Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não, imprensa, quem venceu no Canadá foi a esquerda

Não, imprensa, quem venceu no Canadá foi a esquerda

03/11/2015 Alexandre Borges

Fiquem alertas: os semi-analfabetos da imprensa bananeira estão traduzindo “liberal”, no sentido americano/canadense (esquerda), por “liberal” (direita), como se entende no Brasil ou na Europa.

É um erro cometido até por alguns dicionários, mas não se engane: o que americanos e canadenses chamam de “liberal” não tem nada de liberal.

E qualquer um minimamente familiarizado com política deveria saber disso. Os jornalistas investem nessa confusão para que você vote em esquerdistas achando que vota em liberais, mas não caia no truque.

A palavra “liberal” nos EUA e no Canadá é usada para esquerdistas, lá o PT seria “liberal”. Os direitistas nesses países são chamados de “conservatives” e “classic liberals”.

Muitos brasileiros caem nessa armadilha por conta da guinada ideológica da política por aqui. Como o PSDB, mesmo sendo um partido de centro-esquerda, é chamado de “direita” pelos petistas, inclusive os da imprensa, muito brasileiro confunde “esquerda” com “extrema-esquerda” e “social democracia”, “centro-esquerda” ou “socialismo europeu” com “direita” .

O único partido “liberal clássico” do Brasil hoje é o Partido Novo, que acaba de nascer. Quem venceu as eleições no Canadá foi a esquerda e é um erro absurdo escrever “liberais no poder”, como nessa matéria.

É como se o tradutor não soubesse que “football” por lá é um jogo que se joga com bola oval e usando as mãos. Justin Trudeau, o novo primeiro-ministro eleito, é tão esquerdista quanto Barack Obama.

Na Europa, o termo “liberal” assume seu sentido original, o mesmo que usamos no Brasil: defensores do estado como um garantidor da segurança e da ordem e não um engenheiro social ativo que quer redesenhar a sociedade segundo as taras ideológicas da burocracia estatal e radicais da academia.

Não aceite essa terminologia de forma alguma no Brasil, já que não há nada de liberal num esquerdista, a não ser em relação aos seus instintos fisiológicos. Para todo resto, sua agenda é controlar, regular, taxar e proibir.

Todo texto político dos EUA ou Canadá em que aparecer o termo “liberalism” você deve entender “esquerdismo”, “progressismo” ou “socialismo”.

Traduzir “liberal” em inglês da América do Norte como “liberal” em português é tão ridículo e absurdo como dizer que “push” é “puxar”, “college” é “colégio”, “actually” é “atualmente” ou “enroll” é “enrolar”. Chega de enrolação.

* Alexandre Borges é carioca, comentarista político e publicitário.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.