Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Muita tecnologia, pouca sabedoria

Muita tecnologia, pouca sabedoria

03/04/2020 José Pio Martins

No dia 3 de setembro de 1989, o comandante Cezar Garcez pilotava o Boeing 737-200 da Varig, na rota São Paulo-Belém, com 48 passageiros e seis tripulantes.

Tendo pego a rota contrária, o comandante foi obrigado a fazer pouso forçado na floresta perto de São José do Xingu, Mato Grosso, matando 12 pessoas e ferindo outras 13.

A tragédia só não foi maior devido à habilidade do piloto. A causa do acidente foi um erro banal. Em vez de pegar a rota 270 (norte) rumo a Belém, o piloto seguiu a rota 027 (oeste) em direção à selva. Mas por que o comandante cometeu um erro tão primário?

Segundo as investigações, o piloto e os tripulantes estariam fazendo aquilo que os entusiastas da geração Y dizem ser a marca dos jovens de hoje: fazer várias coisas ao mesmo tempo (por exemplo, assistir a uma aula de Matemática, responder mensagem no celular, navegar no tablet e conversar com o colega ao lado).

O piloto Cezar Garcez e os tripulantes estavam distraídos ouvindo o jogo da seleção brasileira contra o Chile, válido pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 1990, e não prestaram a devida atenção na diferença entre 270 e 027, tomando o rumo da mata.

Virou modismo achar que um jovem é capaz de fazer cinco coisas simultâneas, mantendo o foco, a atenção e a concentração.

Fico imaginando um cirurgião em plena operação de transplante de coração, com celular tocando, tablet aberto e televisão ligada na sala de cirurgia. É óbvio que isso não tem lógica alguma.

Os neurocientistas afirmam que o cérebro humano não mudou nada nos últimos 40 anos para justificar essa conversa de que a geração Y é capaz de fazer cinco coisas ao mesmo tempo, como se o cérebro fosse um para os menores de 30 anos e outro para os maiores dessa idade. É uma falácia.

Além dessa falácia, as engenhocas eletrônicas e as tecnologias modernas vêm sendo tratadas como fins em si mesmas, como se bastasse dominá-las para ser evoluído. Mas a verdade é bem outra.

A alfabetização e a educação fornecem o processo, longo e complexo, para dominar a linguagem, desenvolver o raciocínio, incorporar os conhecimentos da ciência e da moral e aprender as habilidades técnicas.

A tecnologia (na qual estão as máquinas, os aparelhos como o rádio, a televisão, o computador, o telefone, a internet) é útil e necessária (negar isso seria estupidez); mas é um meio, não é um fim em si mesma.

A habilidade com essas tecnologias não substitui a leitura, o estudo intenso e a repetição de exercícios, com foco, atenção e concentração.

Um estudante de Engenharia não aprenderá Matemática e Física se não prestar atenção às aulas e gastar horas e horas estudando e fazendo exercícios.

Se fizer tudo enquanto atende o telefone, responde mensagens, navega no tablet e vê um jogo de futebol na televisão, o aprendizado será obviamente muito menor.

Outra questão preocupante é o baixo índice de leitura de livros. Fala-se muito no aumento das vendas de e-books. Eles são muito vendidos, mas pouco lidos.

Pesquisas mostram que poucos donos de tablets leram um livro inteiro na tela do equipamento. Leitura de livros depende de interesse, paixão, paciência e concentração, coisas escassas na geração Y, cuja marca é a pressa e a ansiedade. O mundo anda empolgado com a tecnologia e entediado com a sabedoria.

Na época da tragédia, o comandante Garcez tinha 32 anos. Era da geração Y. Tentou fazer duas coisas ao mesmo tempo. Não deu certo. Para 12 pessoas, o preço foi a morte na selva.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves