Portal O Debate
Grupo WhatsApp

“Não se pode comer dinheiro”

“Não se pode comer dinheiro”

02/08/2015 Luisa Maria Maia Nobre

Aquela diarista sempre faz comentários desconcertantes a respeito do comportamento das pessoas nos dias atuais.

Afirma que os indivíduos estão deixando os campos sem plantar para conseguirem emprego na cidade grande e a terra fica abandonada sem que ninguém tome conta. Ressequida e improdutiva.

A diarista vai tagarelando pelos cantos na sua simplicidade e dizendo: "De que adianta ganhar muito dinheiro se vai chegar um tempo em que não vamos ter o que comprar".

A lembrança veio rápida ao me deparar com o sucesso estrondoso da escritora britânica E.L. James, um recorde de vendas na última pesquisa apontando que a série de livros iniciada por "50 tons de cinza" já atingiu a marca dos 125 milhões de livros vendidos. E os demais lançados venderam 5,5 milhões de exemplares.

A nova série baseada no primeiro volume da trilogia erótica de E. L. James, "Cinqüenta tons de cinza" retrata o relacionamento do jovem milionário Christian Grey com a estudante Anastasia Steele.

O fenômeno "Cinqüenta tons de cinza" se tornou sucesso de vendas e popularidade pela grande doses de erotismo, fantasias sexuais e cenas até de sadomasoquismo entre os protagonistas.

Mas qual foi a surpresa. Esperava-se que as cenas de teor sexual contidas no livro fossem as de maior destaque junto aos leitores. Entretanto, o que ocorreu foi ao contrário.

Segundo uma lista que foi compilada e divulgada pela Amazon, gigante do comércio eletrônico, a partir das informações de leitura de Grey, cuja tradução chegará ao Brasil em setembro, entre as frases citadas destacamos esta: "Somente quando a última folha cair, a última árvore morrer e o último peixe for pescado, nós vamos perceber que não podemos comer dinheiro".

E a diarista está coberta de razão.

* Luisa Maria Maia Nobre é diretora de redação do jornal O Debate de Belo Horizonte



Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves