Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Marcas que ouvem – e sentem

Marcas que ouvem – e sentem

10/03/2021 Juliana Scardua

O que a sua marca está disposta a ouvir? A sua marca pratica escuta plena, ativa e atenta? A sua marca sente – ou é imune?

Ao instigar essas perguntas, antes mesmo de respondê-las, é preciso lembrar de uma premissa comunicacional básica: comunicação não é só o que se diz. É o que se escuta.

Há um limiar tênue entre a intenção na concepção da mensagem e, de fato, como ela é percebida pelo receptor-destinatário-cliente-par dessa comunicação.

Marcas se relacionam de diferentes formas com seus stakeholders, os seus públicos de interesse. Press releases, campanhas publicitárias, posts, comunicados, logotipos, papelaria, assinaturas sonoras.

Tudo, absolutamente tudo, no conjunto da obra ou individualmente, emana a comunicação que determinada organização quer estabelecer com o mercado.

As impressões 'devolvidas' no processo comunicacional nesse ecossistema da marca são preciosas. Percebê-las rapidamente e internalizá-las, essencial. Aproveitá-las, inteligente.

Apontada em 2019 pelo ranking BrandZ da Kantar como a marca mais valiosa do mundo, com o impactante valuation de R$ 1,2 trilhão, a Amazon retocou um de seus logotipos após a arte remeter a Hitler no imaginário de internautas.

O novo ícone do aplicativo despontava em janeiro com uma fita adesiva azul na parte de cima (a ideia, segundo os idealizadores, era a do lacre nas encomendas).

Mas para alguns, aquilo se assemelhou ao icônico bigodinho do ditador cruel. E a solução foi repaginar o design. A ressignificação do barba, cabelo e bigode no universo da publicidade.

Voltamos à pergunta-convite: O que sua marca está disposta a ouvir e sentir? Seja você empresa, ente público, comerciante, personalidade política, já refletiu se está verdadeiramente captando, ouvindo e compreendendo o que o cidadão-stakeholder tem a dizer sobre você?

A tarefa certamente não é simples ou simplória e demanda investimentos em técnicas e ferramentas, entre elas, serviços de monitoramento da reputação da marca e aplicação de pesquisas de opinião regularmente.

O muitas vezes hostil universo da internet é um desafio à parte dado seu gigantismo e milhões de “sóis” a disparar opiniões numa incontrolável profusão de perfis e plataformas de mensageria.

A cada minuto, estima-se 42 milhões de mensagens são trocadas pelos usuários do aplicativo WhatsApp no mundo (! – dados de 2020).

No Youtube, um volume de 500 horas de vídeos produzidos pelas mais diversas matizes de produtores de conteúdos sobe na plataforma a cada hora de relógio. Gigantesco, né?

A sua marca flutua nesse multiverso. As órbitas e movimentos, é você quem ajudará a traçar, com monitoramento, criatividade, sagacidade e empatia.

OBS: Mencionamos aqui o conceito de cidadão-stakeholder, tema para um artigo próximo.

* Juliana Scardua é comunicadora e sócia-fundadora da Íntegra Comunicação Estratégica, especialista em Marketing e Compliance.

Para mais informações sobre marcas clique aqui…

Fonte: Íntegra Comunicação Estratégica



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?