Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Manifestações ou campo de guerra?

Manifestações ou campo de guerra?

29/05/2017 Bady Curi Neto

Os movimentos populares podem ser avaliados como o maior espetáculo da democracia.

Nos últimos anos a população entendeu a força das manifestações populares e sua consequente repercussão no Congresso Nacional e no Poder Executivo. Percebeu-se que, com a união de pessoas, as reivindicações do povo ecoam nos ouvidos de nossos representantes legislativos, que tendem a uma resposta efetiva ao desejo da nação.

Para tanto, elas têm que ser ordeiras, realizadas por pessoas de cara limpa e sem atrapalhar o direito de ir e vir dos cidadãos, com respeito ao patrimônio público e privado. Os movimentos populares, depois das eleições, podem ser avaliados como o maior espetáculo da democracia, onde pessoas exercem a cidadania para reclamar ou reivindicar algo que deseja serem atendidas pelo legislativo e o executivo.

É a verdadeira força dos representados para serem atendidos por seus representantes no Congresso Nacional. Tivemos um exemplo desta força quando a população saiu à rua livremente, em um domingo, por, praticamente, todas as cidades do país, num sustentáculo à Operação Lava-Jato, contra a corrupção, e apoiando o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que acabara vindo a ocorrer.

A data de 15 de março de 2015 ficou registrada na história do Brasil, pois as manifestações, apesar de reunir mais de um milhão de pessoas, teve um perfil pacífico, sem ocorrências de quaisquer confrontos mais sérios e sem destruição de patrimônio público ou privado.

Nestas manifestações reuniram-se pessoas de todas as classes sociais, democraticamente, com a presença de seus familiares, e as cores que se viam era a verde e amarela, sem apoio político/partidário.

Agora, depois que a situação tornou oposição com a queda, por meio de um processo constitucional – Impeachment, do governo de Dilma Rousseff, temos assistido uma verdadeira baderna, com manifestações convocadas e patrocinadas pelas centrais sindicais, onde existe um enfrentamento à ordem Policial, quebradeira e invasões a bens públicos e particulares, em atos que podem ser denominados de Terrorismo.

O que ocorreu em Brasília, nem de longe pode ser chamado de manifestação, foi um verdadeiro campo de batalha, com a presença de bombas, barricadas, mais parecendo cenas de guerra, onde pessoas tampavam seus rostos para não serem identificadas, confrontando a polícia, chegando a incendiar o prédio do Ministério da Agricultura, destruindo outros tantos bens públicos.

A situação foi de tamanha gravidade e descontrole que não restou outra alternativa ao Presidente da República a decretar “ação de garantia da lei e da ordem” que prevê o uso das Forças Armadas para garantir a segurança das pessoas, funcionários que trabalhavam na Esplanada e a proteção dos bens públicos.

O ato do Presidente da República, em garantir a ordem, está sendo questionado, por meio de ação mandamental, no STF pelo Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) ao argumento que o Exército só poderia ser convocado após constatado que os meios normais para a manutenção da lei seriam insuficientes operacionalmente.

Restam as perguntas: A destruição de vários Ministérios, o incêndio do Ministério da Agricultura, as cenas de guerra já não são provas da insuficiência operacional? O que pretende a oposição, o exercício do quanto pior melhor? Com as respostas os leitores.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.