Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não façam o coronavírus de bandeira eleitoreira

Não façam o coronavírus de bandeira eleitoreira

26/03/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A infestação de coronavírus e, principalmente, as mortes que dela poderão decorrer são os mais graves problemas hoje enfrentados pelo país e pelo mundo.

Mas da forma que a questão está se encaminhando no Brasil, ainda teremos de purgar adicionalmente a crise econômica e social.

Tanto que o presidente Jair Bolsonaro, em pronunciamento na terça-feira (24), pediu a governadores e prefeitos que abandonem o “conceito de terra arrasada” e voltem atrás nas questões do fechamento do comércio, escolas e outros estabelecimentos e do confinamento em massa.

Considerando que o grupo de risco é nas pessoas a partir dos 60 anos de idade e são raros os casos fatais em menores de 40 anos, pregou que se reabra as escolas e possibilite o funcionamento do país, adotados os devidos cuidados entre as pessoas para evitar a infecção.

Neste momento, mais grave do que os riscos concretos é a polarização política. A conhecida falta de tato do presidente somada à oposição e oportunismo de seus contrários – muitos deles em postos importantes da República – potencializam o embate e o clima de discórdia, prejudicial ao momento de crise pandêmica.

É preciso compreender que o país não dispõe de lastro econômico para sustentar por muito tempo a cessação da atividade produtiva.

Por mais que possam fazer, tanto os cofres públicos quando o bolso do empresariado só suportarão até certo ponto.

É preciso fazer tudo para evitar a chegada da quebradeira nos negócios pois, aí sim, a verdadeira crise econômica se instalará com o aumento do desemprego, problemas de abastecimento e convulsão social.

Só 6% da população têm alguma poupança e o caixa das empresas pequenas e médias, que constituem 80% do segmento, não suporta mais do que 27 dias sem produção.

Há que se considerar, ainda, que os vulneráveis – trabalhadores informais, ambulantes, moradores de favelas e outros – precisam gerar sua renda todos os dias ou, então, passam fome. Nada mais perigoso do que uma população de esfomeados.

Existem muitas teorias sobre o combate ao vírus e a devastação econômica por ele trazida. É hora dos detentores do poder se unirem em busca da melhor solução.

Presidente, governadores e prefeitos têm de deixar em segundo plano suas divergências políticas e ideológicas e os planos de futuro, para atenderem ao imperativo do momento.

Eles têm a obrigação de criar o protocolo que mais se ajuste à situação brasileira, de seus estados e municípios em relação ao vírus.

Sempre com o cuidado de evitar que os efeitos colaterais do “remédio” sejam mais devastadores do que o mal combatido.

Senhor presidente, governadores, prefeitos, simpatizantes e antipatizantes. Compreendam o momento difícil e deixem de lado tudo o que possa desuni-los e enfraquecer o combate do mal.

Não façam do coronavírus uma maldita bandeira eleitoreira. Seus eleitores e toda a Nação esperam dos senhores grandeza e senso de responsabilidade.

Não permitam que as vaidades, os interesses pessoais, políticos ou ideológicos coloquem tudo a perder. A pandemia vai passar e depois dela, cada um que siga o seu caminho, mas todos com a certeza do dever cumprido…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan