Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Medidas simples melhoram a imagem da empresa

Medidas simples melhoram a imagem da empresa

15/03/2012 Cláudio Nasajon

Você sabia que o espaço físico que o seu funcionário ocupa na empresa influencia diretamente na produtividade dele?

Estou me referindo à mesa, à cadeira, ao computador, ao espaço... Sabe aquele papo de que nós passamos a maior parte do dia no trabalho? Pois é, aquele ambiente precisa ser aconchegante e familiar. Mesas pequenas demais, cadeiras desconfortáveis, salas muito quentes ou muito geladas certamente influenciam no desempenho do funcionário. Ele precisa se sentir quase em casa quando chega naquele espaço, para produzir mais e contribuir para um bom ambiente de trabalho.

Eu estive na sede da Google, na Califórnia, e voltei absolutamente embasbacado com o que vi. As pessoas simplesmente não querem sair da empresa porque é muito legal ficar lá. E na sua empresa? Como é o espaço de trabalho? Além de conforto neste ambiente onde passamos quase todo o dia, outras medidas simples podem ajudar na imagem positiva da empresa. Você sabia que colaboradores e familiares também são propagadores da sua marca?

É, provavelmente você deve saber, mas então lá vem a segunda pergunta: o que você está fazendo em relação a isso? Pequenos cuidados no dia a dia, como um agrado para os aniversariantes, uma surpresa para quem comemora muito tempo de empresa ou para quem volta de férias são pequenas ações que permitem que seus funcionários se sintam especiais e comentem essa sensação com os familiares. Outra ação interessante é distribuir para eles alguns dos brindes que são entregues em eventos.

Seus funcionários ficarão felizes e valorizarão esse gesto mais do que qualquer outra pessoa. É importante dedicar uma atenção para este público; afinal de contas, ninguém com mais credibilidade perante o cliente do que o próprio funcionário na hora de dar uma opinião sobre a empresa, não é?

* Claudio Nasajon é Presidente da Nasajon Sistemas - destaque entre as melhores empresas para se trabalhar pelas revistas Computerworld, Época, Guia Exame/Você S/A e ABRH-RJ; Presidente do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Associação Comercial do Rio de Janeiro e Professor de Planejamento de Negócios na PUC-Rio.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.