Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mitologia social

Mitologia social

19/03/2021 Humberto Pinho da Silva

Contava meu pai, que certa ocasião, estando no escritório, recebeu a visita de amigo e sua filha.

Ao deparar sobre mesinha, de pé de galo, livro de versos de Camões, abriu-o, e começou a declamar com ênfase, fazendo profunda pausa no fim de cada verso.

Nisto entra a filha eufórica, e ao ouvir certa expressão, que lhe pareceu ridícula, Desatou a gargalhar. Furioso, o pai, por ser interrompido, berra-lhe:

- “De que te ris, estúpida. Isto é Camões!”

Perante a revelação, o riso desapareceu, e numa atitude de respeito profundo, exprimiu um “Ah!” reverente e convicto. Como o nosso velho Raposão, perante o douto Topsius, não compreendeu, mas venerou. E concluía meu pai: que se admira, não o autor, mas o mito.

A grande Amália Rodrigues, dizia, muitas vezes, ao ler os versos que o empresário lhe entregava: - “Ficava encantada com a letra, e pedia-lhe, o favor, de apresentar-me o poeta.”

Uma vez, frente a frente, Amália tinha grande desilusão. Era feio, tímido, sem dotes físicos, que o favorecesse e ainda insípido conversador. O poeta, para ela, de excepcional, passava a homem vulgar.

O mesmo aconteceu à menina Clarissa, de Erico Veríssimo, ao conhecer o seu poeta preferido, Antilóquio Madrigal…

É por esse “fenómeno” que muitos intelectuais se resguardam no interior dos seus escritórios e raras vezes surgem em publico.

Recomendava S. Tomás o pouco convívio, pois a familiaridade demasiada gera o desprezo. Por vezes nem é preciso familiaridade: basta ver o ídolo…

Mal vai o professor, quando não é um mito para seus alunos; o escritor, para seus leitores; o artista, para seus admiradores. Admira-se o mito.

Certa vez gabava a José Régio a celebridade, a fama que alcançara, ao que este respondeu, que para quem com ele trabalhava, era apenas “o senhor doutor.”

Certos médicos, certos escritores, certos artistas plásticos, são apreciados porque ao redor deles criou-se áurea de glória, muitas vezes mantida pela publicidade e correligionários.

Certas obras admiradas, de artistas plásticos, não merecem um chavo; mas são vendidas por milhões, devido à assinatura, ao mito, que se criou.

Muitos adquirem livros, não porque sejam valiosos, sob aspecto literário ou conteúdo, mas apenas porque a critica o acarinhou (quantas vezes paga pelo editor,) assegurando que é bom; que vale a pena ser lido.

Entretanto, há monos, esquecidos nas prateleiras do livreiro, que ninguém lê, e são preciosos: no estilo e nos pareceres revelados.

A velha história do rei vai nu, repete-se todos os dias… até na politica… Todavia a sociedade necessita dessa dose de mitologia, para o vulgo acreditar, e não veja o que vê, mas o que querem que veja.

Sem o mito, muitos desabavam…porque têm pés e barro…Vive-se de ilusões…De palavras ocas…

* Humberto Pinho da Silva

Para mais informações sobre mito clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.