Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Manifestações do TDAH

Manifestações do TDAH

22/09/2021 Andréa Ladislau

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.

A nova série sobre saúde mental do programa de domingo, Fantástico da Rede Globo de televisão, destaca as manifestações do TDAH.

A necessidade de fazer tudo ao mesmo tempo, agora. Um transtorno que causa diversas reações incômodas e características que atingem inúmeras pessoas ao redor do mundo.

Mas, engana-se quem pensa que a TDAH - Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, atinge apenas crianças.

Na realidade, as manifestações começam na infância, mas se não forem identificadas e tratadas podem transportar este tipo de patologia para a vida adulta do ser humano.

É o que mostram alguns estudos sobre o tema: em torno de 60% das crianças com TDAH ingressam na fase adulta apresentando alguns sintomas do distúrbio.

E o que é esse transtorno? Como podemos identificar a presença dos sintomas em adultos? E o que pode ser feito para controlar a presença do TDAH?

O TDAH é um tipo de transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e, frequentemente, acompanha o indivíduo por toda sua vida.

Para fechar o diagnóstico de TDAH em adultos, é necessário avaliar a presença do transtorno na infância do sujeito e classificar os sintomas apresentados.

Portanto, não são só as crianças que podem ser diagnosticadas com o transtorno, os adultos também sofrem desta patologia. No entanto, a identificação não é tão fácil, pois os sintomas se confundem com outros diagnósticos.

Mas ganham destaque situações marcadas pela desatenção, inquietude e impulsividade. Fatores determinantes para o fechamento do diagnóstico.

E como se dá a manifestação do distúrbio em um adulto? Normalmente, o adulto com TDAH costuma ter dificuldade de organizar e planejar suas atividades do dia a dia, além de sofrer muitos impeditivos subjetivos para concluir o que começa, encerrar com êxito suas ações.

É normal que este adulto deixe trabalhos pela metade, interrompa no meio o que está fazendo e comece outra coisa, só voltando ao trabalho anterior bem mais tarde do que o pretendido ou então se esquecendo dele.

Ou seja, não existe finalização para o que se inicia. Atitudes típicas de quem sofre com a evidência deste problema, tão comum hoje em tempos corridos e urgentes.

É muito importante estar atento aos sinais para conseguir classificar corretamente o transtorno e tomar as medidas adequadas para garantir o sucesso na busca do equilíbrio da mente e do corpo, reduzindo assim, a manifestação tão dolorosa desse distúrbio.

Os principais sinais de que um adulto possa estar vivendo uma atmosfera tocada pelo TDAH são: Instabilidade profissional; rendimento abaixo da capacidade intelectual; falta de foco e atenção; dificuldade de seguir rotinas; desorganização; dificuldade de planejamento e execução das tarefas propostas; procrastinação; ansiedade diante das tarefas não estimulantes; dificuldades nos relacionamentos; relacionamentos instáveis; frequente alteração de humor; frequentes esquecimentos com perdas e descuidos para datas e reuniões importantes; dificuldades para expressar suas ideias e colocar em prática o que está pensando; dificuldade para escutar e esperar a sua vez de falar – fala muito e ouve pouco; frequente busca por novas coisas que o estimulem – não estão satisfeito com nada; intolerância a situações monótonas e repetitivas.

Um adulto diagnosticado com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, em muitos casos, pode demonstrar muita irritabilidade e insatisfação constante, pois está sempre muito agitado e descontente com tudo.

Ou seja, nada agrada, vive uma insatisfação generalizada e contínua. A maior dificuldade é entender os seus próprios desejos, expressa-los e nomear sentimentos e emoções.

Além disso, esse indivíduo sofre com alguns efeitos colaterais importantes para a identificação do problema, como: Insônia severa; gastrites intensas; nervosismo frequente; diminuição do apetite e cefaleias constantes e cada vez mais fortes.

O desequilíbrio físico e mental provocado pelo TDAH pode ser controlado e monitorado através da terapia. Com a ajuda de um profissional de saúde mental adequado, o trabalho da psicoterapia consiste em construir nesse adulto uma relação mais saudável e equilibrada na execução das atividades, assim como uma melhor compreensão de suas emoções e a redução das cobranças inconscientes.

A melhor maneira de controle do transtorno é provocando a presença fiel da tolerância à frustração. Isso fará com que sejam minimizados os efeitos nocivos da ansiedade, auxiliando o autocontrole físico e emocional de quem sofre com essa patologia.

Porém, além de todo esse trabalho psicoterápico, essencial para o equilíbrio mental do indivíduo, não podemos deixar de destacar outras ações que podem auxiliar no controle deste processo, objetivando a eliminação da sensação angustiante provocada pelo TDAH.

São dicas que podem ser seguidas por qualquer um, por exemplo: aprenda a criar horários regulares de produtividade, de refeições, de atividades físicas e de descanso; organize cronogramas em relação às suas obrigações, projetos e lazer; crie o hábito em ter uma agenda onde você anote, antecipadamente, os compromissos do dia seguinte e verifique tudo pela manhã antes de iniciar seu dia – isso ajudará a se sentir produtivo e organizado; tenha sempre à mão algo para fazer lembretes ou anotações; realize atividades físicas que ajudem na desaceleração do corpo e da mente e desenvolva atividades e rotinas que auxiliem na reeducação da respiração.

Diante de todo o exposto, concluímos que a presença do TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade na fase adulta é muito séria e pode trazer sérios danos à saúde mental, assim como suscitar prejuízos na construção da personalidade do ser humano.

Tudo isso porque, além de todos os estragos aqui apresentados, o distúrbio gera instabilidade profissional, desorganização, rendimentos abaixo da capacidade intelectual do afetado, dificuldade nos relacionamentos e agravamento dos casos de ansiedade, depressão, alterações de humor e bipolaridades. Enfim, com a saúde não se brinca.

Ao menor sinal de que uma criança possa estar sofrendo deste transtorno, busque ajuda profissional e controle a ação da patologia, para que não aconteça o transporte do TDAH para a vida adulta desta criança.

Se tratado no tempo correto, o distúrbio pode ser eliminado e os prejuízos amenizados, favorecendo o equilíbrio mental e físico através do tratamento correto.

No entanto, se o adulto já tem o diagnóstico definido de TDAH o mais indicado é buscar a terapia para que a autonomia sobre suas ações seja promovida, assim como a desaceleração da mente, contribuindo para uma vida cotidiana mais saudável.

* Andréa Ladislau é doutora em psicanálise, psicopedagoga, palestrante, administradora, membro da Academia Fluminense de Letras.

Para mais informações sobre TDAH clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Lilian Christine



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli