Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não sabendo que era impossível, foi lá e fez

Não sabendo que era impossível, foi lá e fez

10/12/2020 Acedriana Vicente Vogel

A arte da possibilidade é, sem dúvida, um elemento constituinte do perfil de quem pretende exercer a docência no cotidiano escolar.

Isso nada mais é do que assumir a responsabilidade pela construção de soluções para os vazios que a ciência, profundamente marcada pela razão, não é capaz de dar conta, no que tange ao refinamento qualitativo da natureza humana, matéria-prima do trabalho escolar.

Cada proposta a ser construída somente figurará como solução se o seu cerne representar a captura fiel das relações humanas, investigada a partir do tempo e do espaço nos quais elas acontecem.

Outro viés para abordar a arte da possibilidade é por meio da superação de “situações-limite”, uma categoria freireana, denominada de “inédito viável”. Trata-se de uma solução latente na “futuridade histórica”, ainda inédita de ação.

Para tanto, se considera o real e o virtual como algo que não se opõem, apenas estão representados de forma diferente na conjuntura atual – um capturado e o outro disperso.

Partindo desse princípio, uma árvore está contida, virtualmente, numa semente. Logo, a semente é virtualmente uma árvore  e, na medida em que se torna uma árvore, ela se atualiza.

Já no que tange ao potencial humano, sua virtualidade é elástica, pois não nascemos determinados, nascemos apenas e tão somente, condicionados.

Sendo assim, a expectativa em relação ao espetáculo que podemos fazer com a nossa existência é imensa. Afinar os sentidos para perceber, constatar e intervir de forma a aperfeiçoar a natureza humana é uma virtude e não um dom.

Trata-se de uma força intrínseca, um devir facultado para todos e todas que se permitem ‘baixar uma nova versão’ a cada amanhecer.

Atualizar, nesse contexto, significa capturar o virtual e transformá-lo em real observável, de forma genuína, no pensamento (que revela a autonomia), na ação (que revela a obra) e na palavra (que revela a autoria) daquele ou daquela que o faz.

Não há outra forma de construir o caminho da ‘possibilidade inédita’ que não seja caminhando, superando desafios, um após o outro. Um servindo de aprendizado para o outro. “Ninguém chega lá, saindo de lá”, também escreveu Paulo Freire.

E é nesse movimento que uma situação diagnosticada como impossível de ser transposta, em dado momento; em outro, ao ser superada, germina como condição indispensável ao embate re-criador do mundo, bem como revitaliza as habilidades e as competências que nos credencia para (co)operar no mundo.

Não há quem não queira se “atualizar” para se incluir nesse universo de relações que é o mundo. Por esse motivo, um dos principais fundamentos que enobrece a alma e constrói a dignidade humana é a capacidade de responder por algo, ou seja, a responsabilidade.

Se reconhecer em uma edificação coletiva requer certa dose de resistência à frustração para assumir todos os erros que não sejam advindos da negligência, mas próprios de quem se coloca em ação e, nesse movimento, se fertiliza ao fertilizar.

Pois tão importante quanto saber o que fazer é saber o que não podemos fazer. Nessa dinâmica, catalogar os erros e os acertos tem importância similar.

Registrou certa feita, Thomas Edison, que ouviu, por diversas vezes, que seria impossível a realização do seu sonho: “tão importante quanto inventar a lâmpada elétrica foi inventar 1.430 modos de não fazê-la”.

E foi por não acreditar na impossibilidade que ele foi lá e fez!

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Fonte: Central Press



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros