Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mobilidade urbana: a teoria x a prática

Mobilidade urbana: a teoria x a prática

11/03/2014 Fernando Medeiros

Uma coisa é fato e não há como ignorar. Algo precisa ser feito para tornar o trânsito viável nas grandes cidades brasileiras em termos de mobilidade.

A teoria mais básica diz que se as pessoas trocarem o carro pelo transporte coletivo, o trânsito certamente melhorará e até o transporte público ficará mais eficiente. Ocorre porém, que na maioria das grandes cidades, a infraestrutura não cresceu na mesma proporção que a população e os usuários de transportes públicos e, como consequência, a capacidade instalada desses meios estão operando muito acima dos limites.

Aí vem uma pergunta: como motivar as pessoas a trocarem os carros e todo o seu conforto por um meio de transporte que mal comporta seus usuários atuais? Sem uma estruturação rápida e eficiente dos meios de transportes coletivos, essa troca simplesmente não irá acontecer. A Política Nacional de Mobilidade Urbana, que foi sancionada em janeiro de 2014 caminha exatamente nesta direção. Isto é, dá prioridade aos meios de transportes não motorizados e ao serviço público de transporte coletivo.

Também deixa aberta a possibilidade de cobrança do pedágio urbano, justamente para haver um mecanismo que pressione o usuário de carro a migrar para o transporte coletivo. Na prática: vai ficar mais caro utilizar o carro, o poder público passará a ter uma nova fonte de receita e as pessoas continuarão no conforto dos seus veículos. Como alternativa, a Política Nacional contempla a utilização de veículos não motorizados, entenda-se bicicletas. Na teoria esta alternativa é excelente, pois é politicamente correta e vai ao encontro das demandas ambientais atuais.

No entanto, mais uma vez, a prática se confronta com a teoria. Espero algum dia ver a bicicleta fazendo parte harmonicamente do trânsito das grandes capitais e servindo como uma das alternativas para a mobilidade, porém esta realidade está muito longe da prática. Hoje, o uso de bicicletas como meio de transporte em massa ainda é inviável por questões como distância, geografia e velocidade. Naturalmente não há uma solução simples e pontual. São necessárias várias medidas e o conjunto delas é que nos aproximará de soluções, mas gostaria de propor uma reflexão, e mais uma vez, confrontando a teoria com a prática.

Na teoria, o estímulo do uso de motocicletas não está contemplado como alternativa para a mobilidade urbana por conta dos aspectos negativos lançados sobre a imagem das motocicletas e de seus usuários. Mas, sabemos que na prática a motocicleta é uma das soluções. Um bom exemplo disso é que quando queremos que alguma encomenda chegue rápido ou quente ao nosso destino, chamamos um motoboy.

Falar neste tema sem contemplar o uso da motocicleta como alternativa viável para a mobilidade urbana é tratar o assunto pela metade ou desprezar uma importante alternativa de solução. A motocicleta já é uma realidade imutável, crescente e necessária. A partir do momento que este veículo for considerado como parte da solução e não do problema, os aspectos de risco do seu uso serão tratados com mais seriedade e, certamente, os resultados serão relevantes para a evolução da nossa sociedade.

*Fernando Medeiros é diretor executivo da ASSOHONDA.



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan