Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mídias digitais oferecem anúncios mais inteligentes

Mídias digitais oferecem anúncios mais inteligentes

23/07/2015 Mário Almeida

Saber ao certo se as campanhas de marketing estão impactando o público correto e se isso está trazendo resultados para a marca ou empresa é um grande desafio para profissionais de comunicação e anunciantes.

Com a mídia off-line, em partes, isso pode se tornar possível. Mas, os mecanismos são complexos e caros, o que muitas vezes se tornam inviáveis e desestimulantes.

Agora, imagine esse cenário: você lança uma campanha em outdoors, entretanto, apenas as pessoas que apresentam o mesmo perfil demográfico e psicográfico de seus clientes dos últimos seis meses serão impactadas por essa propaganda.

E o melhor, você pagará apenas pelas pessoas atingidas e não por toda a massa. Se pensarmos nos anúncios impressos, comerciais televisivos e outdoors, isso ainda é utopia, mas para a mídia digital já é realidade.

Assim, as mensagens podem ser mais personalizadas e, claro, tudo mensurado diariamente. Confira algumas possibilidades de segmentação:

- Por listas de e-mails: Facebook e Twitter conseguem propagar os anúncios apenas para as pessoas com os endereços eletrônicos pré-determinados e que possuem perfil em suas redes. Essa seleção pode ser feita a partir de diferentes objetivos, como os clientes que mais compraram um determinado produto e/ou serviço; os que consomem apenas nos períodos de liquidação; leads que mais converteram em uma base de inbound marketing (marketing de atração), entre outras estratégias;

- Por públicos semelhantes: por meio de uma lista de e-mails de clientes ou pixels de conversão em uma página do site da empresa, o Facebook identifica consumidores com perfil semelhante ao desses atuais compradores, ou seja, os anúncios serão veiculados para um novo público, mas que sejam da mesma região ou que tenham interesses, hobbies, comportamentos e hábitos semelhantes. Isso é conhecido como “Lookalike”;

- Por audiência televisiva: o Twitter traz uma possibilidade muito interessante para os anunciantes desse tipo de mídia. É possível propagar os anúncios para os telespectadores de um determinado programa e/ou emissora, fortalecendo a experiência entre TV e outros dispositivos, o que possibilita estratégias mais precisas de crossmedia ou transmídia. Assim, enquanto assistem ao comercial as pessoas poderão ser impactadas no Twitter por uma propaganda que convida a acessar um site ou estimula o download de um aplicativo, por exemplo;

- Por visitantes ao site: também conhecida como remarketing, essa estratégia de segmentação possibilita a propagação de anúncios apenas para aqueles que acessaram o site da empresa. Assim, ao navegar pela página de um produto, por exemplo, uma pessoa poderá ser impactada pela propaganda dele em outra mídia social. Google Adwords e Facebook Ads possibilitam esse tipo de segmentação.

A mídia off-line ainda traz resultados expressivos para determinadas marcas, entretanto, a digital tem evoluído rapidamente em formatos, segmentações e formas de veiculação cada vez mais inteligentes. Assim, estar antenado com essas novidades possibilita gerar conexões verdadeiras entre pessoas e marcas por meio de experiências personalizadas, alcançando também resultados ainda mais eficientes.

* Mário Almeida é diretor da S4W Marketing Digital, agência de marketing e branding, sediada em Cornélio Procópio/PR, com atuação na região e em praças como Londrina e São Paulo.



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.