Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não seguir tendências virou uma tendência na moda

Não seguir tendências virou uma tendência na moda

17/03/2022 Maurício Sepulveda

A moda é cíclica, como muitas coisas que abrangem a vida em sociedade.

Mas envolver-se em um negócio, geralmente acaba desencadeando dois tipos de sentimentos que podem ser considerados até mesmo antagônicos: a vontade de querer algo novo, que foge dos padrões e a necessidade de gerar valor, porque todo negócio precisa ser rentável, se não, é hobbie.

Manter o equilíbrio entre os dois é desafiador, sem dúvidas, principalmente para quem, no mercado da moda, não aceita virar uma fast fashion.

Algumas marcas apostam na cultura de instigar o desejo do consumidor com peças em quantidades limitadas e coleções exclusivas.

Em um mercado em que se quer ser inovador e fugir das tendências isso é muito importante porque cria um senso de pertencimento e, com sorte, uma legião de fãs que sempre compram lançamentos para não correr o risco de ficar sem.

Na maioria das vezes, a exclusividade também está atrelada a peças com maior qualidade e bastante diferentes das opções do mercado.

Os criadores acabam não seguindo uma premissa para o desenvolvimento dos produtos, mas existe um elo emocional grande que acaba criando barreiras para olhar outros nichos que poderiam consumir a marca, e aí os disruptivos, que criam as tendências, acabam ficando às margens do “popular” e sendo engolidos por grandes marcas que adaptam os conceitos para produtos mais vendáveis.

Também tenho observado alguns padrões. O que antes era tido como um jeito “peculiar” de se vestir, pode estar se tornando uma tendência.

Antigamente seria inconcebível que uma aeromoça, sinônimo de elegância e requinte para alguns que romantizam a imagem destas profissionais, passasse de tênis servindo os passageiros, mas na Ucrânia, uma companhia aérea passou a adotar os sneakers e terninhos com modelagem mais solta no lugar dos uniformes tradicionais.

A pandemia também trouxe novas experiências e fez com que a indústria do vestuário se desprendesse das tendências e se adaptasse, além da necessidade de vender mais pela internet, atrair pessoas que nem precisassem provar as roupas para comprá-las.

Outro ponto importante é que, com as pessoas passando muito mais tempo em casa, porém se apresentando em câmeras para reuniões online, foi possível unir conforto com estilo, formalidade e informalidade.

De acordo com a pesquisa Moda e Pandemia há diferenças em relação ao consumo entre as gerações Y (nascidos entre os anos 1980 e meados de 1990, os millenials) e Z (nascidos após 1990 e início dos anos 2000, os nativos digitais).

Enquanto os primeiros se importam mais com o status que determinadas peças de roupas dão, os jovens da geração Z são mais conscientes em relação à moda e tendem a querer expressar seus posicionamentos pessoais no vestuário.

Por buscar um consumo com propósito, os nativos digitais acabam abrindo espaço no guarda-roupa para marcas com mais responsabilidade ambiental e social, o que também impacta no mercado.

A música sempre esteve presente na moda. Nossos ídolos sempre criaram desejo e identificação. Antigamente, usar uma camiseta de banda era a forma como as pessoas demonstravam que pertenciam a determinados grupos, mas hoje percebo que essa relação mudou.

Usar uma camiseta do Ramones, por exemplo, não significa mais que você é um adorador do punk rock. Muitos dos jovens sequer já ouviram as músicas deles, mas usar a camiseta com a logo da banda é quase como uma marca, se tornou uma tendência e um símbolo de um espírito alternativo.

Acredito que cada vez mais coisas que não são uma tendência hoje, se tornarão no futuro, principalmente com a inclusão de estampas de personagens icônicos, linhas relacionadas ao universo musical e outras coisas “undergrounds” nas prateleiras de lojas de departamento, assim como o adjetivo “nerd”, deixou de ser algo negativo e a cultura nerd, se popularizou.

* Maurício Sepulveda é Diretor de Marketing e Novos Negócios da Taurus Helmets.

Para mais informações sobre moda clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Fala Criativa



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho