Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Muito mais do que construir cadeias e aumentar efetivo

Muito mais do que construir cadeias e aumentar efetivo

21/09/2018 Marco Antônio Barbosa

Os candidatos à presidência começaram a trazer suas propostas sobre segurança pública.

Mesmo sendo um ponto de extrema relevância para o futuro do país e de interesse do eleitorado, o assunto é tratado mais uma vez de forma superficial e com propostas vazias. As principais são mais policiais nas ruas, mais cadeias e porte de arma.

Nada de pensar em longo prazo, como deveria ser. Focamos nas propostas de mais investimentos. O governo federal já aumentou em 6,9% os gastos em segurança pública, chegando a R$ 9,7 bilhões, em 2017, segundo dados do 12º Anuário de Segurança Pública, que reúne informações sobre segurança e violência em todo o Brasil.

Fica bonito para dizer na campanha, mas se já foi feito, qual realmente foi o diferencial, se as estatísticas apontam para um recorde nos números de assassinatos no país? Aumentar efetivo policial ou presídios remendam, mas não estancam o problema. O buraco é bem mais fundo.

Agilizar a justiça, investir em infraestrutura e integrar as informações por todo o Brasil deveriam ser os principais pontos. Mas por que, então, apenas um ou até mesmo nenhum dos pontos está nas plataformas de governo dos nossos candidatos?

A resposta é simples: eles não trazem resultados em curto prazo e ainda implicam mudanças profundas nos complexos, arcaicos e aparelhados sistemas judiciário e policial. Como mostra o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), a população carcerária do Brasil passou de 720 mil pessoas, com crescimento de mais de 180% entre 2006 e 2016.

Os bandidos estão sendo presos. Entretanto, mais de 40% deste número aguarda julgamento. Nosso judiciário não dá conta da demanda. Enquanto isso, suspeitos aguardam em cadeias superlotadas, juntamente com criminosos já julgados, alguns deles de alta periculosidade ou envolvidos com o tráfico. O Estado mune o crime organizado com novos recrutas todos os dias.

Aumentar cadeias sem um plano para mudar essa situação é como criar mais universidades para o crime. Antes de focarmos em mais presídios, é necessária uma reforma no sistema prisional brasileiro. Outro ponto muito importante é o investimento em educação, saúde, transporte, moradia, saneamento básico. Dar infraestrutura para que todos possam ter alternativas de crescimento pessoal e profissional. Isso influi, e muito, na segurança.

O seu candidato tem propostas sobre isso? Ele faz a conexão da segurança com estes setores? É na falta de oportunidades e na lacuna deixada pelo Estado que o crime organizado aparece como opção.

A questão de integrar as informações e políticas vem sendo abordada nas campanhas, mas muitas vezes de forma superficial. É necessário integrar muito mais do que a inteligência para prender bandidos. O sistema judiciário, por exemplo, também precisa de integração. Isso ajuda a desburocratizar e agilizar os julgamentos.

Resumindo: tudo é um ciclo. A roda precisa girar para o lado certo para que as coisas comecem a mudar. Demanda tempo, muito mais do que dinheiro. Inaugurar presídios, dar novas viaturas e armas fica bonito para palanques e horários eleitorais, mas não resolvem o problema. É preciso mais do que marketing.

O problema é grave e precisa ser tratado como tal. Até o momento, o apresentado pelos candidatos, infelizmente, não passa de combater a fumaça e não o foco do incêndio. Ou aprofundamos o debate, ou passaremos mais quatro anos enterrando entes queridos assassinados.

* Marco Antônio Barbosa é especialista em segurança e diretor da CAME do Brasil.

Fonte: WGO Comunicação



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli