótica.

As pessoas, as famílias e os cidadãos que ali compareceram se apresentaram de cara limpa, sem máscaras, sem algazarras, em um propósito comum, seja de apoio ao ex-presidente da República ou uma demonstração de que a direita no Brasil está solidificada.

Várias autoridades, Deputados, Senadores, Governadores, inclusive o próprio Governador do Estado de São Paulo, compareceram ao evento ordeiro e democrático, engrandecendo, ainda mais, a manifestação.

Os discursos proferidos foram de bom tom, alguns um pouco mais ácidos outros pacificadores, mas todos respeitosos às instituições brasileiras.

O que não se pode admitir é uma tentativa de barrar manifestações, como feito pela Gleisi Hoffmann e seu partido, as escusas que são antidemocráticas e/ou golpistas.

Que as manifestações vindouras, de direita ou esquerda, sigam o exemplo desta última, disciplinada, pacífica e ordeira.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre manifestação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A medicina é para os humanos

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Autor: Felipe Villaça


Dia de Ogum, sincretismo religioso e a resistência da umbanda no Brasil

Os Orixás ocupam um lugar central na espiritualidade umbandista, reverenciados e cultuados de forma a manter viva a conexão com as divindades africanas, além de representar forças da natureza e aspectos da vida humana.

Autor: Marlidia Teixeira e Alan Kardec Marques


O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado