Portal O Debate
Grupo WhatsApp


“Não se pode comer dinheiro”

“Não se pode comer dinheiro”

02/08/2015 Luisa Maria Maia Nobre

Aquela diarista sempre faz comentários desconcertantes a respeito do comportamento das pessoas nos dias atuais.

Afirma que os indivíduos estão deixando os campos sem plantar para conseguirem emprego na cidade grande e a terra fica abandonada sem que ninguém tome conta. Ressequida e improdutiva.

A diarista vai tagarelando pelos cantos na sua simplicidade e dizendo: "De que adianta ganhar muito dinheiro se vai chegar um tempo em que não vamos ter o que comprar".

A lembrança veio rápida ao me deparar com o sucesso estrondoso da escritora britânica E.L. James, um recorde de vendas na última pesquisa apontando que a série de livros iniciada por "50 tons de cinza" já atingiu a marca dos 125 milhões de livros vendidos. E os demais lançados venderam 5,5 milhões de exemplares.

A nova série baseada no primeiro volume da trilogia erótica de E. L. James, "Cinqüenta tons de cinza" retrata o relacionamento do jovem milionário Christian Grey com a estudante Anastasia Steele.

O fenômeno "Cinqüenta tons de cinza" se tornou sucesso de vendas e popularidade pela grande doses de erotismo, fantasias sexuais e cenas até de sadomasoquismo entre os protagonistas.

Mas qual foi a surpresa. Esperava-se que as cenas de teor sexual contidas no livro fossem as de maior destaque junto aos leitores. Entretanto, o que ocorreu foi ao contrário.

Segundo uma lista que foi compilada e divulgada pela Amazon, gigante do comércio eletrônico, a partir das informações de leitura de Grey, cuja tradução chegará ao Brasil em setembro, entre as frases citadas destacamos esta: "Somente quando a última folha cair, a última árvore morrer e o último peixe for pescado, nós vamos perceber que não podemos comer dinheiro".

E a diarista está coberta de razão.

* Luisa Maria Maia Nobre é diretora de redação do jornal O Debate de Belo Horizonte



Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.