Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mudanças avassaladoras à vista

Mudanças avassaladoras à vista

08/03/2024 Benedicto Ismael Camargo Dutra

Nas encantadoras praças arborizadas, as pessoas costumavam conversar sobre a vida. No passado, havia o contato face a face, olho no olho, e poucos conflitos que eram resolvidos durante um encontro para um café ou chá.

Depois veio o telefone, permitindo sempre uma boa conversa. Esse panorama mudou. Hoje tudo é frio. A maioria prefere deixar uma mensagem e aguardar a resposta, tudo mecânico, nem parecem seres humanos.

Estamos no mundo das narrativas, algo inventado com base em meias-verdades que voa para todos os lados para desorientar os incautos que ficam sem saber o porquê das manobras.

E o dinheiro? No mercado financeiro, as oportunidades para fazer grandes boladas de ganhos se reduzem, pois há medo e a ousadia é perigosa.

Compram-se moedas na baixa, e depois que estas valorizam, é realizada a venda, além da busca por novas oportunidades para repetir a jogada. São operações que ficaram com ares de cassino, causando prejuízos para a população.

Figuradamente, descuidaram da galinha que está perdendo a capacidade de botar ovos de ouro. Algum dia isso poderia acontecer, mas está acontecendo agora; a economia mundial poderá sofrer o grande impacto decorrente da grande capacidade de produção concentrada em poucas mãos, o que tende a causar desequilíbrio geral. Sem que os homens produzam bens, a pobreza aumenta.

Há um duelo de gigantes. O grupo do dólar tem muitos trunfos e não vai abandonar o que conquistou sem se defender. A China produz de tudo com baixo custo e causa pânico.

Quer ampliar a produção de essenciais aliando preço, juros baixos e sua moeda. Ou seja, a guerra econômica tem nos bastidores o controle do dinheiro mundial e do poder mundial. A humanidade criou a moeda e ela se torna a prioridade, mas o que é o dinheiro?

A população da Terra cresceu de forma suave até o século 19, chegando a dois bilhões de almas encarnadas, mas esse crescimento se acelerou no século seguinte, totalizando seis bilhões no ano 2000.

A população do planeta está em nível jamais alcançado, mas sem qualidade humana. Faltou, da parte dos dirigentes mundiais, um plano que impedisse a deterioração das condições gerais de vida e a perda da dignidade.

Parece que perderam a sensibilidade para o sofrimento dos outros. A bem dizer, quem se importa com isso? A miséria e a pobreza vão se espalhando pelo mundo.

O preço dos alimentos e dos medicamentos segue aumentando nos mercados e nas farmácias. Nos aeroportos, também. O consumo pode cair.

Esperemos que haja mais gente trabalhando e sendo adequadamente remunerada, impedindo o aumento da pobreza pelo mundo.

Sem o aprimoramento da espécie humana e sem o reconhecimento das leis universais da Criação, a decadência será o resultado.

Os homens levaram o planeta aos limites extremos e não encontram soluções, por isso talvez estejam aumentando os rumores de guerra.

No ano de 2024 também haverá eleições na Grande São Paulo e municípios do entorno. Um superaglomerado, um superorçamento e muito dinheiro o que equivale a um grande mercado com mais de 20 milhões de consumidores.

Muito tentador, mas tem faltado gestores voltados para a continuada melhora das condições de vida, sobrando problemas de difícil solução. Falta bom preparo para a vida de grande parte das novas gerações. O que virá agora?

Como pode, uma cidade tão pujante como São Paulo ter sido tão mal gerida por grupos interesseiros que dominam a nação?

Quem serão os novos mandantes, a quem obedecerão, o que farão? No mundo em desequilíbrio, a paz está seriamente sob ameaça.

O ser humano tem provocado muitas reações adversas da natureza, mas conhecer exatamente o que está se passando exige amplo saber do funcionamento das leis naturais da Criação.

Os homens criaram o direito natural restrito e suas próprias leis, esquecendo que a amplitude das leis naturais envolve o funcionamento de todo o universo.

Atualmente há algo diferente, de força avassaladora, atingindo o planeta; algo como uma abrupta mudança cósmica em aproximação causando efeitos incontroláveis e que a humanidade, não sabendo se defender, se torna impotente.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP.

Para mais informações sobre ser humano clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Silvia Giurlani



A medicina é para os humanos

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Autor: Felipe Villaça


Dia de Ogum, sincretismo religioso e a resistência da umbanda no Brasil

Os Orixás ocupam um lugar central na espiritualidade umbandista, reverenciados e cultuados de forma a manter viva a conexão com as divindades africanas, além de representar forças da natureza e aspectos da vida humana.

Autor: Marlidia Teixeira e Alan Kardec Marques


O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado