Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não é mais ‘só uma dor de cabeça’

Não é mais ‘só uma dor de cabeça’

27/12/2021 Cida Vidigal

O desgaste no trabalho costuma ser algo comum para muitas pessoas.

Mas há um nível desse desgaste que merece ser visto com mais preocupação pela sociedade: dores de cabeça, nervosismo, cansaço físico e mental excessivo, pressão alta, dores musculares, alteração dos batimentos cardíacos, insônia, etc. Em síntese, todos esses sintomas ganharam a alcunha de Síndrome de Burnout.

A doença elevou seu status durante a pandemia, quando o estresse laboral foi intensificado pelo distanciamento social, pelas mudanças da rotina de quem passou a trabalhar em casa e até pelo temor de contrair o vírus.

Mas a síndrome já existia anteriormente. E foi antes mesmo da crise sanitária que a Associação Internacional de Gestão do Estresse (Isma, na sigla em inglês) revelou o panorama brasileiro: nada menos que 32% dos trabalhadores são afetados pela enfermidade – mais de 33 milhões de pessoas!

Não por acaso, a Síndrome de Burnout também é conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, e alguns estudos já vêm mostrando que as áreas com maior incidência são da saúde, da educação, da comunicação e da segurança pública.

Os motivos estão na pressão constante e, no caso da comunicação, na necessidade de manter-se quase que permanentemente conectado.

Possivelmente parte dos leitores podem se familiarizar com esses sintomas, mas o mais impressionante é que somente agora, a partir de janeiro de 2022, ela entrará na lista da Organização Mundial da Saúde (OMS) como doença do trabalho, enquadrada dentro da CID-11, que se desenvolve em razão de estresse crônico decorrente da atividade laboral.

Esse reconhecimento estabelece novos parâmetros para a relação entre empregadores e empregados, especialmente na responsabilização das empresas de promover um ambiente propício à produtividade saudável, sem rigidez excessiva de resultados que exigem uma dedicação superior ao que uma pessoa pode suportar.

Aos olhos da lei trabalhista, já existem artigos que tratam do respeito e da manutenção à integridade física do trabalhador.

Contudo, diante da legitimação da Síndrome de Burnout, é admissível pensar que é um primeiro passo para o surgimento de novas regras que contemplem a melhoria da qualidade do ambiente de trabalho.

Além disso, pode ser o pontapé para a criação de políticas de enrijecimento a práticas abomináveis que ferem a dignidade humana, como todas as formas de preconceito e os assédios moral e sexual.

A Síndrome de Burnout não surge da noite para o dia. Ela é resultado de uma sucessão de desgastes e conflitos, bem como do cerceamento a direitos individuais elementares.

Todos esses problemas num ambiente de cobranças podem desencadear, enfim, os transtornos que levam ao diagnóstico da síndrome.

Por isso, a resolução que a coloca em compasso com a comunidade sanitária internacional é um divisor de águas, mas seus efeitos ainda não são totalmente conhecidos.

Não posso me furtar de um raciocínio mais amplo, que consiste em crer que a lei poderá ir muito além da letra.

Acredito em mudanças profundas que podem contribuir para moralizar o trato com a doença no universo do trabalho. Mais do que nunca, não é só uma dorzinha de cabeça.

* Cida Vidigal é advogada, diretora acadêmica do Grupo Ipemig e professora da Faculdade Batista de Minas Gerais.

Para mais informações sobre Síndrome de Burnout clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.