Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Modelo confessional pode criar intolerantes religiosos

Modelo confessional pode criar intolerantes religiosos

05/10/2017 Luiz Antonio Namura Poblacion

A fé é individual; é um processo de escolha, não de imposição.

O Supremo Tribunal Federal entendeu que os alunos de escolas públicas podem ter ensino religioso ligado a uma confissão específica – uma decisão que representa um retrocesso e um atentado ao caráter laico do Estado proclamado em todas as Constituições republicanas.

Essa laicidade significa que o Estado deve permanecer neutro frente às igrejas e aos cultos religiosos, de modo a garantir a ampla liberdade de credo de seus cidadãos. Estabelecer que uma confissão possa fazer proselitismo abrirá as portas para a intolerância que discrimina pessoas e professa outros credos ou confissões.

Pela tese vencedora no STF, as escolas devem adotar o modelo “confessional”, ou seja, a escola escolherá uma religião específica e deverá seguir sua perspectiva, princípios e valores. Os professores de ensino religioso serão representantes dessa confissão com liberdade para influenciar os alunos.

É verdade que as aulas serão facultativas, não obrigatórias. Mas esse modelo trará problemas. Imaginemos que uma escola resolva adotar o ensino religioso de uma denominação neopentecostal, por exemplo. O que acontecerá com alunos católicos ou mesmo de outras denominações evangélicas?

Na certa serão discriminados ou sofrerão bullying por parte dos colegas. O mesmo acontecerá se o catolicismo for a religião a ser ensinada. Pelo bem da democracia, ensino e fé não devem se misturar. Durante as quatro sessões plenárias do STF, venceu a tese de que o ensino religioso não fere a laicidade do Estado e de que não se pode atuar contra as religiões na esfera pública.

Mas é justamente a laicidade do Estado que garante a liberdade de escolha de cada cidadão e suas famílias. As escolas públicas falam para todos e não apenas para os filhos de católicos, espíritas ou protestantes. Seria impossível ao governo contratar professores de cada uma das 140 religiões catalogadas no Brasil. E o que dizer sobre os que não professam nenhuma religião?

O ideal, portanto, já que se quer falar de religião para os jovens, seria praticar o pluralismo religioso, mostrando a história, as doutrinas, práticas e dimensões sociais e éticas das diferentes crenças do país, assim como as do ateísmo e do agnosticismo.

Assim, seria desenvolvido nos jovens o respeito e a tolerância por todos os tipos de religião, não discriminando ou excluindo nenhuma delas. A fé é individual; é um processo de escolha, não de imposição.

Não cabe a ninguém querer nos dizer no quê deveremos crer ou não crer. E por favor, não venham impor crenças – sejam elas quais forem – aos nossos jovens. Vamos dar a eles conhecimento amplo, vamos ajudá-los a promover o livre debate de ideias e crenças.

Dessa forma, estaremos promovendo algo comum a várias confissões religiosas – a ética e o respeito ao ser humano –, bem como a tolerância, valor maior de qualquer país que preze a democracia e os direitos humanos.

* Luis Antonio Namura Poblacion é Presidente do grupo Vitae Brasil.



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso