Portal O Debate
Grupo WhatsApp


“Não se pode comer dinheiro”

“Não se pode comer dinheiro”

02/08/2015 Luisa Maria Maia Nobre

Aquela diarista sempre faz comentários desconcertantes a respeito do comportamento das pessoas nos dias atuais.

Afirma que os indivíduos estão deixando os campos sem plantar para conseguirem emprego na cidade grande e a terra fica abandonada sem que ninguém tome conta. Ressequida e improdutiva.

A diarista vai tagarelando pelos cantos na sua simplicidade e dizendo: "De que adianta ganhar muito dinheiro se vai chegar um tempo em que não vamos ter o que comprar".

A lembrança veio rápida ao me deparar com o sucesso estrondoso da escritora britânica E.L. James, um recorde de vendas na última pesquisa apontando que a série de livros iniciada por "50 tons de cinza" já atingiu a marca dos 125 milhões de livros vendidos. E os demais lançados venderam 5,5 milhões de exemplares.

A nova série baseada no primeiro volume da trilogia erótica de E. L. James, "Cinqüenta tons de cinza" retrata o relacionamento do jovem milionário Christian Grey com a estudante Anastasia Steele.

O fenômeno "Cinqüenta tons de cinza" se tornou sucesso de vendas e popularidade pela grande doses de erotismo, fantasias sexuais e cenas até de sadomasoquismo entre os protagonistas.

Mas qual foi a surpresa. Esperava-se que as cenas de teor sexual contidas no livro fossem as de maior destaque junto aos leitores. Entretanto, o que ocorreu foi ao contrário.

Segundo uma lista que foi compilada e divulgada pela Amazon, gigante do comércio eletrônico, a partir das informações de leitura de Grey, cuja tradução chegará ao Brasil em setembro, entre as frases citadas destacamos esta: "Somente quando a última folha cair, a última árvore morrer e o último peixe for pescado, nós vamos perceber que não podemos comer dinheiro".

E a diarista está coberta de razão.

* Luisa Maria Maia Nobre é diretora de redação do jornal O Debate de Belo Horizonte



Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.