Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

09/07/2020 Herbert Steinberg

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.

São algumas das máximas ditas e repetidas há séculos. Hoje, no entanto, elas são constatações factuais do nosso mundo.

De todas as “certezas” que tínhamos menos de seis meses atrás, a única que se manteve de pé é a da incerteza.

Previsões, estimativas, planos e estratégias, outrora tão sólidos, dissolveram-se no ar à medida que um organismo invisível espalhava-se no mundo, trazendo caos, pânico, sofrimento e, com ela, a incerteza.

O ano de 2020 é um ponto de inflexão na experiência humana, em especial no que diz respeito a suas relações.

A pandemia acabou por “acelerar o futuro”, antecipando e concretizando mudanças que já vinham em curso como o trabalho remoto e a educação à distância, assim como a cobrança para que as empresas se tornassem mais responsáveis do ponto vista social.

Outras mudanças mais subjetivas, no entanto, também se tornaram mais presentes e perceptíveis como a solidariedade, a empatia e o próprio questionamento de que tipo de sociedade queremos viver – aquela baseada no consumismo e no lucro a qualquer custo ou naquela em que valores e as relações sejam mais humanas.

Como Amy Webb, professora da Escola de Negócios da Universidade de Nova York, apontou em entrevista à Newsday, a vida será diferente depois do vírus.

“Temos uma escolha a fazer: queremos confrontar crenças e fazer mudanças significativas para o futuro ou simplesmente preservar o status quo?”, questionou.

Na relação com o meio ambiente, vale notar a melhora percebida na qualidade ar de grandes centros urbanos com a paralisação parcial de fábricas e menos carros trafegando pelas ruas, ainda que longe de ser suficiente para uma alteração positiva significativa.

No entanto, os sinais dos benefícios para que recalculemos a rota ficaram claros. Foi como se o próprio planeta, com a gente em casa, pudesse respirar um pouco.

Por fim, vale analisar como cada um de nós também participará da mudança do ponto vista pessoal. Que tipo de lições podemos tirar do atual contexto para nos tornarmos melhores, não para outra pessoa, mas para nós mesmos?

Com o essencial distanciamento social – autoimposto ou não – de repente nos encontramos sozinhos. Para muitos, você mesmo como companhia é a norma.

O que fazer a partir disso? Ainda assim, fiéis a esse traço tão humano da busca pela previsibilidade, tentamos enxergar o que vem à frente.

Por isso, entre clichês e os novos normais que herdaremos da doença pandêmica que assola o planeta, vale lembrar Darwin, em seu clássico A Origem das Espécies, “não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta”.

Saber adaptar-se, agora, significa fazer parte da mudança imposta a nós, ao mundo. Cuidar mais de si, cultivar a solidariedade ao próximo, alimentar e fortalecer nossas relações, buscar melhores práticas corporativas – ainda que tudo isso em meio ao caos – contribuem para que o “novo normal” seja melhor que o anterior.

Abusando um pouco mais, ouve-se ad infinitum que toda crise é uma oportunidade. Cá está a nossa.

Saber aproveitá-la começa conosco, reflete-se em nossas relações afetivas, amplia-se em nossa sociedade e, por fim, reverbera pelo mundo.

Assim, para encerrar, “seja a mudança que você quer ver no mundo”, cada um de nós poderá imprimir nela sua autoria, se fizermos nossa parte.

* Herbert Steinberg é sócio-fundador e chairman da MESA Corporate Governance.

Fonte: Agência Blue Chip



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros