Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mídias digitais oferecem anúncios mais inteligentes

Mídias digitais oferecem anúncios mais inteligentes

23/07/2015 Mário Almeida

Saber ao certo se as campanhas de marketing estão impactando o público correto e se isso está trazendo resultados para a marca ou empresa é um grande desafio para profissionais de comunicação e anunciantes.

Com a mídia off-line, em partes, isso pode se tornar possível. Mas, os mecanismos são complexos e caros, o que muitas vezes se tornam inviáveis e desestimulantes.

Agora, imagine esse cenário: você lança uma campanha em outdoors, entretanto, apenas as pessoas que apresentam o mesmo perfil demográfico e psicográfico de seus clientes dos últimos seis meses serão impactadas por essa propaganda.

E o melhor, você pagará apenas pelas pessoas atingidas e não por toda a massa. Se pensarmos nos anúncios impressos, comerciais televisivos e outdoors, isso ainda é utopia, mas para a mídia digital já é realidade.

Assim, as mensagens podem ser mais personalizadas e, claro, tudo mensurado diariamente. Confira algumas possibilidades de segmentação:

- Por listas de e-mails: Facebook e Twitter conseguem propagar os anúncios apenas para as pessoas com os endereços eletrônicos pré-determinados e que possuem perfil em suas redes. Essa seleção pode ser feita a partir de diferentes objetivos, como os clientes que mais compraram um determinado produto e/ou serviço; os que consomem apenas nos períodos de liquidação; leads que mais converteram em uma base de inbound marketing (marketing de atração), entre outras estratégias;

- Por públicos semelhantes: por meio de uma lista de e-mails de clientes ou pixels de conversão em uma página do site da empresa, o Facebook identifica consumidores com perfil semelhante ao desses atuais compradores, ou seja, os anúncios serão veiculados para um novo público, mas que sejam da mesma região ou que tenham interesses, hobbies, comportamentos e hábitos semelhantes. Isso é conhecido como “Lookalike”;

- Por audiência televisiva: o Twitter traz uma possibilidade muito interessante para os anunciantes desse tipo de mídia. É possível propagar os anúncios para os telespectadores de um determinado programa e/ou emissora, fortalecendo a experiência entre TV e outros dispositivos, o que possibilita estratégias mais precisas de crossmedia ou transmídia. Assim, enquanto assistem ao comercial as pessoas poderão ser impactadas no Twitter por uma propaganda que convida a acessar um site ou estimula o download de um aplicativo, por exemplo;

- Por visitantes ao site: também conhecida como remarketing, essa estratégia de segmentação possibilita a propagação de anúncios apenas para aqueles que acessaram o site da empresa. Assim, ao navegar pela página de um produto, por exemplo, uma pessoa poderá ser impactada pela propaganda dele em outra mídia social. Google Adwords e Facebook Ads possibilitam esse tipo de segmentação.

A mídia off-line ainda traz resultados expressivos para determinadas marcas, entretanto, a digital tem evoluído rapidamente em formatos, segmentações e formas de veiculação cada vez mais inteligentes. Assim, estar antenado com essas novidades possibilita gerar conexões verdadeiras entre pessoas e marcas por meio de experiências personalizadas, alcançando também resultados ainda mais eficientes.

* Mário Almeida é diretor da S4W Marketing Digital, agência de marketing e branding, sediada em Cornélio Procópio/PR, com atuação na região e em praças como Londrina e São Paulo.



O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann