Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mensaleiros, o gigante acordou!

Mensaleiros, o gigante acordou!

05/07/2013 Dirceu Cardoso Gonçalves

Quando investe todas suas forças na reforma política, com plebiscito ou referendo, o Governo, o Congresso Nacional e os partidos políticos parece não terem compreendido - ou não querer compreender - a mensagem do povo nas ruas.

A pesquisa do Datafolha revela que 74% dos brasileiros querem a prisão imediata dos condenados do mensalão. Mas ninguém dos palácios de Brasília ou dos partidos políticos, alvos da revolta popular, se movimenta nesse sentido. Para as lideranças políticas e governamentais, parece até nem existirem aqueles 25 senhores e senhoras condenados, por corrupção, pelo Supremo Tribunal Federal.

Se de fato estão ouvindo o clamor popular, os governantes, congressistas, lideranças e os partidos deveriam se empenhar primeiro na exemplar punição aos mensaleiros. Mesmo com a tramitação dos derradeiros recursos no STF, os condenados com mandato já deveriam ter sido cassados e os filiados aos partidos expulsos das agremiações. Ao inexplicavelmente mantê-los em suas fileiras, o parlamento e os partidos mostram suas caras, nivelando por baixo e expondo todos os seus membros - inclusive os sérios e respeitados - à incômoda nódoa que envolve os errantes.

Em vez do sepulcral silêncio e da vã justificativa dos recursos pendentes, os detentores do poder deveriam envidar todos os seus esforços para mudar as leis permissivas e protelatórias que hoje sofrem a maciça reprova nacional e, ninguém pode negar, foram todas geradas pelos seus antecessores tanto do Executivo quando do Legislativo. A instituição que fez as leis pode mudá-las, desde que essa seja a vontade de seus membros. As manifestações têm, até agora, carregado o rótulo pacífico, apesar dos incidentes atribuídos a baderneiros e a infiltrados que a soldo ou interesse diverso, tentam enfraquecer o vigor das reivindicações.

Mas, se o povo chegar à conclusão de que está mais uma vez sendo enganado (e parece que está!), tudo pode mudar, e a paz se transformar em indignação. A partir daí, viveremos o imprevisível. Para evitar o aumento da pressão popular, em vez de priorizar a reforma política e suas nuances, Governo, Congresso e partidos têm de agir mais concretamente no interesse do povo. Encarar sem temor nem complacência a questão dos mensaleiros. A Câmara, assumindo publicamente o ônus cassar ou não cassar os mandatos dos condenados e vindo a público para explicar porque cassou ou não cassou.

Igualmente os partidos, têm o dever de decidir sobre a situação de cada um de seus condenados e, por respeito à sociedade, também revelar detalhadamente a sua decisão. Se não o fizerem, logo teremos nas ruas o pedido dos jovens, estudantes, trabalhadores e movimentos da sociedade, pela prisão dos mensaleiros condenados como bandeira principal das manifestações que, cada dia mais ruidosas, marcharão rumo aos prédios do Governo, Congresso Nacional, Assembleias Legislativas, Câmaras Municipais, às sedes dos partidos nos estados e municípios e até à casa dos dirigentes partidários que, principalmente nas pequenas cidades, também é a sede do partido.

O povo já demonstrou a força do seu poder de mobilização. Em vez de casuística perfumaria política, se quiserem sobreviver, as elites têm de ouvir verdadeiramente seu clamor e, na medida do possível, resolver os seus problemas. Se continuar enrolando, vai terminar mal, pois o gigante acordou!

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre